Domingueiras v. 2.0

Para que as coisas permaneçam iguais, é preciso que tudo mude.
[Lampedusa em O Leopardo, preguiça de procurar o n. da página]

Tive uma profa de gramática na 7ª série [e de volta no 1º colegial] que nos fazia copiar palavras num caderno só pra isso. Brochura, obrigatoriamente. O meu era encapado com papel estampado de hortênsias e na folha de rosto fiz um trabalho com lápis amarelo e tesoura para imitar pergaminho. Tive esse caderno até bem pouco tempo.

Copiávamos 50 palavras com X, 50 palavras com CH, 50 palavras com S, com SS, SC, com ditongo aberto, fechado, hiato e assim até quase encher todas as páginas ao longo do ano. No 1º colegial inclusive, mas eu recebi indulto porque D. Clara se lembrava de mim do outro colégio.

Tou pensando em fazer um novo caderno desse agora que mudaram as regras porque, como disse o @emersonpardo, eu não sei mais o que tem hífen e o que não tem. E esse raio de reforma é mais um conjunto de exceções do que de regras, então copiar/decorar é mais efetivo do que entender a lógica [ou a falta dela].

Tabela de palavras e expressões mais utilizadas, com ou sem hífen, atualizadas conforme o Acordo Ortográfico [link].

Tabela de acentuação gráfica conforme o Acordo Ortográfico [link].

Você sabe qual é a diferença entre as animações da Pixar e da Dreamworks? Ou quer que desenhe? :lol:

Bem, desenharam [link].

E a @smiletic deu a dica de filme a assistir: a animação Up, da Pixar. Na resenha você pode assistir ao curta Partly Cloud. É muito fofo.

Atualização: Adrina e Tommy Beresford também indicam.

Momento Discworld da Semana

1. De bruxas, ovelhas e homens explica a cabeçologia, no blog Coisas Geek de Um Hobbit Inútil;
2. Terry Pratchett (Parte I) – O Homem por Trás do Chapéu primeira parte de uma série de cinco posts dedicados ao homem e sua obra, no blog Coruja em Teto de Zinco Quente;
3. Terry Pratchett (Parte II) – Um mundo, uma tartaruga e quatro elefantes…, a parte 2.

Luciano do Valle se redimiu das transmissões inócuas das 500 Milhas e do jogo Brasil x Itália no pré-jogo das eliminatórias contra a Argentina. Ele comentou o contexto histórico da partida de 1978, que também narrou, e as interferências do governo no resultado do jogo, coisa que nem podia sonhar em mencionar na época.

Mas acabei quase nem assistindo, no fim, caus que cidadãozinho queria ver o dvd dos carrinhos. Não o Cars, mas um genérico nacional “amalelo”.

O perfil de um blog soltou um spoiler enorme no Twitter, sem nenhum aviso. Ódio mortal. Ainda pior, é blog que só copia conteúdo de outras fontes e ainda por cima tem acesso restrito, acessável apenas com cadastro.

Morar em cidade pequena tem algumas vantagens: no sábado ganhamos leite, bananas e espinafre, cada um de uma pessoa diferente. No domingo, arroz doce com canela e coco. Na segunda domingo v. 2.0 [i.é, hoje], farofa de feijão andu. Exceto pelo arroz doce, tudo produção do próprio quintal de quem deu.

Aqui em casa o quintal é cimentado, então o que sai daqui é salada de acelga curtida, torta/bolo de banana [tem uma no forno agora mesmo], yakissoba e sushi.

Uma ideia tão simples que chega a ser genial: a horta móvel [link].

Ueba: domingo que vem tem jogo do 49ers!

Agora vou ali, errr… fazer nada.