Desafio de Férias 2010/2011 | Nanny Ogg’s Cookbook

INCLUDING RECIPES, ITEMS of Antiquarian Lore, Improving Observations of Life, Good Advice for Young People on the Threshold of the Adventure That is Marriage, Notes on Etiquette & Many Other Helpful Observations that will Not Offend the Most Delicate Sensibilities.

Capa

Pense numa pessoa que chegou a ficar com soluço de tanto rir ao ler um livro. Mais ainda, um livro de receitas!

Agora pense numa pessoa inchada de orgulho ao perceber que tenta descrever receitas no mesmo estilo da Tia Ogg de Terry Pratchett e você chegará à mesma pessoa: Titia Batata.

Gytha Ogg é uma das bruxas de Lancre, reino localizado nas montanhas Ramtops no Discworld. Ela representa a face da Mãe* no coven que inclui Esmerelda Weatherwax e Magrat Garlick – se bem que Magrat Spoiler –> tirou um sabático pra ser rainha <– Fim do spoiler. Este livro foi escrito depois dos eventos de Lords and Ladies. Na verdade, Nanny Ogg’s Cookbook é posterior a Maskerade, que inda não li.

* Além de Mãe, Tia Ogg também é Sogra. ;)

O livro reúne algumas receitas mencionadas nos livros regulares da série Discworld, como a sopa primordial [A Cor da Magia], o molho Wow-Wow [O Senhor da Foice], o gumbo clarividente da Senhora Gogol [Quando as Bruxas Viajam], o pão com água de Lord Vetinari [Guardas! Guardas!] e receitas que não foram mencionadas, como as da Sargento Angua, de Lady Sybill Vimes [kedgeree, que aproveitarei numa próxima coluna do TeleSéries], etc., comentadas por Tia Ogg.

Todas são exequíveis e comestíveis, graças ao trabalho dos editores. Eles retiraram os ingredientes potencialmente perigosos [baiacu, arsênico, sapo desidratado], afinal não é boa propaganda se as pessoas começam a morrer depois de provar suas receitas. Além disso, pessoas mortas não costumam comprar mais livros.

Continuar lendo

Discworld | Lords and Ladies

Capa

Lords and Ladies é o 14º livro da série de fantasia Discworld, escrita pelo inglês Terry Pratchett, e a quarta aventura do núcleo das bruxas de Lancre. A história começa enquanto Vovó Cera do Tempo, Tia Ogg e Magrete Alho estão voando de volta de Genua após os eventos de Quando as Bruxas Viajam, o último Discworld regular traduzido no Brasil.

Em uma nota de introdução, o autor comenta que cada livro da série pode ser lido independente de outros, mas Lords and Ladies seria melhor aproveitado de se lesse os títulos anteriores primeiro; pela ordem: Direitos Iguais Rituais Iguais [Equal Rites], Estranhas Irmãs [Wyrd Sisters] e Quando As Bruxas Viajam [Witches Abroad].

Depois de pousarem suas vassouras, cada bruxa se encaminha para sua própria casa: Vovó no meio da floresta, Tia Ogg no vilarejo de Lancre, capital do minúsculo país de Lancre nas montanhas Ramtops, e Magrete para a cabana que herdou da mentora, mas apenas para apanhar suas coisas. De lá, ela se encaminha para o castelo a fim de esclarecer sua situação com o rei Verence II, que, ela tem a impressão, é seu noivo.

As bruxas passaram o inverno inteiro em Genua, é bom voltar para casa. O mundo inteiro está em paz… por cinco minutos.

O aparecimento de crop circles [os círculos misteriosos que surgem no meio  das plantações] mostra que é tempo do ciclo do tempo, uma época em que o tecido entre mundos fica mais frágil em certos lugares como nos Dançarinos, um círculo de pedras com muito magnetismo, montanha acima. As bruxas devem evitar que os habitantes do outro lado dos Dançarinos penetre no lado de cá: eles são crueis, escravizam e torturam humanos apenas por diversão e só importam-se com seu próprio prazer.

