Domingueiras

Gato Poirot não está interessado em resolver seu mistério

Gato Poirot não está interessado em resolver seu mistério

Imagem: I Can Has Cheezburger?, via @semiramis.

Dica legal da Cristine Martin para esta semana pré-Oscar: blogagem coletiva E meu Oscar vai para… “A proposta é fazer uma postagem sobre um ou mais filmes constantes da lista de vencedores do prêmio mais ambicionado do planeta cinematográfico. Se você tem um blog, pode participar escrevendo sobre um dos filmes ganhadores e deixando o link para seu artigo em um comentário no post de chamada da blogagem. Se não, pode acompanhar os artigos da blogagem e também votar na enquete que ficará no blog até 07 de março.”

Olhando a lista, descobri que só postei sobre um vencedor, Lawrence da Arábia, mas faz tempo que planejo escrever sobre O Homem Que Não Vendeu Sua Alma. Vam’ver se rola.

Palavra que aprendi nesta semana: Weltanschauung. Ainda tenho de apelar pro CtrlC+CtrlV, mas sei o que significa, pelo menos. No Houaiss: “‘concepção do universo e da relação do ser humano com ele’, lit. ‘visão de mundo’, comp. de Welt ‘mundo’ + Anschauung ‘contemplação; concepção; ponto de vista; intuição; convicção'”.

Para tudo existe uma palavra, Digestivo Cultural
Castigos viscerais, Hélio Schwartsman

Truque que aprendi nesta semana para a tabuada do 9 [vale para quem tem dez dedos nas mãos, é uma coisa meio elitista de direita, mas funciona] [/ironia]: de 0 a 10, a soma dos elementos da tabuada do 9 é igual a 9, sempre. Então, usando seus dez dedos faça assim:

9 x 1 = dobre o 1º dedo contando a partir da esquerda e conte quantos sobraram à esquerda e à direita [0 e 9]
9 x 2 = dobre o 2º dedo contando a partir da esquerda e conte quantos sobraram à esquerda e à direita [1 e 8]
9 x 3 = dobre o 3º dedo contando a partir da esquerda e conte quantos sobraram à esquerda e à direita [2 e 7]
9 x 4 = dobre o 4º dedo contando a partir da esquerda e conte quantos sobraram à esquerda e à direita [3 e 6]
9 x 5 = dobre o 5º dedo contando a partir da esquerda e conte quantos sobraram à esquerda e à direita [4 e 5]
9 x 6 = dobre o 6º dedo contando a partir da esquerda e conte quantos sobraram à esquerda e à direita [5 e 4]
9 x 7 = dobre o 7º dedo contando a partir da esquerda e conte quantos sobraram à esquerda e à direita [6 e 3]
9 x 8 = dobre o 8º dedo contando a partir da esquerda e conte quantos sobraram à esquerda e à direita [7 e 2]
9 x 9 = dobre o 9º dedo contando a partir da esquerda e conte quantos sobraram à esquerda e à direita [8 e 1]

Zerei Castle e tou paixonada na trilha sonora. E, caras, usar Hitchcock num dos episódios foi delicioso de ver.

Continuar lendo

Clássicos Abril Coleções

A coleção

A coleção

No domingo [21] comentei que queria a tradução de Wuthering Heights feita pela Rachel de Queiroz; na segunda-feira [22] a Denise Bottmann postou a notícia de que a Abril está a lançar uma nova coleção de clássicos da literatura e essa edição tá na lista!

Quais as probabilidades de tal coincidência, pequeno gafanhoto?

É claro que só podia saber disso no blog da Denise, caus que ela publicou a lista dos livros com seu respectivo tradutor. Nem no site oficial da coleção tem essa informação. Roubei a lista e publico aqui, com as datas de lançamento [estas, sim, disponíveis no site oficial]. As datas valem para as bancas dos Estados de SP e RJ, nos demais Estados a coleção estará à venda a partir de maio/2010.

