X-Men Fairy Tales | Contos de Fadas

Momotaro e O Pêssego Gigante

Momotaro e O Pêssego Gigante

Estes são os primeiros quadrinhos que leio depois de muito tempo. O que me atraiu aqui foi a ideia: o escritor e editor C. B. Cebulski, da Marvel, resolveu adaptar fábulas e mitologias para o universo dos heróis de quadrinhos, começando pelos X-Men. Na verdade ele fez um mashup, usando histórias que já existiam antes.

No volume 1 [arte de Sana Takeda], por exemplo, ele une a lenda japonesa Momotaro O Menino Pêssego com Os Filhos do Átomo do Joe Casey. Ciclope é Momotaro, o menino que nasceu de um pêssego [momo, em japonês] e foi encontrado por um casal de velhinhos.

V. a lenda de Momotaro no blog P-dacinho do Japão.

O volume 2 [arte de Kyle Baker] é o meu preferido. O cara recontou a amizade entre Charles Xavier e Erik Magnus Lehnsherr – Magneto, para os íntimos – usando a fábula africana A Amizade entre a Tartaruga e a Águia. O legal é que os desenhos são dos animais, mas mesmo assim dá pra reconhecer quem é quem ali.

O volume 3 [arte de Bill Sienkiewicz] usa alguns contos de fadas dos Irmãos Grimm – só reconheci A Bela Adormecida – para recontar A Saga da Fênix Negra [que também é a história de base do filme X3: O confronto final]. É o meu menos favorito, traz o triângulo amoroso entre Ciclope, Jean Grey e Wolverine.

Continuar lendo

Ajuda dos universitários | Filme do Fernando

Nas respostas da Ajuda dos universitários anterior o Fernando falou de um filme que ele achou que fosse o que eu queria saber e que acabou não sendo. Como ele também não lembra do título acabei por ficar curiosa. Eis as dicas:

Era um filme, não era minisérie.
A irmã era apaixonada pelo irmão e não queria que ele tivesse ninguém.
Após uma tragédia, os espíritos ficam na mansão. Me lembro de um incêndio no final. A irmã era bem má.

Parece legal.
8)

Yokan

Yokan de azuki

Yokan de azuki

Quando eu era criança pequena e vinha passar as férias na  granja do meu avô, yokan era quitute pras ocasiões especiais e servido com parcimônia. Geralmente era dado/recebido como presente, embrulhado com capricho num papel bonito.

Naquela época não tinha loja de produtos japoneses em cada esquina e os ingredientes [feijão azuki e kanten] eram caros. Tinha a opção do yokan feito com batata-doce, claro, mas o kantem ainda era o ingrediente-chave.

Pra mim, sempre que se fala em yokan lembro do yokan do Tartaruga, uma casa japonesa de Marília/SP que fechou já faz muitos anos. Era embalado em papel espelhado e vinha numa caixa de papel cartão com motivos japoneses em vermelho. Como eu era criança, achava que o doce era feito de tartaruga – claro que não, era de azuki mesmo.

Nunca mais comi yokan de azuki :( Só de batata-doce, que é gostoso só que não é a mesma coisa. Yokan é um namagashi, um doce que acompanha o chá verde. De vez em quando vem numa das combinações de bandeja de namagashi da Satsumaya [não lembro se na II ou na III] – o problema é que eu acho a Satsumaya doce demais. Nos doces japoneses o que prevalece é a sutileza que permite sentir todos os sabores, e não o açúcar.

Enfim.

Qualquer dia vou  testar essa receita do blog TofuBlog, que tá com uma cor linda. Ou essa de satsuma yokan, de batata-doce roxa. Ou comprar esse japonês legítimiu, que parece ser menos trabalhoso. :lol:

* azuki = feijão vermelho pequenininho
* kanten = gelatina agar-agar, à base de alga

Domingueiras

Eu gosto mais do irmão dele, o Groucho

Eu gosto mais do irmão dele, o Groucho

João Grilo é o gato mais leso que já tive. Todo mundo rouba a comida dele. Por ‘todo mundo” entenda-se os irmãos Nestor e Kuro-chan.