It was here that the thaum, hitherto believed to be the smallest possible particle of magic, was succesfully demonstrated to be made up of resons (Lit.: ‘Thing-ies’) or reality fragments. Currently research indicates that each reson is itself made up of a combination of at least five ‘flavours’, known as ‘up’, ‘down’, ‘sideways’, ‘sex appeal’ and ‘peppermint’.

Continuar lendo

Discworld | Small Gods

Capa

O escritor britânico Terry Pratchett criou um mundo paralelo em que parodia a vida na Terra, o Discworld. Esse mundo é plano e vaga pelo espaço equilibrando-se sobre quatro elefantes, que por sua vez estão sobre as costas da tartaruga gigante interestelar Grande A’Tuin. Ninguém sabe para onde ela vai, mas sabem que o Sol gira ao redor do Disco arrastando a luz atrás de si.

Small Gods é o décimo-terceiro livro da série regular [trinta e nove até setembro passado], o que significa que li pouco mais de um terço da série até agora – considerando-se que li uns três posteriores fora da ordem e sem considerar os títulos YA [O Fabuloso Maurício] ou companion [The Folklore of Discworld].

Esse livro faz parte da subsérie dos Monges da História que também aparecem em Pirâmides, The Thief of Time, etc. Os Monges da História da Ordem de Wen O Eternamente Surpreso têm uma missão importante: são os guardiões da História, cuidadosamente compilada em vinte mil livros de 3 metros de altura com a letra tão miudinha que você tem de ler com uma lupa.

A questão filosófica “se uma árvore cai no meio da floresta mas não há ninguém para ouvir, ela ainda faz barulho?” não faz sentido para esses Monges, pois as coisas que acontecem são coisas que acontecem. Porém, se há alguém que observe as coisas que acontecem então temos a História, que, de outro modo, seriam apenas coisas que acontecem. Então, esses Monges não apenas guardam a História, eles a observam também.

E a História que um deles [Lu Tze] é enviado para observar está acontecendo em Omnia, a terra monoteísta regida pela Igreja do Grande Deus Om. Mas vamos falar um pouco sobre os deuses do Disco, sim? Como alguém pode notar, a realidade no Disco não obedece às leis naturais, ela se sustenta mais na crença. É a fé das pessoas que dá o suporte para as coisas que existem e acontecem no Disco, portanto há mais terreno para a percepção de deuses por lá.

Existe o panteão dos deuses maiores que residem em Dunmanifestin como o Cego Io, Offler o Deus Crocodilo, Destino, P’Tang P’Tang, A Senhora e outros; os deuses das montanhas Ramtops como Herne o deus dos caçados; existem representações antropomórficas como Morte, Tempo, Caos, que não são deuses mas que também são moldados pela crença. E existem os deuses esquecidos.

Continuar lendo

Pratchett novo no mercado brasileiro

Capa

Dica da @Lulu_coruja [senquiu!]: a editora Conrad finalmente lançou a tradução de The Wee Free Men no Brasil, com o título Os Pequenos Homens Livres.

Hotsite do livro na página da Conrad.

The Wee Free Men não faz parte da série Discworld mas se passa no Universo Discworld, É direcionado para o público infanto-juvenil [YA] quinem O Fabuloso Maurício e Seus Roedores Letrados.

A personagem principal é Tiffany Aching, aprendiz de bruxa – o Discworld mais recente também é centrado nela [I Shall Wear Midnight, lançado agora no começo de setembro].

Para quem já tinha perdido as esperanças na Conrad, taí uma boa notícia. :)

Pra não perder a viagem à livraria, aproveitei uma dica da Lulu e peguei The Folklore of Discworld e mais dois pockets do Terry Pratchett pra alimentar o vício.

10 livros em 10 dias | Série de livros que gosto mais

Alguns títulos da série

Alguns títulos da série

Dia 9

Discworld, série de fantasia escrita pelo inglês Terry Pratchett.

A-há! Te peguei, né? Pensou que eu ia dizer Harry Potter, né?

