[TrueBlood] I Got a Right to Sing the Blues

A noiva de Franklin

A noiva de Franklin

Eu a-do-rei este episódio!

Pela primeira vez em muito tempo, as partes que gostei superaram as que me deixaram indiferente [oi, Jason; oi, Crystal] e as que me deram raiva. Por onde começo…? Bom, na dúvida, pelo começo, né?

A partir deste ponto há spoilers

Russell e os capangas Were chegam à mansão do rei arrastando Sookie e Bill atrás de si. Do hall a ação se divide em quatro linhas:

[1] Bill foi flagrado traindo o rei e Russell não é o tipo de pessoa que releva uma coisa assim, por isso ele incumbe Lorena de matá-lo. As cenas que se seguem, envolvendo Bill e Lorena, são as melhores do personagem de Stephen Moyer desde sempre; Lorena mexe com ele, obriga-o a se deparar com ambos lados de sua personalidade, o humano e o monstro. A atriz Mariana Klaveno tem uma expressão facial fantástica que expressa todo o sofrimento e prazer na tortura daquele por quem é obcecada, a loucura dessa obsessão. Ambos deram o melhor de si nessa sequência e dá gosto assisti-los!

[2] Russell é obrigado a cumprir suas “funções matrimoniais” para acalmar as suscetibilidades de Talbot [que está na TPM, parece]. É o humor típico da série de livros da Charlaine Harris sendo bem explorado, eu ri muito quando Talbot explode de novo porque Russell convidou Eric para acompanhá-lo numa reunião de negócios: “Você nunca me leva a lugar nenhum!” É a crise dos 700 anos, dear. Afeta qualquer casamento.

[3] Russell interroga Sookie e essa tem sido a linha mais fraca da temporada até agora. Uma protagonista sem carisma por quem não consigo criar empatia, que não tem inteligência, bom senso, curiosidade por aprender mais sobre o submundo do sobrenatural, egoísta, manipuladora [veja como ela agiu com o Alcide]… Ela não tem nem mesmo o elemento fofo da personagem literária, que permite ao leitor relevar a maioria das suas falhas. Quanto ao auto-escárnio, então, nem sinal. Ela é boa em escarnecer dos outros: já imitou o Bill dizendo “Sookeh” e agora imitou o discurso do Eric. São meros relampejos do potencial subexplorado da personagem e da atriz. Voltando ao interrogatório, pouca novidade saiu dali.

[3.1] Sookie exige que Eric salve Bill sem tomar consciência das pistas que o nosso viking gostosão emite pela linguagem corporal e pelo discurso. Ela é aprisionada num dos quartos-cela da mansão, é empurrada pelo Were, grita por Bill duas vezes e senta-se na cama esperando que alguém a salve *pra variar*. E o socorro vem mais uma vez, só que desta vez não é um outro macho dominante, e sim a amiga Tara. Já disse isso uma vez e repito agora: das transições livro -> TV, a da Tara é uma das que mais gostei. Ela ganhou força de caráter e complexidade e isso ficou bem claro neste episódio. Tara também demonstra inteligência e pensamento rápido com o plano de fuga e resgate [e a ideia de se comunicar usando a telepatia de Suck, digo, Sookie], e muita coragem. Adorei a sequência toda e aaacho que vem coisa boa pela frente [não para a Tara]. Ou você acha que alguém que usa pijamas de cetim se desvanece assim tão fácil?

A noiva de Russell

A noiva de Russell

[4] Russell convida Eric para acompanhá-lo numa missão de negócios [tá pensando que é mole ser rei?] que acaba por se revelar ser o pedido de casamento à Sophie-Anne. Posso pular a parte em que a rainha dos vampiros da Louisiana está de quatro no chão, raspando bilhetes de loteria? Brigada, é uma imagem que quero apagar da mente o mais rápido possível. A invasão à mansão da rainha foi possível porque muitos guardas não sentiram fidelidade o bastante para morrer defendendo-a. Eu te disse. Quanto à fidelidade do Eric, ele tem uma pauta pessoal e secreta pra cumprir e isso tem prioridade sobre qualquer outra coisa. É esse o tema que me parece mais interessante nesta temporada e o bom é que não tem nada a ver com a Sookie!

