O traseiro, as calças e os fiscais de fiofó alheio

Cópia de resposta revoltadinha minha para um comentarista de mural [não coloquei o post original dele porque [1] mencionei as partes que me incomodaram no texto e [2] “não ampliar a voz dos imbecis”, mangia?]. Minha vontade era xingar muito, mas daí eu que perderia a razão, né? No lo creo que seja publicado lá, então vai aqui mesmo, na íntegra.

[Título inspirado nesse Tumblr.]

Caro Sr. Apreciador,

Em resposta ao seu comentário neste mural, que por sua vez seria uma resposta aos comentários de Isa a respeito do problema enfrentado por professores e funcionários do colégio CENE, questiono a sua motivação ao relacionar a violência e desatenção dos jovens na escola com a aprovação da União Homoafetiva pelo Superior Tribunal Federal e a cartilha que ENSINA a RESPEITAR a orientação sexual de cada um, especificamente do homossexual.

Ora, não seria esta justamente uma das funções da família e, em menor grau, da escola – ainda mais considerando-se a crescente alienação da família na educação dos filhos em função do tempo que os pais passam trabalhando em contraposição com o tempo cada vez maior que a criança passa na escola? Aliás, essa alienação familiar, sim, é um dos fatores que poderiam ser arrolados no seu recado como causa da violência juvenil. Mas ensinar que indivíduos são diferentes, que ser diferente não significa ser inferior e que todos merecem respeito, e não apenas aqueles que são iguais a você: isso é errado para você?

Não seria o caso também de se perguntar se esse pensamento que julga que a homossexualidade é errada e, portanto, perniciosa não compartilha da mesma base do comportamento juvenil que critica? Ambos pregam o desafio à autoridade (o que nem sempre é ruim, apenas usei este ponto para demonstrar a incoerência do seu discurso) e ambos partem do pressuposto de que o Outro pode ser desrespeitado.

Há ainda outros pontos em seu comentário que eu questiono. Segundo seu discurso, para resolver o problema da delinqüência juvenil precisamos voltar ao tempo do terror em que as pessoas temiam a autoridade ao invés de respeitá-las (culpando a “modernidade” que não permite “falar de alunos mal educados ou indisciplinados” e que “protege o marginal”) e fechar nossa comunicação com o mundo exterior (“globalização”).

Quanto à sua afirmação de que a descriminalização do uso da maconha é um dos motivos da situação em que se encontra o colégio, gostaria de apontar dois erros factuais: o colégio se encontra nessa situação enquanto o uso da maconha ainda é tipificado como ATO INFRACIONAL no Brasil; a marcha pretende que o consumo seja descriminalizado, isto é, que o usuário não seja preso, julgado ou condenado por fumar maconha, continuando crimes graves o porte e o tráfico – algo que parece sensato, não?

Despeço-me desejando ter lhe dado material para pensar. Prefiro acreditar que ensinar a respeitar as diferenças não seja motivo de incentivo à intolerância e a violência. Ou, nas palavras da escritora inglesa Charlotte Brontë: “Os preconceitos, isso é bem sabido, são mais difíceis de erradicar dos corações cujo solo nunca foi arado ou fertilizado pela educação: eles crescem ali, firmes como ervas daninhas entre as pedras”.

About these ads

4 comentários sobre “O traseiro, as calças e os fiscais de fiofó alheio

  1. Acabei de ver o tal vídeo (pelo menos acho que é esse que vc está falando) postado no mural pelo meu primo. Nunca me senti tão envergonhada e decepcionada por ele. Chega a doer.
    Só consegui escrever uma frase “it’s okay to be Takei”, pra não transparecer toda a minha tristeza.

      • Humm, foi mesmo coisas bem diferentes (acho que eu estava em choque quando li o post e acabei achando que fosse a mesma coisa), mas a mesma temática homofóbica, disfarçada num discurso de direitos iguais, com comparações da distribuição da cartilha ao doutrinamento nazista.
        O meu primo removeu o post (talvez tenha se dado conta que aquilo era uma imensa bobabem, ou postado por engano. Chi sa?).

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s