Pois olhe, quase que foi mesmo. Eu adoro Harry Potter, tenho dois sets dos livros [em pt-br e em inglês], diversos livros relacionados à série da J. K. Rowling, todos os filmes lançados, cadernos, canetas, bugigangas… Também sou fã das séries O Senhor dos Aneis, O Guia do Mochileiro das Galáxias, Crestomanci, Fronteiras do Universo, Sandman, Sookie Stakchouse Stories, recém-introduzida [ui] a Jeeves e amando, etc. [e bote um grande etc. aqui].

Mas diga apenas uma vez “Discworld” e terá minha atenção para sempre. O mundo achatado como uma pizza que viaja nas costas de quatro elefantes que se apoiam nas costas da tartaruga interestelar Grande A’Tuin é rico em referências pop, mitológicas, culturais, políticas, religiosas e econômicas; oferece histórias cheias de afeto, humor e crítica social; tem personagens a quem o leitor se apega, por suas qualidades e defeitos; são livros para serem relidos várias vezes, e a cada vez é um livro diferente.

A série começou a ser traduzida no Brasil pela editora Conrad. Até o momento, Pratchett lançou 38 títulos; a Conrad publicou 13 e desde 2008 não há notícia de novos lançametos por aqui. O jeito é ir se virando com as edições em inglês mesmo [na Livraria Cultura saem até mais barato do que nos sebos onde comprei alguns].

Embora os livros possam ser lidos fora de ordem, eles são relacionados, sim. O tio lá do L-Space, o fórum mais legal sobre Discworld, fez até um gráfico com os grupos, sequências e conexões entre os livros, atualizado até o romance mais recente [Unseen Academicals], lançado em outubro de 2009. Se clicar aqui vai fazer o download do gráfico no formato do Excel [XLS].

Faixa-bônus: Belas Maldições: As Belas e Precisas Profecias de Agnes Nutter, Bruxa de Terry Pratchett e Neil Gaiman. Não faz parte da série Discworld e saiu pela Bertrand Brasil, mas é Pratchett *e* Gaiman.

Posts relacionados
10 livros em 10 dias
Going Postal
Thief of time
The Fifth Elephant
Desafio Literário | Hogfather [livro reserva]
A Cor da Magia – filme
Hogfather – Missão especial de natal
Quando as bruxas viajam
O Senhor da Foice
A Magia de Holy Wood
Eric
Guardas! Guardas!
Pirâmides
O Fabuloso Maurício e Seus Roedores Letrados
Discworld [A Cor da Magia, A Luz Fantástica e Direitos Iguais, Rituais Iguais]
O Oitavo Mago

Going Postal

Moist von Lipwig [isso que é nome] é um trambiqueiro que vive de aplicar golpes. Um dia, ele é preso pela Sargento Angua da Guarda Municipal de Ankh-Morpork. Angua é também uma lobisomem, o que vem bem a calhar na sua profissão. O olfato apurado, sabe?

Lipwig é condenado à forca mas sobrevive. Lord Vetinari, o Patrício, oferece-lhe uma oportunidade: dirigir o serviço postal da cidade-Estado. O correio de Ankh está fechado há quatro anos, desde que o serviço de mensagem via “clacks” foi inventado.

Clacks são torres que transmitem mensagens de texto através de sinais visuais. Há uma rede de torres a transmitir a mensagem em linha, até seu destinatário. Lembra a Internet em seu início, uma espécie de BBS. O serviço pertence a Reacher Gilt [interpretado pelo Poirot David Suchet].

“Right now I’m working on golem culture for Going Postal. And they are weird :-)” – Terry Pratchett’s Online chat for Asimov’s, November 2003

Continuar lendo

Glorious 25th of May / Dia do Orgulho Geek / Dia da Toalha

Hoje comemoramos três datas especiais, conforme o título do post.

O Dia do Orgulho Nerd ou Dia do Orgulho Geek celebra o aniversário da primeira exibição de Guerra nas Estrelas / Star Wars, em 25 de maio de 1977. O evento iniciou-se na Espanha em 2006 e apenas em 2008 espalhou-se pela América.

