Grinch

Durante boa parte da última semana, agravando-se perto do Natal, só dava notícia sobre as filas nos aeroportos na tv e na Internet. A responsabilidade – do governo, da empresa, do bispo, de quem seja – não foi identificada ainda, mas cá por mim tenho que os menos culpados são justamente os funcionários que estavam trabalhando nesses aeroportos, sob pressão desumana, e os que foram mais atacadas pela turba. Quando vi a imagem de duas moças retirando-se do balcão por falta de condições para trabalhar achei que elas tinham todo o Continuar lendo

Top Letrinha Fazível – Anthony Cade

Evidentemente, Mr. Cade encontrara um velho amigo. Todos admiravam muito Mr. Cade, sua figura alta, esguia, seu rosto bronzeado, a maneira despreocupada com que apaziguava as disputas e os induzia ao bom humor. E agora havia um amigo – certamente um indivíduo de aspecto curioso. Mais ou menos da mesma estatura que Mr. Cade, porém corpulento e não tão bonito.

[...]

– Oh, depois disso viajei e vi o mundo. A igualdade que existe é em proporção infernalmente pequena. Note bem, ainda Continuar lendo

Chage & Aska

Cena do anime On Your Mark, de Hayao MiyazakiA primeira vez que ouvi Chage & Aska foi no finalzinho dos anos 80, quando amigo enviou fita K7 [nem era época de cd ainda] direto do Nihon. O tipo de música, a forma de cantar, o fato de ser uma dupla, tudo lembra as duplas neosertanejas brasileiras, mas pá, eu gosto. Dessa fita lembro bem que tinha Say Yes e On Your Mark [MP3 disponível na Ouvateca, em abril/06], e outras que não lembro o nome. Se eu procurar bem, capaz que encontre a fita – só que em tempos de Internet prefiro sair catando P2P afora.

Anturdia baixei a animação que o diretor Hayao Miyazaki [do Estúdio Ghibli; Chihiro e O Castelo Animado] desenvolveu em 1995 para a música On Your Mark e fiquei boquiabrida. São Continuar lendo

Quase Deuses

Capa do DVD Quase deusesUm dos temas mais ásperos de tratar no cinema, qualquer que seja o país de origem, é o da discriminação. De tratar e de assistir, para mim, ainda mais quando é sem histeria. Foi assim com o filme baseado em fatos reais Quase deuses, que se não me engano foi feito para tv e de lá foi direto pro dvd. O ator Alan Rickman [pausa para gritinhos *ui ui ui!!*] interpreta o cirurgião Alfred Blalock, que chegou a chefiar o departamento de cirurgias do Hospital Johns Hopkins na década de 40 e foi o pioneiro em cirurgias cardíacas graças à sua parceria com Vivien Thomas [Mos Def].

Continuar lendo

Feijõezinhos de todos os sabores

Uma pessoa [que não lembro quem] comentou numa lista [que não lembro qual] ter encomendado caixas de feijõezinhos de todos os sabores Bertie Bott’s. Pensei que era brincadeira: essa guloseima foi inventada pela escritora J. K. Rowling para a série Harry Potter, não existe no mundo real! Tolinha. Imagina se deixariam passar batido essa oportunidade de vender algo relacionado a um produto milionário feito HP. A empresa americana Jelly Belly produziu os feijõezinhos para a Continuar lendo

Top Letrinha Fazível – Mr. Rochester

“É uma grande verdade: “a beleza está nos olhos de quem olha”. Aquela face pálida, esverdinhada e angulosa; a testa maciça; as sobrancelhas cerradas e longas, os olhos profundos, as linhas rígidas, a boca firme e cruel, toda energia, decisão, vontade, não seriam bonitas de acordo com os cânones. Mas para mim eram mais que bonitas. Emanavam um interesse, uma influência que me empolgavam de todo, que arrebatavam ao meu domínio os meus próprios sentimentos e os jungiam a ele. Eu não queria amá-lo. Já disse que fiz tudo para extinguir de minha alma os germes de paixão que nela se haviam insinuado. E contudo, mal o via de novo, esses germes reviviam, virentes e fortes! Sem me olhar, Mr. Rochester me Continuar lendo

ZERØ – O Quinto Elemento

Carta Maior: “Os anos passam, todo mundo sabe que existe, mas poucos se arriscam a falar sobre o assunto. O jabá, o jabaculê ou caititu para os mais antigos, é sinônimo de suborno: dinheiro, presentes ou vantagens em troca de exposição midiática. O maior vilão dos músicos distantes das grandes gravadoras persiste em determinar o que vamos ouvir nas rádios.”

Capa do CD O Quinto ElementoHá tempos não ouço mais rádio nem vejo programas de tv; surrupio dicas de amigos ou blogues que respeito. Nessas horas a Internet também vale como uma ferramenta pela liberdade de escolher o que ouvir. Eu escolhi me presentear com o novo CD do ZERO, um trabalho artesanal com uma pegada rock’n’roll misturada à voz dolente do vocalista. O resultado é uma experiência sensorial viciante. Algumas das 13 faixas são regravações [Mentiras, Em volta do sol, Dedicatória], o que não diminui em nada o prazer de ouvir os 50 minutos de O Quinto Elemento [esse é o único defeito do cd: é muito curto! senquisgóde inventaram o modo contínuo no cd-player].

O CD só pode ser encontrado nos shows do ZERO ou pelo email oquintoelemento@gmail.com, o que inclui uma enorme vantagem: ele já vem com uma mensagem personalizada e autografado. Item de colecionador, xuxu.

* Titia Batata informa que não obteve nenhuma espécie de vantagem pecuniária ou ilícita com este poste exceto a satisfação de, quem sabe, apresentar uma pessoa ao som da banda de quem é fã.