Pelo de gato no letor ótico do mouse…

Programa tipo Roda Viva na rádia: volume do microfone dos entrevistadores/donos da rádia 26, volume do microfone do convidado 14. Demonstra bem de quem é a opinião que importa ali.

Estaremos sem energia elétrica amanhã, das 13h às 16h. Pensei: “uia, vou asistir mais um ou dis episódios de Poirot” até me cair a ficha. Dãr.

Nossa vizinha da esquerda é uma senhora viúva de cabelos lilás que já não ouve muito bem. A TV dela fica sintonizada direto no canal católico, então o dia inteiro a gente escuta missa, novena, etc. Menos ontem. Ontem ela tava ouvindo Bad Romance da Lady Gaga a todo volume. IMMD.

Continuar lendo

Minha semana em série

Spring break lá no norte significa pausa nos episódios inéditos. Nhai. Tudo bem, aproveitei pra adiantar Poirot.

Tick, Tick, Tick…, Castle: Dorga, episódio com continuação. Geralmente deixo pra assistir junto caus que a ansiedade me mata, mas esqueci. Agora é aguentar mais uma semana pra descobrir o que aconteceu. O que me atraía em Castle eram as introduções com cenários intrigantes de crime, a trilha sonora, os crimes em si. Um a um esses elementos foram abandonados em favor dos flertes bobinhos, das historinhas dos personagens fixos… E agora precisa desses subterfúgios pra manter o interesse.

Continuar lendo

Ajuda dos universitários | Nível master

Essa será difícil, caus que assisti quando era criança e lembro de poucos detalhes:

. minissérie [acho]
. uma mansão
. um poço
. uma menina
. um menino [Alexaaandre]
. um dos dois era um espírito – provavelmente a menina…
. terror terror TERROR do tipo que deixa Titia Batata acordada ca luz acesa.

Alguém?

Oh, e muito agradecida pelas respostas ao desafio anterior: o filme é Mame, uma comédia musical de 1974 com Lucille Ball e Bea Arthur.

Natto

Natto

Natto

Este é um quitute controverso até na comunidade japa: na família só dona mãe e eu comemos natto, por exemplo. Minha avó fazia, só que, bão, cê sabe,  ela faleceu. Então agora só temos a opção do produto comercializado em copinhos. Não é a mesma coisa que o caseiro mas sabe como é: quem não tem cão…

Natto são grãos de soja fermentados. A soja é cozida e posta para fermentar com natto-kin [Bacillus subtilis natto] debaixo do futton [ou em ambiente quente e escuro, hehehe] até ficar igual a imagem: grudento, puxando fio e com odor marcante. A reação da maioria das pessoas quando se depara com isso pela primeira resume-se a uma palavra: “eeeca!”

Quem supera essa fase pode se aproveitar dos benefícios à saude: o natto [pronúncia: natô] tem poucas calorias [não engorda]; baixa o colesterol; é uma ótima fonte de proteínas; de fibras [bom para o intestino]; é rico em vitamina B2 [bom pra pele], vitamina K2 [bom pra combater osteoporose] e numa enzima que previne tromboses, ataques cardíacos e derrames por coágulos no sangue.

Atenção: essa enzina é fibrinolítica [senquis, CtrlC+CtrlV], isto é, dissolve a fibrina, então quem toma remédios para o coração à base de warfarina e anticoagulantes similares deve evitar comer natto com muita frequência.

Assim como a cerveja e o vinho, o natto é um gosto adquirido. Que o diga esse casal norte-americano que se aplicou num projeto de comer natto todos os dias, durante um ano, até adquirirem esse gosto: só precisaram de 28 dias.

Em casa a gente come com shiro gohan quente, mas dá pra acrescentar ao misso shiro, ao tempura, em cozidos, etc.

