Senbei/Sembei

Sembei

Sembei

– Você quer um sembei?

– O que é “sem bê”?

– É um biscoito.

– Ah, então é “iscoito”, né?

Fala a verdade, você que é descendente de japas, quantas vezes cê ouviu essa piadinha? Mais grave ainda, quantas vezes cê já fez essa piadinha? É pior que a do “é pavê ou é pa comê”, sério mesmo. :lol:

Sembei é um biscoito doce que lembra bastante do biscoito da sorte chinês ou do biju crocante, feito com farinha de trigo ou de arroz, maisena, açúcar, ovos e óleo ou água de flor de laranjeira. Pode conter grãos de gergelim, amendoim picado, ou cobertura de glacê de açúcar com gengibre.

Nunca experimentei sembei feito em casa, fui procurar receita e encontrei essa aqui, bem explicadinha, que serve também pro biscoito da sorte. Não testei ainda. Tem muita marca disponível no mercado, umas gostosas, outras nem tanto – além do mais, o conceito de gostoso varia de pessoa pra pessoa, nué?

O importante é que se trata de um ocupador de boca não-calórico, não gorduroso, até que barato [um pacote de 280g varia de R$4,00 a R$10,00, dependendo da composição, marca, essas coisas], ideal pra consumir com chá, café ou chocolate no inverno, ou até a seco.

E eu adoro comida que faz barulho. *crunch crunch crunch*

Tem os sembei salgados também, mas deles falamos depois.

Domingueiras

Encontrando Jesus: Ele estava no topo da estante o tempo todo.

Encontrando Jesus: Ele estava no topo da estante o tempo todo.

No RJ, policiais encontram maconha dentro de imagens de Nossinhora. Isso me lembrou duas coisas: o avião do Mr. Eko em Lost e o crucifixo da Kathryn Merteuil em Segundas Intenções. Esses bandidos de hoje em dia nem originais são.

Whenever I feel the temptation of peer pressure, I turn to God and he helps me through the problem. [Cruel Intentions]

Eu me volto pra Deus é toda vez que sobrinho pede “meteolo da paixão” ou “tou de cala com você”. Não tenho isso em casa, então ou coloco no Vh1 ou dvd do Capital Inicial, Skank, Rush…

Aliás, só hoje fui ouvir um trechinho dessa tal “meteolo da paixão”. O trem gruda no zovido, eita. Acho que vou gravar num CD pra ele, só falta descobrir o que é essa “tou de cala com você”.

Ser tia é sofrer musicalmente. :P

A Tutu é uma gata paranoica. Toda vez que me vê usando calças de lã ela morde meus joelhos. Juro que não entendo.

Dona mãe fez o circuito das malhas ontem móde reabastecer os guarda-roupas de casa [e de irmã e de sobrinhos - filha e netos, no caso dela]. Dizem que lá no Japão as japonesas estão nascendo cada vez mais altas, mas aqui nós ainda somos baixinhas *e* com os braços e pernas mais curtas. Então toca dobrar punhos e barras das blusas e calças…

Mas o importante é que gahei um pacotinho de biju crocante.

Cê num tem noção do quanto me diverti coas respostas da interativa Top Fazível. Até me deu ideias.

Continuar lendo

Minha semana em série

Consegui ficar em dia com as séries policiais, iei. Agora só Falta House, Glee, Modern Family…

A Thousand Words, Criminal Minds: Nesta temporada tem episódios bons e tem episódios ótimos. Pra mim, este é um dos ótimos. A identidade da pessoa cúmplice parece chocante a princípio, mas vale para relembrar que as aparências enganam e muita gente se deixa distrair pelo exterior de uma pessoa sem perceber o quanto ela é danificada por dentro.

Continuar lendo

Desafio Literário | Hogfather [livro reserva]

Sinopse
É a noite que antecede a Vigília dos Porcos. E está quieto demais.
Há neve, há pintarroxos, há árvores cobertas de enfeites, mas há uma notável falta do homem grande e gordo que entrega os brinquedos…
Susan, a governanta, tem que encontrá-lo antes que a manhã chegue, de outro modo o sol não se erguerá. E infelizmente seus únicos ajudantes são um corvo com fixação por globos oculares, o Morte dos Ratos e um oh deus das ressacas.
Pior ainda, alguém está descendo pela chaminé. Desta vez ele carrega um saco ao invés de uma foice, mas existe alguma coisa lamentavelmente familiar…
HO. HO. HO.
É verdade o que dizem.
“É melhor você tomar cuidado…” [tradução livre]

Capa do livro

Capa do livro

O Discworld é um mundo redondo e achatado como uma pizza, que vaga pelo Universo assentado sobre o lombo de quatro elefantes, que por sua vez equilibram-se sobre o casco da tartaruga interestelar Grande A’Tuin. Grandes e pequenos deuses regem o Disco, que concentra tanta magia que a luz do Sol não se espalha, ela escorre como mel.

