Evil Under the Sun / Morte na Praia

Logo comemorativo oficial

There is an evil which I have seen under the sun, and it {is} common among men [Eclesiastes 6.1, Bíblia versão King James]
Vi um mal debaixo do sol, que calca pesadamente o homem. [Eclesiastes 6:1, Bíblia versão católica]

A escritora inglesa Agatha Christie foi batizada na Igreja Anglicana, mas teve contato com o catolicismo, unitarismo, teosofia, zoroastrismo e o espiritismo em sua vida graças à mente avançada de sua mãe. Seu segundo marido, o arqueologista Max Mallowan, era católico romano. Em seus livros a autora costuma apresentar os princípios éticos cristãos ao punir o criminoso, o agente do Mal.

Sua personagem Miss Marple é anglicana, Hercule Poirot é católico; embora a autora defenda a punição do mal supremo que é o homicídio, ela também criticava a severidade exagerada dos fanáticos religiosos que expulsavam jovens grávidas de casa, por exemplo. Para ela, o único pecado imperdoável é tirar a vida de outra pessoa – tanto que se debate em dúvida sobre o que fazer com o criminoso apanhado.

Os romances de Agatha Christie demonstram a gradual mudança de percepção da autora sobre o assunto: se nos primeiros livros o assassino ia diretamente para a forca ou se justificava alguns casos de homicídio, ela passa a dedicar mais atenção à vítima nos livros posteriores.

Continuar lendo

Banned Books Week

O slogan deste ano para a campanha da Semana dos Livros Banidos da Associação Americana de Bibliotecas [EUA] é “Pense por si mesmo e deixe que outros façam o mesmo” [em tradução livre]. O objetivo da iniciativa é combater o cerceamento/retirada de alguns livros das bibliotecas escolares e públicas.

É uma resposta a pais que exigem a exclusão de títulos da biblioteca em que o filho estuda por motivos que variam da inadequação etária ou “incentivo à homossexualidade” [!!], ou aos grupos que condenam o ‘incentivo à prática de bruxaria”, o ponto de vista de outra religião ou o conteúdo sexual de outros livros e exigem sua exclusão das bibliotecas do município ou condado.

Durante uma semana, a associação incentiva a leitura pública dos livros que tiveram maior número de reportes pelo país como forma de protesto contra a censura [em 2010 é na semana entre 25/set e 2/out]. Cá entre nós, eu achei o slogan deste ano perfeito também para a atual situação midiática brasileira, niqui alguns militantes políticos acham que só se pode falar bem de um candidato e falar mal de outro, e que o jornal/veículo de imprensa que fala mal do seu candidato deve ser boicotado – ou, ainda, os diversos movimentos Cala a boca, Fulano.

Começa de brincadeira.

Em 2009 os dez livros com mais reclamações foram:

1. TTYL; TTFN; L8R, G8R [série], Lauren Myracle
Motivos: nudez, sexualmente explícito, linguagem ofensiva, inadequado à faixa etária, drogas

2. And Tango Makes Three Peter Parnell e Justin Richardson
Motivos: homossexualidade

3. As vantagens de ser invisível [The Perks of Being A Wallflower] Stephen Chbosky
Motivos: homossexualidade, sexualmente explícito, antifamília, linguagem ofensiva, ponto de vista religioso, inadequado à faixa etária, drogas, suicídio

4. O Sol é para todos [To Kill A Mockingbird], Harper Lee
Motivos: racismo, linguagem ofensiva, inadequado à faixa etária

5. Série Crepúsculo [Twilight] Stephenie Meyer
Motivos: sexualmente explícito, ponto de vista religioso, inadequado à faixa etária

6. O apanhador no campo de centeio [Catcher in the Rye], J.D. Salinger
Motivos: sexualmente explícito, linguagem ofensiva, inadequado à faixa etária

7. Uma prova de amor [My Sister’s Keeper], Jodi Picoult
Motivos: sexismo, homossexualidade, sexualmente explícito, linguagem ofensiva, ponto de vista religioso, inadequado à faixa etária, drogas, suicídio, violência

8. The Earth, My Butt, and Other Big, Round Things, Carolyn Mackler
Motivos: sexualmente explícito, linguagem ofensiva, inadequado à faixa etária

9. A cor púrpura [The Color Purple], Alice Walker
Motivos: sexualmente explícito, linguagem ofensiva, inadequado à faixa etária

10. The Chocolate War, Robert Cormier
Motivos: nudez, sexualmente explícito, linguagem ofensiva, inadequado à faixa etária

