O porco voador

flying_p.gifJorge Porco era um leitãozinho rosado que morava com Papai Porco, Mamãe Porco e seus irmãos Porco numa chácara no interior de Portugal. Quando Mamãe Porco estava grávida de Jorge e seus sete irmãos teve um sonho estranho: um anjo apareceu em uma nuvem ao nascer do sol. O anjo era humano – digo, tinha formas humanas. Não que fosse humano, você entende. Anjos não são humanos. Alguns são bem cruéis, até.

A voz do anjo dizia à Mamãe Porco coisas que ela não entendia. Não era comida, não era banho nem era vacina. Algumas palavras soavam como enviado, paz e missão. Ela contou o sonho a Papai Porco mas ele também não entendeu a fala do anjo. Discutiram o dia inteiro a respeito do sonho e por fim decidiram que, sim, podiam comer mais um balde de milho antes de dormir.

Naquela noite Mamãe Porco deu à luz [da Lua] oito filhotinhos rosados. O oitavo leitão, porém, era um pouco diferentes dos outros… Ele tinha asas. Um par de asas, úmidas, as penas ainda coladas umas nas outras. Por um instante Papai Porco empalideceu. Ele se lembrou que o Ganso andou passando muito tempo junto da cerca do chiqueiro. O Ganso era um conquistador reconhecido e temido até a semana passada, quando O Dono Da Chácara resolveu testar uma nova receita de Ganso a l’orange. O Dono Da Chácara era adepto de uma religião chamada “Salvem Os Patos“.

Mas então Papai Porco lembrou-se que Jorge era o oitavo filho do oitavo do filho do oitavo filho: um porquiceiro! Um ser dotado de imenso poder. As asas identificavam o porquiceiro perante os outros porcos. Seus olhos se encheram d’água. Ele era pai de um porquiceiro! Aquelas cercas logo seriam derrubadas! Os animais maiores, que sempre caçoaram da família Porco, seriam subjugados! Nunca mais faltaria milho! Papai Porco soltava a imaginação dando asas [ok, infame] a todos os seus sonhos de dominação mundial. Ele começaria pela Feijoada do Bolinha até o McDonald’s – seria uma destruição em cadeia.

Mamãe Porco lembrou que Jorge precisaria primeiro desmamar para poder viajar tão longe assim. Papai Porco grunhiu, grunhiu mas aceitou esperar.

Jorge crescia devagar, concentrando todas as suas forças e poderes. Suas asas abriam-se aos poucos, as penas maiores primeiro e as plumas depois. Até que um dia apareceu na chácara O Homem Do Restaurante em que um certo senhor Pré-Datado, dono do gatinho Schubert, almoçava e lá serviam plumas de porco.

Foi assim que os sonhos de dominação mundial de Papai Porco e a missão de paz universal desperdiçada por um anjo míope terminaram.

* Oitavo filho: referência chupada descaradamente do Oitavo Mago, de Terry Pratchett.

About these ads

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s