NORAD

Finalmente!

O rastreador de Papai Noel foi ativado: no site Norad Santa é possível acompanhar a posição em que Papai Noel se encontra nos céus do planeta.

A historinha do Norad Santa é tão fofinha que eu conto todo ano: era uma vez uma loja que abriu uma linha telefônica especial na época das festas para as crianças falarem diretamente com Papai Noel. Por um erro na hora de imprimir os cartazes, o número divulgado foi o do comandante do antigo CONAD [Continental Air Defense Command]. Por sorte o cara era daqueles que ainda se lembrava do que era ser criança, e mobilizou toda a equipe para atender as ligações e “checar pelo radar onde ele estava naquele momento” para informar às crianças que ligavam para o CONAD. Isso foi em 1955 e dura até hoje, com a página na Internet. Até o ano passado tinha uma versão da página em português, mas em 2005 parece que não tem…

O NORAD [North American Aerospace Defense ] é uma organização militar binacional destinada a defender o espaço aéreo de Canadá e EUA e substitui o CONAD desde 1958.

Haka

O capitão da seleção de rugby puxa o hakaA Nova Zelândia é um país formado por ilhas habitadas originalmente pelos maoris e colonizadas pelos britânicos, localizadas beeeem a sudoeste do Oceano Pacífico, na Polinésia. Quase embaixo da Austrália, para ser mais exata.

Nenhuma colonização é famosa por respeitar ou preservar os valores das terras invadidas, mas no caso dos times de rugby da Polinésia há uma saudável exceção: cada seleção tem seu próprio haka, a dança de guerra maori que executam antes de cada partida na frente dos seus adversários. O rugby é um jogo introduzido nas ilhas pelos colonizadores ingleses e que lembra um pouco o futebol [soccer] e o futebol americano [nesse site tem as regras em português]. Duas culturas diferentes em harmonia. Ou quase, caus que cada jogo é uma guerra em si.

Continue lendo

Criaturas da Noite

Capa da HQ Criaturas da noite, de Neil GaimanEdgar Alan Poe escreveu um conto sobre um gato preto que, de certa forma, reforçava o preconceito contra o bichinho – mesmo que uma leitura mais aprofundada mostrasse que esse preconceito era injustificado. Senti o mesmo clima gótico na primeira história da graphic novel Criaturas da noite de Neil Gaiman, desenhada por Michael Zulli.

O demônho faz uma participação especial ni “O Preço”, por isso a inclusão na série D Evil.

Continue lendo

O Trono do Crisântemo

Bandeira imperial japonesaO Caos gerou Izanagi e Izanagi gerou Amaterasu. Amaterasu é a Deusa do Sol responsável pela vida dos homens e de quem descende a família imperial japonesa – o atual imperador Akihito, o príncipe herdeiro Naruhito e a princesa Aiko, filha única de Naruhito e da princesa Masako, que foram pais já perto dos 40 anos de idade. Por causa disso, uma comissão estuda mudar a lei que dá direito de sucessão ao trono apenas aos filhos homens, móde permitir que Aiko seja proclamada imperatiz depois de Naruhito. Caso contrário, um dos irmãos dele ou futuros sobrinhos assumirá o trono já que há muito tempo não nasce um menino na família imperial japonesa.

Continue lendo

Eric

Capa do livro Eric, de Terry PratchettEric é o menor livro da série Discworld publicado até o momento pela Conrad no Brasil [128 páginas] mas vale absolutamente a pena por retomar o humor insano, bizarro e delirante a que estamos acostumados vindo de Terry Pratchett.

A começar pela capa de Josh Kirby: o campo reservado pro título do livro traz o nome “Fausto”, uma referência nem um pouco sutil ao personagem de Goethe que fez um acordo com Lúcifer. Riscado, o nome “Eric” foi manuscrito sobre ele. Eric é um garotinho de 13 anos [estranhamente, ele me lembra muito o Adam de Good Omens] que convoca um demônio modos a satisfazer seus três Continue lendo

Morte, A Festa

Capa da HQ Morte, A Festa, de Jill ThompsonFluffy!

Decerto é a última palavra que pensamos em relação a qualquer coisa relacionada ao mundo dos Perpétuos de Neil Gaiman, mas é o que este mangá é: fofinho. A autora Jill Thompson [que vem a ser esposa de Brian 100 Balas Azzarello e colaboradora de Gaiman] adaptou “Estação das Brumas”, da série Sandman, e contou a história sob o ponto de vista de Morte, irmã mais velha de Sonho. Todos os irmãos Perpétuos* – exceto Destruição – comparecem à reunião familiar convocada por Destino para decidir o que acontecerá agora que Lúcifer Morningstar aposentou-se e entregou as chaves do inferno para Sandman – não sem antes despachar seus habitantes mundo afora. Delírio, que é um pouco, errr… delirante, acha por bem reunir essas almas numa festa para evitar que saiam por aí atrapalhando o trabalho *normal* de suas irmãs Morte e Desespero, além do seu próprio.

Continue lendo