Direitos e deveres dos nerds

Direitos

1. O direito de ser nerd.
2. O direito de não ter que sair de casa.
3. O direito a não ter um par e ser virgem.
4. O direito de não gostar de futebol ou de qualquer outro esporte.
5. O direito de se associar com outros nerds.
6. O direito de ter poucos (ou nenhum) amigo.
7. O direito de ter o tanto de amigos nerds que quiser.
8. O direito de não ter que estar “na moda”.
9. O direito ao sobrepeso (ou subpeso) e de ter problemas de visão.
10. O direito de expressar sua nerdice.
11. O direito de dominar o mundo.

Deveres

1. Ser nerd, não importa o quê.
2. Tentar ser mais nerd do que qualquer um.
3. Se há uma discussão sobre um assunto nerd, poder dar sua opinião.
4. Guardar todo e qualquer objeto nerd que tiver.
5. Fazer todo o possível para exibir seus objetos nerds como se fosse um “museu da nerdice”.
6. Não ser um nerd generalizado. Você deve se especializar em algo.
7. Assistir a qualquer filme nerd na noite de estréia e comprar qualquer livro nerd antes de todo mundo.
8. Esperar na fila em toda noite de estréia. Se puder ir fantasiado, ou pelo menos com uma camisa relacionada ao tema, melhor ainda.
9. Não perder seu tempo em nada que não seja relacionado à nerdice.
10. Tentar dominar o mundo.

orgullofriki.com

O Dia da Toalha homenageia Douglas Adams, autor da série de livros O Guia do Mochileiro das Galaxias falecido em 2001. A ideia é carregar uma toalha para onde quer que vá, neste dia.

O Guia do Mochileiro das Galáxias faz algumas afirmações a respeito das toalhas.
Segundo ele, a toalha é um dos objetos mais úteis para um mochileiro interestelar. Em parte devido a seu valor prático: você pode usar a toalha como agasalho quando atravessar as frias luas de Beta de Jagla; pode deitar-se sobre ela nas reluzentes praias de areia marmórea de Santragino V, respirando os inebriantes vapores marítimos; você pode dormir debaixo dela sob as estrelas que brilham avermelhadas no mundo desértico de Kakrafoon; pode usá-la como vela para descer numa minijangada as águas lentas e pesadas do rio Moth; pode umedecê-la e utilizá-la para lutar em um combate corpo a corpo; enrolá-la em torno da cabeça para proteger-se de emanações tóxicas ou para evitar o olhar da Terrível Besta Voraz de Traal (um animal estonteantemente burro, que acha que, se você não pode vê-lo, ele também não pode ver você ― estúpido feito uma anta, mas muito, muito voraz); você pode agitar a toalha em situações de emergência para pedir socorro; e naturalmente pode usá-la para enxugar-se com ela se ainda estiver razoavelmente limpa.
Porém o mais importante é o imenso valor psicológico da toalha. Por algum motivo, quando um estrito (isto é, um não-mochileiro) descobre que um mochileiro tem uma toalha, ele automaticamente conclui que ele tem também escova de dentes, esponja, sabonete, lata de biscoitos, garrafinha de aguardente, bússola, mapa, barbante, repelente, capa de chuva, traje espacial, etc, etc. Além disso, o estrito terá prazer em emprestar ao mochileiro qualquer um desses objetos, ou muitos outros, que o mochileiro por acaso tenha “acidentalmente perdido”. O que o estrito vai pensar é que, se um sujeito é capaz de rodar por toda a Galáxia, acampar, pedir carona, lutar contra terríveis obstáculos, dar a volta por cima e ainda assim saber onde está sua toalha, esse sujeito claramente merece respeito. [O Guia do Mochileiro das Galaxias, Douglas Adams, trad. Carlos Irineu, Ed. Sextante]

Douglas Adams Tribute [Fred]

TowelDay.Org

Por fim, o Glorious 25th of May celebra a queda da monarquia e a instauração da República no Universo Discworld, contado pelo escritor Terry Pratchett no livro Night Watch. Neste dia, os cidadãos vestem-se de lilás. Depois que Pratchett foi diagnosticado com o Mal de Alzheimer, fãs passaram a vestir-se de lilás [ou usar um broche de lilás] e contribuir para as pesquisas para a cura do Alzheimer nesta data.

Truth, Justice, Freedom, Reasonably Priced Love, and a Hard-Boiled Egg

Glorious Revolution no L-Space