E na lista dos cem mais questionados entre 2000 e 2009:

1. Série Harry Potter, J. K. Rowling
8. Fronteiras do Universo [His Dark Materials], Philip Pullman
14. As Aventuras de Huckleberry Finn [The Adventures of Huckleberry Finn], Mark Twain
23. O Doador [The Giver], Lois Lowry
28. Ponte para Terabítia [Bridge To Terabithia] Katherine Paterson
36. Admirável Mundo Novo [Brave New World] ,Aldous Huxley
46. Matadouro-5 [Slaughterhouse-Five], Kurt Vonnegut
49. Um Estranho no Ninho [One Flew Over the Cuckoo’s Nest], Ken Kesey
50. O Caçador de Pipas [The Kite Runner], Khaled Hosseini
69. Fahrenheit 451, Ray Bradbury
88. O Conto da Aia [The Handmaid’s Tale] Margaret Atwood
97. A Casa dos Espíritos, Isabel Allende

Ah, as imagens no topo do post são frente e verso do marcador de páginas para imprimir, cortesia da ALA.

Posts relacionados
Recordes e censura
Semana dos livros banidos

Domingueiras

Ctrl+Z, Ctrl+V, Ctrl+X

Imagem: Monday through Friday.

Essa semana consegui assistir um pouco de TV não-infantil e parei no History: programas sobre casas mal-assombradas, caçadores de disco voador e uma espécie de American Chopper com uma loja de penhor em vez de fábrica de motos. Era uma vez um canal sobre História…

Assisti também metade do especial The Agatha Christie Code, de 2005. Fuja, é cilada. Padrão Globo/Record de reconstituição, interpretação, abordagem superficial, “ciência” equivocada e falso climinha de suspense que chega a constranger.

Neil Gaiman com um Weeping Angel: não pisque, Neil! Não pisque em hipótese alguma!

Cara, eu morro de medo dos Weeping Angels.

Sir Terry Pratchett fabricou sua própria espada de Cavaleiro – com poeira estelar! [aka meteoritos]

No anúncio para a noite de autógrafos de I Shall Wear Midnight vinha o aviso de que Pratchett assinaria apenas 300 cópias, sem dedicatória. O Alzheimer embaralhou a parte do cérebro responsável pela escrita, mas a assinatura fica em outro registro cerebral – e ele construiu sua própria espada.

A propósito, comecei a ler The Folklore of Discworld e deparei-se-me com uma referência que J. K. Rowling também usou: o nome escocês MacGonagal.

Dia 30/set sai a primeira revista brasileira especializada em futebol americano.

O excesso de iodo, por outro lado, também é prejudicial. Níveis elevados estão relacionados a aumento de casos de tireoidite de Hashimoto, uma doença autoimune e hipotireoidismo. [Anvisa interdita marcas de sal por erros na adição de iodo, Veja, 22/09/10].

Cê tá ligado que o Bloglines encerrará suas atividades no dia 30, né? Eu sou taurina, resistente a mudanças, e teimei nele até quase o último minuto: era fácil de usar, praticamente o Outlook Express dos leitores de feed.

Logo que o Google Reader surgiu eu testei no iGoogle e não curti, mas graças à pressão do @EmersonPardo e do @hbariani acabei tentando de novo, desta vez fora do iGoogle, e me entendi coele. Mais ou menos.

A essa altura todo mundo já viu o primeiro trailer de Harry Potter e as Relíquias da Morte, creio. [via Oclumência]

Continuar lendo

It’s caturday! e o PdUBT apoia o #catloversday

Por iniciativa de Lui Pinheiro, Rê Prado e Tata Corrêa, o dia 29/09 será dedicado aos gatos – mais especificamente aos humanos que amam gatos, os catlovers.

O objetivo da iniciativa é sinalizar para a indústria e para a mídia brasileiras que nós somos muitos e que os gatos também são gente. Errr, quer dizer… Desculpa, cometi um Antônio Magri agora, mas cê entendeu, né?

“É muito comum ter dificuldade em encontrar um veterinário especializado, encontrar acessórios ou até mesmo ração de boa qualidade específica para nossos amigos bigodudos.”

Mais informções sobre o evento, ideias e postagens, selos, etc. no Tumblr #catloversday.

E eu não resisto a republicar o vídeo do Sparta, The Mean Kitty Song.


Link http://www.youtube.com/watch?v=Qit3ALTelOo

Olha o lobo!

