O assassinato retrospectivo – parte 1

– Era tão moço — suspirou — e tão bonito.

As palavras de D. Agripina mal penetravam em meu cérebro enquanto virava as páginas do álbum de fotografias.

– Morreu de quê, D. Agripina?

Os olhos, era isso. Mesmo através das fotos em preto-e-branco, muitas quase desbotadas, era possível perceber que eram olhos tristes. Olhos que encaravam diretamente a lente da câmera

– Ninguém sabe, filha. Um dia apareceram em casa, a polícia, um – como eles se chamam hoje em dia? Investigador, e um policial. É isso o que você faz, filha?

Um leve toque diferente na voz. Curiosidade – medo? Ainda não me acostumara.

– Faz tempo que saí da polícia, D. Agripina. Não nasci pra isso.

A velha senhora de olhos azuis e vestido florido sorria na cadeira de braços forrados com peças de crochê. Levantou-se e foi em direção à cozinha. Aproveitei e corri os olhos pela sala. A casa bem arrumada era simples e pequena demais para o dinheiro que a família tinha. “Teve”, me corrigi. D. Agripina era a última descendente de uma família que perdeu todo o dinheiro e o poder que dominou a cidade por mais de setenta anos. Parte deste passado estava presente na sala abafada, lotada de retratos e móveis pesados, escuros.

About these ads

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s