Data Livro/Autor Tradução
26/02 Crime e castigo – vol. I – Fiódor Dostoiévski + Rosário Fusco
26/02 Crime e castigo – vol. II – Fiódor Dostoiévski + Rosário Fusco
06/03 Madame Bovary – Gustave Flaubert + Fúlvia M. L. Moretto
13/03 O retrato de Dorian Gray – Oscar Wilde + José Eduardo Moretzsohn
20/03 Memórias póstumas de Brás Cubas – Machado de Assis .
27/03 A divina comédia – Inferno – Dante +Alighieri Jorge Wanderley
03/04 Os sofrimentos do jovem Werther – J. W. Goethe + Leonardo Lack
10/04 O engenhoso fidalgo D. Quixote da Mancha – vol. I – Miguel de Cervantes * José Luis Sánchez e Carlos Nougué
17/04 O engenhoso fidalgo D. Quixote da Mancha – vol. II – Miguel de Cervantes * José Luis Sánchez e Carlos Nougué
24/04 Hamlet, Rei Lear, Macbeth – William Shakespeare * Barbara Heliodora
01/05 Ilusões perdidas – vol. I – Honoré de Balzac Leila de Aguiar Costa
08/05 Ilusões perdidas – vol. II – Honoré de Balzac Leila de Aguiar Costa
15/05 Orgulho e preconceito – Jane Austen + Lúcio Cardoso
22/05 O primo Basílio – Eça de Queirós .
29/05 Moby Dick – vol. I – Herman Melville + Berenice Xavier
05/06 Moby Dick – vol. II – Herman Melville + Berenice Xavier
12/06 O falecido Mattia Pascal – Luigi Pirandello + Rômulo Antônio Giovelli e Francisco Degani
19/06 O homem que queria ser rei e outras histórias – Rudyard Kipling * Cristina Carvalho Boselli
26/06 Os lusíadas – Luís de Camões .
03/07 A metamorfose – Franz Kafka + Lourival Holt Albuquerque
10/07 Outra volta do parafuso – Henry James + Brenno Silveira
17/07 O assassinato e outras histórias – Anton Tchekhov + Rubens Figueiredo
24/07 O morro dos ventos uivantes – Emily Brönte * Rachel de Queiroz
31/07 Mensagem – Fernando Pessoa .
07/08 Coração das trevas – Joseph Conrad * Celso M. Paciornik
14/08 O vermelho e o negro – Stendhal + Raquel Prado
21/08 Cândido – Voltaire + Marcos Bagno
28/08 Os Malavoglia – Giovanni Verga Aurora Bernardini e Homero de Andrade
04/09 Os sertões – vol. I – Euclides da Cunha * .
11/09 Os sertões – vol. II – Euclides da Cunha * .
18/09 Contos de amor, de loucura e de morte – Horacio Quiroga * Eric Nepomuceno
25/09 Infância –Maksim Górki Rubens Figueiredo
02/10 Grandes esperanças – Charles Dickens * José Eduardo Moretzsohn
09/10 No caminho de Swann – Marcel Proust Fernando Py
16/10 Odisseia – Homero + Jaime Bruna

Os marcados com * são os que pretendo comprar com certeza. Sem certeza [+] ainda tem uns que eu já tenho, mas ou em outra tradução ou que tá numa diagramação ruim [Orgulho e Preconceito na edição de bolso da Ediouro, especificamente]. Por R$14,90 acho que vou investir num exemplar novo, viu… Capa dura revestida com tecido e inda mais um apêndice com a biografia e a obra do autor? Vale a pena.

Só não gostei que o site não dá a opção de comprar os livros avulsos, apenas a coleção completa. Aparentemente, depois do lançamento de cada volume dá pra comprar na Loja Abril, mas não sei qual a “janela” a partir da data de lançamento em que estará disponível.

Mas vale a pena [2].

Ajuda dos universitários

Lá pelos anos 80, início dos 90, assisti a um filme e uma minissérie que ficaram grudados no meu in subconsciente, não guardei o nome e vira e mexe ressurgem pra me atormentar. Quando isso acontece eu recorro ao Google, só que nem ele me ajudou muito. Quem sabe alguém com a memória boa também se lembre desses dois e me conte os nomes?

O filme deve ser anterior à década de 80 e era estrelado pela Sophia Loren. Tinha um nobre que queria casar-se mas ela era de origem humilde e ele tinha pretendentes ricas. Para resolver a situação, ele estabeleceu uma competição de lavar pratos – com a origem da personagem da Sophia, era barbada saber que ela venceria. Aí uma das competidoras ricas riscou todos os pratos da tina da Sophia com o anel de diamante. Com a sabotagm, S. passou a quebrar os pratos ao meio.

Que filme é esse?

A minissérie era de qualidade beeem inferior e não lembro de nenhum artista. Contava a história de uma milionária de meia idade que se casou com um caçador de dotes. Na lua-de-mel ele a empurrou do barco, no meio dos jacarés [ou crocodilos, nunca sei quem é quem] e passa a viver uma boa vida com a herança. O pobRema é que ela sobrevive, graças a um curandeiro.