Mesmo assim, a vida no Disco tem o mesmo destino que a vida na Terra e, eventualmente, todos os seres vivos morrem. Quando isso acontece eles se encontram com o Morte. O Morte não mata os seres vivos, você entende, ele só está ali na hora e no lugar certos para se assegurar que ninguém tente nenhum truque. Ele detesta especialmente o truque do jogo de xadrez.

Assim como os grandes e pequenos deuses do Disco, as fadas, duendes e gnomos, as ideias e conceitos de entidades sobrenaturais, o Morte não é uma pessoa e sm uma representação antopomórfica. O Morte é representado antropomorficamente na figura de um grande esqueleto com duas galáxias  azuis no lugar das órbitas oculares que se  veste com um manto encapuzado negro, carrega uma foice tão afiada que pode fatiar as palavras e a luz  e cavalga um cavalo branco enorme, que pode visitar qualquer lugar no mundo material e no mundo irreal também.

O nome desse cavalo é Pituco.

Continuar lendo

Cruel Intentions / Segundas Intenções

Pôster do filme

Pôster do filme

Quando comentei o livro Avalon High mencionei duas adaptações de clássicos que foram modernizados no cinema e esqueci de outras duas: O Morro dos Ventos Uivantes da MTV e Segundas Intenções. Ventos Uivantes cheguei a postar , Segundas Intenções tou corrigindo a falha agora. ;)

O filme é uma adaptação do livro As Ligações Perigosas, do francês Choderlos de Laclos. O livro de 1782 segue o gênero epistolar, isto é, a história é contada através de cartas trocadas entre os protagonistas, não há uma narração. As cartas são escritas pela Marquesa de Merteuil e pelo Visconde de Valmont e são carregadas de cinismo, maldade e malícia.

Merteuil e Valmont têm dinheiro, inteligência e tempo sobrando, e eles gastam tudo isso tramando planos de sedução para humilhar, comprometer, subjugar, ou apenas porque podem, para passar o tempo. Num desses planos, Merteuil desafia Valmont a deflorar a noiva de um homem que foi amante da marquesa. Gercourt dispensou Merteuil para comprometer-se com Cécile Volanges. Valmont dedica-se ao desafio com a promessa de ganho duplo: uma noite com Merteuil e o coração da virtuosa e casada Madame de Tourvel.

A história foi adaptada em diversas mídias – teatro [Alan Rickman interpretou Valmont], rádio, ópera, balé, TV [Rupert Everett foi Valmont numa adaptação francesa modernizada para se passar nos anos 1960] e cinema. Eu gosto especialmente da versão de 1988 dirigida pelo Stephen Frears [com o roteiro baseado na peça teatral], com a Glenn Close, o John *ai ai* Malkovich, a Uma Thurman e a Michelle Pfeiffer nos papéis principais.

Já esta versão modernizada de 1999 se passa num colégio exclusivo em Nova York, com a Sarah Michelle Gellar [Buffy, A Caça-Vampiros], o Ryan Phillipe, a Selma Blair [Hellboy] e a Reese Whiterspoon no elenco principal. Foi o primeiro filme realizado pelo diretor Roger Kumble [que mais tarde voltou a dirigir Selma Blair em dois episódios de Kath & Kim - não é muito meritoso]. Kumble também assina o roteiro deste filme e da sequência lançada em 2000.

Alerta de spoiler.

Continuar lendo

Domingueiras

Mamãe ama você. Mesmo se os outros gatos te chamarem de gordo, ela sabe que é só fofura.

Mamãe ama você. Mesmo se os outros gatos te chamarem de gordo, ela sabe que é só fofura.

Feliz dia das mães – mesmo se for mãe de gato, de cachorro, de cacatua, de peixinho dourado… ;)

Meus pitacos sobre o concurso Miss Brasil ontem: por um lado, tinha bem mais diversidade étnica do que no ano passado.

