Toddy

Poirot e eu estávamos sentados em frente à lareira, aquecendo-nos às chamas reconfortantes. Do meu lado, sobre a mesa que nos separava, fumegava uma caneca de toddy preparado com carinho. Junto a Poirot uma xícara de chocolate espesso e perfumado, que eu não beberia nem por cem libras. (Agatha Christie, Os primeiros casos de Poirot, Ed. Record/1989)

Hot toddy

Hot toddy

Quando li este livro pela primeira vez, exatamente em 1989, me lembro que cheguei a questionar porque Toddy e não Nescau ou Quick ou Ovomaltine. O tempo passou e só agora, quando reli, é que pude pesquisar esta questão, graças à Internet.

É claro que toddy não é leite achocolatado – podia ser se fosse Poirot quem estivesse bebendo, mas era Hastings, e ele expressou sua opinião desabonadora sobre as bebidas doces em várias ocasiões: na mesma frase que abre este post, por exemplo!

Continuar lendo