Não, o problema real é que o curandeiro a transforma numa linda jovem modelo, que estabelece relações com o viúvo para vingar-se dele. Tosco toda vida, mas enquanto eu não descobrir o nome não conseguirei esquecer.

Alguém?

Momento TPM

Chá de hortelâ como se fosse água, para diminuir o inchaço provocado pela retenção de líquido [dica da Adrina, brigadê!] e duas pérolas de Guttalax pra constipação: um mês depois e Titia Batata é quase outra pessoa nesta nova TPM.

Quase, porque o instinto assassino ainda aflora, inda mais depois de saber do processo que a Denise Bottmann está a sofrer por desmascarar duas traduções espúrias no blog Não Gosto de Plágio, junto com a Raquel Salaberry do Jane Austen em português.

Dentre os absurdos da ação, a editora acusada de plagiar traduções pede “direito de esquecimento”. Eu entendi isso como um artifício pra continuar enganando pessoas, na esperança de que, apagando os registros do passado, os leitores voltassem a comprar seus livros na boa-fé. Parece que é isso mesmo, segundo a própria Denise:

Aparentemente, o problema principal dos reclamantes é o fato de que se publiquem notícias, que elas circulem e não caiam no esquecimento com a volatilidade que ocorria na era pré-digital. Devo concordar que, realmente, quando as notícias antigamente saíam num jornal, meses depois a tendência era que o público esquecesse as informações (a velha piadinha que dizia “brasileiro tem memória curta”). Concordo também que a internet propicia maior velocidade no fluxo de informações e facilita consultas de tipo documental e arquivístico. Ao contrário dos reclamantes, porém, considero que tais avanços tecnológicos são muito positivos para as sociedades democráticas, e favorecem uma maior transparência das relações sociais – neste sentido, hoje em dia seria muito mais difícil destruir documentos e “reescrever arquivos” como se fazia em regimes totalitários, pois torna-se mais fácil preservar os arquivos das informações graças aos meios digitais.

Se, como cidadã, louvo e utilizo os novos meios propiciados por tais avanços tecnológicos, não vejo por que devo ser processada por tal fato. A Internet é um fenômeno global de gigantesco alcance e envergadura, gerando sistemas de arquivamento e compartilhamento de informações a um grau inédito, e sabidamente trata-se de um processo irreversível em escala mundial. Quanto aos marcos regulatórios para disciplinar a matéria no Brasil, encontram-se em fase final de elaboração no Ministério da Justiça, prevendo dispositivos não só para a devida tutela de todos os direitos humanos e sociais envolvidos, mas também para tolher tentativas arbitrárias de censura e amordaçamento, garantindo a preservação do estado de direito. [Em A Internet não esquece, publicado no QueroTerUmBlog do Alessandro Martins, 23/02/10]

Decerto desconhecem a expressão “tiro no pé”, caus que foi isso o que aconteceu. Igual o Roberto Carlos, que ajudou a vender uma biografia que nem era grandes coisas mas que virou objeto de curiosidade depois que ele entrou na justiça para retirar das livrarias. Igual o deputado aquele que esqueci o nome e tentou fazer o mesmo com o livro Na Toca dos Leões, do Fernando Moraes.

Em todos esses casos a tática é a mesma: intimidação pela truculência. E em todos os casos o resultado é o mesmo, ou seja, o oposto do que o autor da ação pretende: em vez de abafar o caso, esse tipo de ação provoca a curiosidade e acaba aumentando a exposição do que se pretendia ocultar [ou "esquecer"]. Esse imbroglio do plágio, por exemplo, até agora era do conhecimento de um grupo muito pequeno – a comunidade de tradutores, talvez; uma parcela dos leitores de Jane Austen e Emily Brontë [somos poucos, admita]; meia dúzia de jornalistas especializados…

E veja agora a dimensão que a coisa está tomando. A Denise [força na peruca, mulher! quem supera TPM um mês após o outro supera tudo!] reúne o que está sendo publicado sobre o caso em atualizações dos seus posts:

justiça e internet [23/02/10]
justica e internet II [24/02/10]
justiça e internet III [25/02/10]

Para quem tem curiosidade de saber quais foram os posts que motivaram a ação, são os que cotejam as semelhanças em Persuasão [Jane Austen] e O Morro dos Ventos Uivantes [Emily Brontë].

