Outubro Rosa | NFL: A Crucial Catch [2011]

Eagles vs 49ers, 2/10/11

Outubro chegou e pelo terceiro ano consecutivo a liga profissional de futebol americano apoia e incentiva o movimento Outubro Rosa de conscientização e prevenção do câncer de mama. Todos os times, a associação de árbitros e os jogadores se engajam no movimento não apenas usando a cor rosa nos equipamentos, estádios e websites, mas principalmente doando itens para leilão destinado a arrecadar fundos para pesquisa e exames gratuitos.

O futebol americano é um esporte de contato e, embora existam times femininos, é essencialmente masculino. Seus jogadores têm habilidade atlética, força e massa muscular. Uma parcela envole-se em incidentes policiais alguma vez na vida,  a maioria colabora ou funda instituições para ajudar a comunidade onde cresceu, mas todos se envolvem coma causa do câncer de mama qando chega outubro.

É uma coisa linda, assistir aos jogos neste mês. Bom, eu sou fã do esporte o tempo todo, mas existe uma magia intangível em ver aqueles profissionais gigantescos unidos e dedicados a despertar a conscientização para a prevenção de uma doença que afeta majoritariamente as mulheres. Eles se comprometem de verdade, não é só marketing pessoal ou obedecer ao chefe.

A melhor defesa contra o câncer de mama é detectá-lo precocemente

Outros esportes acompanham o movimento, como a Nascar, o beisebol, o hockey [este ano o basquete ficou de fora da campanha por causa da greve], em escala menor. No Brasil, teve um time profissional que disputou um jogo de futebol usando uniforme rosa no ano passado, não sei se prepararam algo para 2011. Por aqui o Outubro Rosa vem ganhando força ano após ano com a participação de empresas e órgãos públicos, mas o engajamento maior é articulado nas redes sociais.

Desde 2008 o PdUBT participa desse engajamento graças à organização da Sam Shiraishi, do blog A Vida Como a Vida Quer. A campanha nacional foca no empoderamento da mulher e no domínio que ela deve ter sobre o seu próprio corpo, e engloba informações fornecidas pela FEMAMA [Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama].

Como detectar o câncer de mama?
Através de exames clínicos de mama, que são exames nos quais médicos e enfermeiros observam e apalpam os seios à procura de nódulos ou outras alterações, e, especialmente, através da mamografia. Esse exame é uma espécie de radiografia, na qual é feita uma compressão nas mamas, e permite visualizar até mesmo pequenas alterações. A mamografia é considerada a melhor forma de detectar o câncer de mama, justamente por permitir o diagnóstico precoce da doença. Em uma fase inicial, quando os tumores são pequenos (menores do que 1 cm) e imperceptíveis ao toque, as chances de cura chegam a 95% dos casos.

O auto-exame é importante para que a mulher conheça seu corpo, em especial sua mama, e possa reconhecer alterações nos seios. Entretanto, ele não substitui a importância do exame clínico feito por um profissional da saúde, e tampouco, a mamografia.

Mulheres acima de 40 anos devem fazer mamografia todo ano

É possível prevenir o câncer de mama?
Conhecer os fatores de risco para o desenvolvimento do câncer de mama e realizar acompanhamento médico anualmente são as principais orientações para a prevenção do câncer de mama. Os fatores de risco podem ser divididos em dois tipos: os modificáveis e os não-modificáveis.

Os fatores não modificáveis referem-se àqueles elementos naturais da vida da mulher, nos quais não se pode intervir. Dentre eles, podem ser citados o aumento da idade, a precocidade da primeira menstruação, bem como menopausa tardia, ausência de gestação ou primeira gestação após os 30 anos, e ainda, o histórico familiar.

Sobre este último, considerado muito importante, vale ressaltar que é responsável por apenas 10% dos casos de câncer de mama. Quem deve prestar mais atenção neste fator são as mulheres com parentes de primeiro grau (mãe ou irmã) que tiveram a doença antes dos 50 anos. Recomenda-se, para mulheres com esse perfil, iniciar o acompanhamento médico de rotina mais cedo, bem como fazê-lo com maior freqüência.

Os fatores modificáveis, por seu turno, são aqueles cujo controle está em grande parte nas mãos das próprias mulheres. São eles: tabagismo (fumo), ingestão de álcool (mesmo que moderado), excesso de peso, alimentação rica em gordura e carne vermelha.

Por isso, a recomendação para quem quer prevenir o câncer de mama é manter uma vida saudável, tanto em relação à alimentação quanto à prática de exercícios. Além disso, o controle de peso após menopausa e a amamentação também contribuem para a prevenção do câncer de mama. As mulheres que forem se submeter à reposição hormonal também devem ter bastante cautela e conversar seriamente com seu médico, para avaliar os riscos desse tratamento.

A grande maioria das mulheres com câncer de mama não têm histórico da doença na família

Post legal

Outubro Rosa na NFL [Grandes Ligas]

Posts relacionados:
NFL Goes Pink
Outubro Rosa | NFL: A Crucial Catch [2010] 

Meme Literário de Um Mês | Dia 03

Dia 03 – Você lê resenhas de livros? Elas influenciam na escolha de um livro? Ou na opinião que você tinha sobre um livro lido?

Sim, leio! É um dos passos do meu “método de leitura” e, como disse no post, é um hábito que ajuda a treinar o meu olhar sobre a leitura: são detalhes que me tenham passado despercebidos, associações e metáforas que não entendi etc. Algumas me influenciam, outras não: não basta o entusiasmo do blogueiro na resenha do livro, e sim uma combinação de fatores como tema, gênero etc.

As resenhas que menos me influenciam são as dos blogs literários, por incrível que pareça. Blogs pessoais me influenciam mais, especialmente aqueles com que tenho um ou dois gostos em comum – se a pessoa é fã de Terry Pratchett, por exemplo, e sugere um livro que nunca ouvi falar de um autor obscuro do Cazaquistão eu ficarei com vontade de ler.

Por outo lado, se a pessoa elogia tudo eu desconfio da opinião dela. É um trem complexo, esse de fazer amigos e influenciar pessoas. Quanto a mudar de opinião não me lembro de nenhum caso, mas incentivar a continuar a leitura de um livro que eu tava xingando até o peixinho dourado da escritora, sim. E valeu a pena.

Meme do  blog Happy Batatinha