Enquanto isso, em Bon Temps…

Jason e Crystal estão em vias de fornicar e travam mais um dialoguinho tolo e sem sentido igual os do Jason com a periguete bicho-grilo da primeira temporada – como era o nome dela mesmo? De qualquer forma, fomos poupados de ver o traseiro do Ryan Kwanten mais uma vez [mas não do traseiro do QB One]. Pensando bem, o traseiro é o melhor talento artístico do Ryan Kwanten. Pelo menos evita mostrar a cara de pateta dele. Os personagens de Hotshot não têm nada a ver com os do livro, mas nem assim me ficaram mais interessantes.

Calvin e seus primo-irmãos são traficantes de droga muito burros e preconceituosos. Em Pedra Lascada tem umas famílias assim, só se casam entre eles e acabam ficando coas ideias fracas. São ladrões também.

Tentaram roubar o carro do Lafayette anteriormente, tomaram uma coça do Eric e decidiram vandalizar o carro por vingança. De quebra, interromperam o interlúdio romântico entre Lafa e Jesus [e tomaram outra coça, mas gente burra tem mais é que apanhar mesmo]. Só fiquei chateada com o final do relacionamento mais romântico e sem segundas intenções da série até o momento. :(

Baby Jess pegou o jeito da coisa e conseguiu se alimentar sem matar a vaca. Graças a ela, sabe que até tou detestando a Arlene um pouco menos? Não que ela tenha se tornado uma pessoa melhor, mas serve como escada para a Jessica demonstrar o quanto a nossa babyvamp é superior.

Finalmente, chegamos ao subnúcleo do Sam… Eu confesso que meus chutes sobre o relacionamento tenso entre Tommy e Joe Lee fossem de natureza sórdida, mas em outra direção. Ao descobrir que Joe Lee abusa da capacidade metamorfa do filho em rinhas de cães – pior ainda, que ele explorava Melinda igualmente e ela ainda o apoia – me deixou doente de nojo. Não apenas porque há humanos que promovem rinhas de animais, um ato cruel e covarde [vão pras gaiolas vocês mesmos, seus bundões], mas também porque existem pais que usam os filhos pra ganhar dinheiro, seja esmolando na rua, em concursos de mini-miss, etc.

De modo geral, eu sou contra a pena de morte. No caso dessas pessoas penso que uma temporada no calabouço do Eric ou no estábulo do Russell [com a Lorena] seria uma punição adequada, você não acha?

Fechando o círculo de volta no Russell, gosto do enfoque político dos direitos civis que volta a fazer parte do background da trama. O potmortem desta semana, por exemplo, é o debate entre a portavoz vampira Nan Flanagan e um político republicano antipático à lei dos direitos dos vampiros, que passou um pedaço na cena em que Sam e Tommy conversam.

Isso me lembrou muito do primeiro e do segundo filme dos X-Men, com o Russell Edgington equivalendo ao Magneto [não tem um Professor X em True Blood].

Fritadas de milho da Melinda Mickens

1 lata de 425g de milho [reserve o líquido]
2 ovos
1/2 colher [sopa] de sal
1 xícara [chá] ou 230g de farinha de trigo
1 colher [sopa] de fermento em pó
1 colher [sopa] de açúcar
gordura de bacon ou margarina para fritar

Escorra o líquido do milho enlatado e reserve 60 ml desta água. Descarte o resto. Misture o líquido com os ovos numa vasilha média com um batedor de ovos ou fouet [ou dois garfos; basta que fique bem misturado]. Adicione o sal, a farinha, o fermento e o açúcar. Misture bem até ficar sem nenhuma pelota. Adicione o milho escorrido e misture de novo. Coloque duas colheres de gordura de bacon ou margarina numa chapa de ferro ou frigideira grande e leve ao fogo médio. Quando estiver bem quente, é hora de colocar as fritadas. Cada fritada equivale a 1/4 de copo da mistura [60 ml], frite 3 ou 4 de cada vez. Frite como panquecas, virando quando o lado de baixo estiver moreno e crocante. Elas cozinham mais lentamente do que panquecas, porque são mais grossas. Quando estiverem morenas dos dois lados, transfira para um prato e coloque mais gordura na chapa para fritar o resto da massa. Esta receita rende 8 ou 9 fritadas. [Receita do blog Loving True Blood in Dallas, tradução livre]