Nome do tradutor na capa: eu apoio essa ideia.

Sobrevivente de caso real que inspirou Agatha Christie lança livro

Atenção: o texto a seguir pode conter spoilers da peça de teatro A Ratoeira/The Mousetrap e do conto Três Ratos Cegos/Three Blind Mice.

O texto é a tradução livre de um artigo publicado no dia 23 de fevereiro no The Independent [leia o original em inglês clicando no link].

The Mousetrap é a peça de teatro recordista em longevidade e apresentações: é encenada há mais tempo do que a própria Rainha Elizabeth 2ª tem de coroação. Three Blind Mice, a peça de rádio que originou a peça teatral The Mousetrap, aliás, foi criada a pedido da avó da Rainha Elizabeth 2ª, Mary of Teck, Rainha Consorte do Rei George 5º (da dinastia Windsor), para a comemoração dos seus 80 anos de idade. A peça de rádio foi ao ar o dia 30 de maio de 1947.

Conforme o acordo estabelecido por Agatha Christie, nenhuma adaptação cinematográfica será feita em lugar nenhum do mundo enquanto a peça estiver sendo encenada em Londres, e o conto Three Blind Mice não será publicado no Reino Unido também enquanto The Mousetrap estiver em cartaz. A tradução brasileira foi feita a partir da edição norte-americana.

“Um livro de não-ficção baseado nos eventos que inspiraram A Ratoeira de Agatha Christie está previsto para ser publicado pela HarperCollins, anunciou o The Bookseller no dia 17 de fevereiro. Escrito por Terrence O’Neill, cuja história e testemunho à corte inspirou a peça de Christie, Someone To Love Us ["Alguém Para Nos Amar", em tradução livre] será publicado em 4 de março [na Inglaterra; e no dia 1º de abril na Austrália].

Continuar lendo

Domingueiras

Humpf. Meu 'abridor automático de porta' deve estar no banheiro.

Humpf. Meu 'abridor automático de porta' deve estar no banheiro.

Eu sou a favor de colocarem o nome do tradutor na capa dos livros. E nas informações nos sites também.

Por que? Caus que nos dá a opção de escolher se compramos o traduzido ou o original [no caso, isso vale para quem tem o costume de ler habitualmente e prestar atenção no nome do tradutor].

Também nos ajudaria a não comprar gato por lebre [né, Denise Bottman?].

E inda me ajudaria a achar a versão traduzida pela Rachel de Queiroz de Wuthering Heights. :lol:

“Não examinamos exatamente como a televisão exerce seu impacto sobre o público. Mas nosso medo é que as pessoas assistam a esses programas [ER/Plantão Médico, House e Grey's Anatomy], vejam os enfermeiros e médicos respondendo a convulsões dessa forma e reajam de modo semelhante se algum dia estiverem diante da mesma situação”, disse um dos coordenadores do estudo, Andrew Molar.

“Se eles responderem da maneira como eles sempre veem na televisão, pode ser um evento dramático.” [BBC via Folha, 16/02/10]

O grande mistério de NCIS é: como Gibbs tirou o barco do porão??

Mnhas personagens favoritas de séries são as que não replicam os estereótipos da mãe, da bitch e da donzela em perigo.

Continuar lendo

Orangotag: séries que assisto, organizadinhas!

Comãssim, 'provavelmente não dorme'?

Comãssim, 'provavelmente não dorme'?

Tou usando o Orangotag para manter um registro das séries que acompanho. A dica veio da Mica [sênquis!] quando perguntei se existia algum serviço tipo o Skoob e o Filmow caus que sempre me perco na hora de baixar os episódios, não lembro se já assisti e até [oi, Alzheimer] esqueço que acompanho algumas séries.

House, por exemplo, ainda não assisti ao ep Wilson e subsequentes. O site avisa quando isso acontece, com uma frase até simpática: “Opa, parece que você tá meio atrasadinho com [nome da série]” Cadastrei apenas as que eu estou acompanhando atualmente [C.S.I., Castle, Criminal Minds, Glee, House M.D., Modern Family, NCIS, NCIS: Los Angeles, Sons of Anarchy, The Big Bang Theory e True Blood], deixei de fora as que abandonei, as que assisto eventualmente ou já se encerraram.