Natto basicão
Ingredientes:
1 copo de natto [100g]
1 ou 2 colher [sopa] de shoyu
1 ou 2 colher [sopa] de cebolinha em aneis fininhos

Modo de preparo:
Coloque o natto numa tigela e misture bem para descompactar e liberar a gosma. :P Junte os outros ingredientes e misture de novo. Se quiser [e tiver na geladeira] adicione um pouco de karashi, a mostarda japonesa. Sirva com arroz branco quente.

* shiro gohan = arroz cozido só com água, sem óleo ou temperos
* shoyu = molho de soja
* misso shiru = sopa feita com pasta de soja
* tempura = empanados de legume

The Righteous Men / O Código dos Justos

Capa do livro

Capa do livro

Algumas pessoas torcem o nariz para o gênero literário que Dan Brown popularizou com o Código Da Vinci, é direito delas, mas não dá pra tapar os olhos e fingir que ele não gerou um mercado com boa demanda, a julgar pelas listas semanais dos livros mais vendidos. Eu leio, são um passatempo divertido.

Já li, xeu ver… Além do próprio Código Da Vinci, Anjos & Demônios e metade de Ponto de Impacto do Brown, O Segredo do Anel da Kathleen McGowan e O Enigma do Quatro [Ian Caldwell e Dustin Thomaso]. No caso de O Código dos Justos [The Righteous Men, Inglaterra/2003] o autor Sam Bourne segue a receita de bolo do Dan Brown. Ele só muda o recheio.

Foi justamente esse novo sabor que me interessou – o livro tava encostado na estante desque meu pai o enviou seis meses atrás e eu tava à procura duma leitura leve e rápida pra descansar de cinco biografias em sequência. A capa e a sinopse não me atraíram de imediato e fiquei na dúvida entre esse e os outros dois do lote que me faltam ler. Uni-duni-tê resolveu a questão.

Mas voltando ao tal novo sabor, desta vez a religião de fundo é o judaísmo com destaque para o ramo chassídico ou hassídico de New York. O plot do suspense é o sequestro da esposa do jornalista Will Monroe Jr., do New York Times. O pai de Will é Juiz da Corte, mas quem ajuda o jornalista na investigação são a ex-namorada TC, o amigo nerd Tom e um informante misterioso que o guia através de mensagens de texto de celular em forma de charadas.

É legal ou num é? :lol:

Continuar lendo

Domingueiras

Tou procurando um livro que eu possa realmente fincar os dentes...

Tou procurando um livro que eu possa realmente fincar os dentes...

Eu também, gatinho, eu também. A bio do Mandela avança a passos de lesma manca.

Assassinato no Expresso Oriente versão 2010 vem aí! Será o quarto episódio da 12ª temporada da série Poirot mas, como os episódios têm duração de mais ou menos 1h40~1h50, é praticamente um longa-metragem. :P E a Cristine Martin lembrou bem: a Joely Richardson fará o papel que foi da mãe [Vanessa Redgrave] no filme de 1974.

Comãssim a Martha Plimpton é filha do Keith Carradine??

Uma ilha em forma de gato no Mediterrâneo, vista pelo @Astro_Soichi.

Eu ia comprar ovos de páscoa da Top Cau para sobrinhos por causa dos brinquedos quando descobri que em Pedra Lascada só tem dos sem-graça. Acabei optando por um do Cars [Nestlé] para sobrinho e um da Hello Kitty [Lacta] para sobrinha[s].

Tá, tá bom, acabei comprando um da Top Cau pra mim. Sem brinquedo, no entanto. *Snifs*

Salada pseudonacionalista: rúcula fresca, fatias de manga, cebola argentina [desculpaê, mas acho a cebola nacional ardida demais]. Faltou só o azul, né? Bota tudo numa tigela portuguesa, daquelas com desenho em anil, tempera com sal, vinagre e azeite e manda pra dentro. ;)

Daí a gente vê essa receita de bolo de milho e queijo da Adrina e quase morre afogada de tanto salivar. Tem quase tudo em casa, menos o ovo. Grrr. Ter de esperar um dia…

Continuar lendo