Eu adoro milho, tou querendo testar essa fritada logo. *nham*

Postmortem Season 3 Episode #6


Link http://www.youtube.com/watch?v=oTQhPi56cZw

Truebies & Newbies [Eric & Russell]


Link http://www.youtube.com/watch?v=g3lRSxAS-YU

Why she picked the name Sookie Stackhouse: “It was an old Southern name that had fallen into disuse. I thought it was a good name for a girl with old-fashioned values but with a modern twist.” Stackhouse was apparently from the phone book.

*** Best Charlaine Harris observations of the panel: “I didn’t realize how difficult ['Sookie Stackhouse'] would be to say with fangs. You spit when you say ‘S,’ so maybe now I’d name her … Dora Dunce.” *** [ZAP2IT]

Posts relacionados
Beautifully Broken
Bad Blood
It Hurts Me Too
9 Crimes
Trouble

About these ads

13 comentários sobre “[TrueBlood] I Got a Right to Sing the Blues

  1. Espero que o Franklin não tenha morrido. E até gostei da Tara nesse episódio, antes era só sofrimento.

    Eu já tinha sacado que era rinha de cães, ainda mais depois que o Joe Lee disse que o Tommy era dele “head to tail” no episódio passado. Agora, saber que a mãe também foi usada foi mais pertubador ainda.

    Adorei esse trubies & newbies! :) O que foi o Eric jogando charme para todos os lados nesse episódio? Muito bom!! A rainha fazendo raspadinha não foi nada digno.

    A Jessica arrasou chupando o sangue da tiazinha chata.

    Essa cena do Beeel com a Lorena foi a melhor do episódio, e ainda deixou um cliffhanger dos melhores.

  2. Fica dificil torcer se a gente não consegue gostar da protagonista.
    Como Sophie-Ane chegou a ser Rainha é um mistério, ela foi escolhida ou manipulou para ser Rainha? tinha que ter no mínimo inteligencia. Mas o que se esperar deste texto misógino?
    Só a Tara e a Pam se salvam.
    Mesmo assim esse episódio foi muito bom.

      • essa série é complicada…por um lado é muito boa, por outra só tem inconsistência e furada, como assim o FM faz a barba e não cresce imediatemente, o cabelo do Eric pode cortar, mudar de cor de uma hora para outra, não vamos esquecer que até agora as 3 temporadas se passaram uns 2 meses no máximo…, em um dos episódios da primeira temporada o Bill disse que vampiros não podiam mudar de aparência..e tem muitas mais. Quanto a Rainha não tem explicação, ela é mais nova, louca e incompetente como ela pode ser Rainha? só serviu para mostrar que mulher é incopetente, fútil, etc. eu sei que tem gente que acha exagero, mas as mulheres de TB são quase todas umas idiotas (veja a Sookie, nos livros é inteligente, adora ler, tem consideração pelas pessoas…) bem eu poderia falar e falar, mas não vai mudar nada infelizmente :(

  3. Pingback: Tweets that mention [TrueBlood] I Got a Right to Sing the Blues « Pensamentos de Uma Batata Transgênica -- Topsy.com

  4. Pingback: Review: True Blood – I Got a Right to Sing the Blues » TeleSéries

  5. Pingback: [TrueBlood] Hitting the Ground « Pensamentos de Uma Batata Transgênica

  6. Pingback: [TrueBlood] Night on the Sun « Pensamentos de Uma Batata Transgênica

  7. Pingback: [TrueBlood] Everything Is Broken « Pensamentos de Uma Batata Transgênica

  8. Pingback: [TrueBlood] I Smell A Rat « Pensamentos de Uma Batata Transgênica

  9. Pingback: [TrueBlood] Fresh Blood « Pensamentos de Uma Batata Transgênica

  10. Pingback: [TrueBlood] Evil Is Going On « Pensamentos de Uma Batata Transgênica

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s