Primeiro fiz um cadastro diretamente no site mas, não sei o motivo, ele não me reconhece quando volto e tenho de reativar a conta toda vez. O esquisito é que ele mantém o log das minhas atualizações. Daê descobri que posso entrar com a conta do Facebook e pronto, acabou o pobRema. Quero dizer, só tiver de adicionar tudo de novo na watchlist do perfil novo, mas acompanho poucas séries atualmente e não doeu fazer isso outra vez.

Então, para quem achar que é um serviço útil e quiser me adicionar lá também meu nome de usuário é batatatransgenica. Tem o lunaomi também, mas esse é o que fica pedindo reativação toda vez e acho que vou abandoná-lo no Orangotag.

Michal Brezina – Puttin’ On The Ritz

OK, eu prometo que este é o último post sobre patinação artística que publico hoje :P mas é que eu tenho de compartilhar isso. O patinador checo Michal Brezina usa a música Puttin’ On The Ritz no programa curto. A canção original é do Irving Berlin, só que eu conheci primeiro uma versão pop dos anos 80, do Taco – que não é a que ele usa, ele usa a clássica.

Não encontrei o vídeo da apresentação dele em Vancouver’10, então vai esse do Nebelhorn Trophy 2009 mesmo, caus que a rotina é a mesma.

Link http://www.youtube.com/watch?v=N8yHKYyPLos

E daí, Titia Batata?

Daí que escrevi um post tempos atrás que mencionava a música e a origem da expressão “puttin’ on the Ritz”. Hah! E vou copiá-la aqui.

The Ritz Hotel – Londres

The Ritz Hotel, Londres, Inglaterra

The Ritz Hotel, Londres, Inglaterra

- Há uma mancha de gordura no colete – objetou Poirot. – Um morceau de Filet de Sole à la Jeannette pousou nele quando almoçava no Ritz na última terça-feira. (Agatha Christie, O Mistério do Trem Azul, Ed. Abril Cultural, pág. 141)

O Hotel Ritz foi inaugurado em Londres no dia 24 de maio de 1906. Construído por Cézar Ritz no estilo Luís 16, seu arquiteto Charles Mewès foi o mesmo responsável pelo Ritz de Paris, na França. Cézar trouxe o antigo chef de cuisine do Hotel Savoy para liderar a cozinha, Auguste Escoffier. Escoffier é responsável por muitas das receitas publicadas n’A Casa Torta, e parece-me que seus pratos eram bastante apreciados por Agatha Christie.

Continuar lendo

Evgeni Plushenko – Sex Bomb

Esta foi uma dica da Mônica, do blog Crônicas Urbanas [aliás, leia lá a experiência desanimadora que ela teve com a transmissão do curling na TV brasileira]. Oh, a dica: um vídeo da exibição do russo Evgeni Plushenko no Mundial de Patinação Artística de 2001 numa coreografia hilária de Sex Bomb, do Tom Jones. Tá que essa foi a apresentação de exibição do cara e não valia pontos, mas eu daria 10 em levantamento de público.

Link http://www.youtube.com/watch?v=jyWPyY9wyGM

Vamos falar de carisma :)

Naquele ano a competição também aconteceu em Vancouver/Canadá e ele levou a medalha de ouro, que repetiu nos dois Mundiais seguintes. Plushenko começou a competir na categoria principal aos 15 anos em 1998. Na Olimpíada de Inverno de Turim [2006] ele também foi o campeão, além de estabelecer o novo recorde na pontuação. Logo após a Olimpíada ele deixou as competições para tratar o joelho.

O russo voltou a competir oficialmente apenas em outubro do ano passado e no retorno já ganhou a medalha de ouro. Plushenko bateu o recorde mundial de pontuação no Campeonato Europeu de 2010 [ouro, cRaro] e bateu o recorde olímpico no programa curto em Vancouver, anteontem.

Quer apostar que ele leva mais um ouro pra Rússia hoje à noite?

Se a Rússia tivesse que apostar suas fichas políticas em qualquer um deles, provavelmente seria Plushenko, que ainda é o melhor do mundo quando quer, como vem querendo neste inverno. Quatro campeões mundiais diferentes desde a última Olimpíada – Stephane Lambiel, Brian Joubert, Jeffrey Buttle e Evan Lysacek -, e nenhum deles têm habilidade técnica comparável à de Plushenko. [Terra, 15/02/10]

Site oficial evgeni-plushenko.com

Posts relacionados
Ryan Bradley
Quebra de compromisso, narrador esportivo, comentarista: enlouquecendo com a Olimpíada de Inverno