Era uma vez um menino que cuidava de um rebanho de ovelhas na montanha. Sentindo-se entediado, ele resolveu pregar uma peça nos moradores da vila e gritou que um lobo estava atacando as ovelhas. Os moradores correram montanha acima mas só encontraram o menino rindo. Ele fez isso uma vez, duas vezes, outra vez, até o dia em que um lobo apareceu de verdade.

O menino gritou, gritou, mas os moradores, que já haviam sido enganados muitas vezes, não acreditaram nele e o lobo comeu o menino.

Essa é a fábula que Esopo contava para ensinar lição de moral às crianças, que não se deve mentir. Lembrei dela hoje por causa das pessoas que se dedicam a fazer panfletagem eleitoral desesperadamente, para um ou contra outro candidato. Na maioria das vezes contra um candidato, mas sempre com tamanho empenho que parece um grito desesperado.

Eu represento os moradores do vilarejo: de tanto ouvir “o lobo! o lobo!’, não confio mais na opinião dessas pessoas mesmo quando o que dizem é verdade.

Cry Wolf – A-ha


Link http://www.youtube.com/watch?v=jroHtqrz88Y

Feliz equinócio de primavera!

Lembra que Titia Batata explicou os solstícios de inverno e de verão, que é quando o eixo da Terra se inclina e deixa um dos hemisférios com mais ou menos exposição ao Sol?

Apois.

O equinócio ocorre no meio do caminho, quando o eixo da Terra alinha-se em relação ao Sol e os dois hemisférios recebem cotas iguais de luz e calor. Neste dia o intervalo entre o nascer e o pôr do sol é igual ao intervalo entre o pôr e o nascer do sol [equi = igual; nox = noite].

V. explicação técnica no site da USP São Carlos.

No hemisfério sul, o equinócio da primavera varia entre os dias 22 e 23 de setembro: em 2010 cai no dia 23 às 03h09 UTC, ou 0h09 de Brasília. Na mitologia celta corresponde ao festival de Ostara ou Eostre, que depois foi adaptado para a Páscoa no hemisfério norte.

Sabe o que isso significa, num sabe? Se é páscoa, é chocolate!

Death on the Nile / Morte no Nilo

Logo comemorativo oficial

- Vaidade? Como motivo para um assassinato? – perguntou a Sra. Allerton, duvidosa.
– Os motivos dos crimes são, às vezes, muito triviais, Madame.
– Quais os mas frequentes?
– O dinheiro. Isto é, para obtê-lo mais rapidamente. Em seguida, a vingança… o amor, e a filantropia.
– Monsieur Poirot! [Agatha Christie, Morte no Nilo, trad. Newton Goldman. Rio de Janeiro: Altaya, n/d]

A terceira regra de S. S. Van Dine para escrever histórias de detetives proclama que “Não deve haver interesse amoroso no entrecho. A questão a ser deslindada é a de levar o criminoso ao tribunal e não a de levar um casal ao altar.”

Agatha Christie obedece a maioria das vinte regras estabelecidas por Van Dine em 1928 na maior parte das vezes, mas a terceira regra é a que ela quebra mais constantemente desde O Misterioso Caso de Styles, seu primeiro romance policial. Hercule Poirot, o detetive belga que ela criou, é um solteirão, sim, porém um solteirão pronto a reunir maridos e esposas afastados pela suspeita ou mesmo unir jovens enamorados no decorrer das investigações. Até o casamento do Capitão Arthur Hastings foi arranjado por Poirot em Assassinato no Campo de Golfe!

A escritora inglesa não aprovava o amor excessivo, entretanto. Manifestações muito efusivas de afeto eram creditadas a personagens de sangue latino e devidamente ridicularizadas, e mais de uma vez ela expôs a condição trágica da mulher que idolatra o marido, quase sempre sem retribuição. Para ela, um homem que seja o alvo desse amor se sente aprisionado, sufocado. “Um que ama, um que se deixa ser amado”, como diz Poirot em Morte no Nilo ["Un qui aime et un qui se laisse aimer"].

Neste livro publicado pela primeira vez em 1937 Christie quebrou ainda a regra n. 9: “Cada história deve ter unicamente um detetive”. Além de Hercule Porot, o Coronel Johhny Race do Serviço Secreto Britânico participa das investigações. Essa é a segunda vez que se encontram, a primeira foi em Cartas na Mesa [em que também participaram Ariadne Oliver e o Superintendente Battle].

Continuar lendo