Por outro lado, de que adianta essa diversidade se a vencedora é outra clone? Bonita, sim, mas clone. Espia a foto que encabeça essa notícia e me diz se não tem lembra as últimas, sei lá, 3 ou 4 vencedoras – e especialmente a outra mineira que ficou em segundo no Miss Universo.

Fantasia Traje típico: ainda tinha exageros [acho errado chamar carnavalesco pra julgar essa categoria], mas tinha mais acertos, comparado com do ano passado. Goiás tava chique, de novo; gostei da baiana estilizada e de várias outras que não anotei porque tava complicado. Também gostei da copiada que deram do Miss Universo, coas imagens das candidatas pré-gravadas e em tela dividida, uma de corpo inteiro e  outra em close.  Ganhou a MG de novo.

Só me diz o que foi aquele corredor polonês no desfile de biquini, plis. Tava vendo a hora que uma candidata levasse um”pedala”. E, cara, comé que me botam uma música que diz “acende o farol” numa hora dessas?

Dessa vez a Band e a organização trataram a atual Miss Universo com decência. É o mínimo que se espera.

No último desfile, a Miss Brasil 2009 trupica“mais” num cai!

Design fail: a Stefania não conseguiu fechar o manto da nova Miss Brasil, que teve que desfilar segurando as pontas.

E, por fim… encerrar o evento com Latino? Srsly?

Continuar lendo

Desafio Literário | Avalon High [reserva]

Sinopse
‘Avalon High’ pode não ser exatamente o lugar onde Ellie gostaria de estudar, mas até que não é tão ruim assim. Uma escola americana normal, freqüentada pelos mesmos tipos de sempre – Lance, o esportista; Jennifer, a animadora de torcida; e Will, o presidente da turma, jogador talentoso, bom moço… e muito charmoso! Mas nem todos em ‘Avalon High’ são o que parecem ser… nem mesmo Ellie, como ela logo vai descobrir. Depois de um esbarrão durante uma corrida no parque, os destinos de Ellie e Will parecem estar irremediavelmente entrelaçados. Ela começa a notar uma série de estranhas coincidências entre o seu cotidiano e a lenda do Rei Arthur – nomes similares, triângulos amorosos, sociedades secretas – mas qual seria seu verdadeiro papel nessa história? Como em Camelot, estariam seus novos amigos fadados a um trágico destino? E pior, o que ela pode fazer para impedir que uma profecia milenar se cumpra mais uma vez? Misturando fantasia, história e romance, Meg Cabot acerta mais uma vez.

Capa da edição em inglês

Capa da edição em inglês

Já que eu desgostei da primeira opção de chick lit pro Desafio Literário [embora tenha lido inteiro e direito, não na diagonal] e porque dava tempo, resolvi ler o livro reserva também. Meg Cabot é outra primeira vez pra mim – só a conhecia dos dois filmes da série Diário da Princesa, que achei fofinhos e influenciaram na hora de montar a agenda de leitura. Avalon High entrou por causa do título mesmo, nem li a sinopse antes.

E, cara, que grata surpresa! Logo nos parágrafos iniciais eu já estava totalmente cativada pela personagem principal, uma adolescente de 16 anos que tem que se adaptar numa nova cidade nos arredores de Washington D.C., num novo colégio com novos colegas. Ela já não sentia-se enturmada em sua antiga cidade, sendo mais alta do que as outras garotas e filha de dois professores cujo objeto de estudo são as lendas arthurianas. Isso a tornou impopular nas festas temáticas da Idade Média, mas deu-lhe uma personalidade prática que sabia que não era nada romântico viver com dentes ruins ou infestada de piolhos e morrer de velhice aos vinte anos.

Por outro lado, ela tinha que conviver com o nome de alguém que se matou por causa de um amor não correspondido, o que ela desprezava.

I don’t care how beautiful the poem is about her. It’s not exactly cool to be named after someone who killed herself over a guy. I have mentioned this several times to my parents, but they still don’t get it.

Oh, e já mencionei que cada um dos vinte e nove capítulos inicia-se com uma quadra do poema A Dama de Shalott, do Tennyson? Fala sério! Qual livro juvenil cita Alfred Tennyson hoje em dia?

Leitor de Agatha Christie reconhece uns versos por causa de A Maldição do Espelho: “Fora a teia se abria e esvoaçava; / O espelho quebrou de lado a lado: / ‘A maldição se abateu sobre mim’, / gritou a Lady de Shalott.”

Continuar lendo