Pratchett novo no mercado brasileiro

Capa

Dica da @Lulu_coruja [senquiu!]: a editora Conrad finalmente lançou a tradução de The Wee Free Men no Brasil, com o título Os Pequenos Homens Livres.

Hotsite do livro na página da Conrad.

The Wee Free Men não faz parte da série Discworld mas se passa no Universo Discworld, É direcionado para o público infanto-juvenil [YA] quinem O Fabuloso Maurício e Seus Roedores Letrados.

A personagem principal é Tiffany Aching, aprendiz de bruxa – o Discworld mais recente também é centrado nela [I Shall Wear Midnight, lançado agora no começo de setembro].

Para quem já tinha perdido as esperanças na Conrad, taí uma boa notícia. :)

Pra não perder a viagem à livraria, aproveitei uma dica da Lulu e peguei The Folklore of Discworld e mais dois pockets do Terry Pratchett pra alimentar o vício.

10 livros em 10 dias | Série de livros que gosto mais

Alguns títulos da série

Alguns títulos da série

Dia 9

Discworld, série de fantasia escrita pelo inglês Terry Pratchett.

A-há! Te peguei, né? Pensou que eu ia dizer Harry Potter, né?

Pois olhe, quase que foi mesmo. Eu adoro Harry Potter, tenho dois sets dos livros [em pt-br e em inglês], diversos livros relacionados à série da J. K. Rowling, todos os filmes lançados, cadernos, canetas, bugigangas… Também sou fã das séries O Senhor dos Aneis, O Guia do Mochileiro das Galáxias, Crestomanci, Fronteiras do Universo, Sandman, Sookie Stakchouse Stories, recém-introduzida [ui] a Jeeves e amando, etc. [e bote um grande etc. aqui].

Mas diga apenas uma vez “Discworld” e terá minha atenção para sempre. O mundo achatado como uma pizza que viaja nas costas de quatro elefantes que se apoiam nas costas da tartaruga interestelar Grande A’Tuin é rico em referências pop, mitológicas, culturais, políticas, religiosas e econômicas; oferece histórias cheias de afeto, humor e crítica social; tem personagens a quem o leitor se apega, por suas qualidades e defeitos; são livros para serem relidos várias vezes, e a cada vez é um livro diferente.

A série começou a ser traduzida no Brasil pela editora Conrad. Até o momento, Pratchett lançou 38 títulos; a Conrad publicou 13 e desde 2008 não há notícia de novos lançametos por aqui. O jeito é ir se virando com as edições em inglês mesmo [na Livraria Cultura saem até mais barato do que nos sebos onde comprei alguns].

Embora os livros possam ser lidos fora de ordem, eles são relacionados, sim. O tio lá do L-Space, o fórum mais legal sobre Discworld, fez até um gráfico com os grupos, sequências e conexões entre os livros, atualizado até o romance mais recente [Unseen Academicals], lançado em outubro de 2009. Se clicar aqui vai fazer o download do gráfico no formato do Excel [XLS].

Faixa-bônus: Belas Maldições: As Belas e Precisas Profecias de Agnes Nutter, Bruxa de Terry Pratchett e Neil Gaiman. Não faz parte da série Discworld e saiu pela Bertrand Brasil, mas é Pratchett *e* Gaiman.

Posts relacionados
10 livros em 10 dias
Going Postal
Thief of time
The Fifth Elephant
Desafio Literário | Hogfather [livro reserva]
A Cor da Magia – filme
Hogfather – Missão especial de natal
Quando as bruxas viajam
O Senhor da Foice
A Magia de Holy Wood
Eric
Guardas! Guardas!
Pirâmides
O Fabuloso Maurício e Seus Roedores Letrados
Discworld [A Cor da Magia, A Luz Fantástica e Direitos Iguais, Rituais Iguais]
O Oitavo Mago

Going Postal

Moist von Lipwig [isso que é nome] é um trambiqueiro que vive de aplicar golpes. Um dia, ele é preso pela Sargento Angua da Guarda Municipal de Ankh-Morpork. Angua é também uma lobisomem, o que vem bem a calhar na sua profissão. O olfato apurado, sabe?

Lipwig é condenado à forca mas sobrevive. Lord Vetinari, o Patrício, oferece-lhe uma oportunidade: dirigir o serviço postal da cidade-Estado. O correio de Ankh está fechado há quatro anos, desde que o serviço de mensagem via “clacks” foi inventado.

Clacks são torres que transmitem mensagens de texto através de sinais visuais. Há uma rede de torres a transmitir a mensagem em linha, até seu destinatário. Lembra a Internet em seu início, uma espécie de BBS. O serviço pertence a Reacher Gilt [interpretado pelo Poirot David Suchet].

“Right now I’m working on golem culture for Going Postal. And they are weird :-)” – Terry Pratchett’s Online chat for Asimov’s, November 2003

Continue lendo

Glorious 25th of May / Dia do Orgulho Geek / Dia da Toalha

Hoje comemoramos três datas especiais, conforme o título do post.

O Dia do Orgulho Nerd ou Dia do Orgulho Geek celebra o aniversário da primeira exibição de Guerra nas Estrelas / Star Wars, em 25 de maio de 1977. O evento iniciou-se na Espanha em 2006 e apenas em 2008 espalhou-se pela América.

Direitos e deveres dos nerds

Direitos

1. O direito de ser nerd.
2. O direito de não ter que sair de casa.
3. O direito a não ter um par e ser virgem.
4. O direito de não gostar de futebol ou de qualquer outro esporte.
5. O direito de se associar com outros nerds.
6. O direito de ter poucos (ou nenhum) amigo.
7. O direito de ter o tanto de amigos nerds que quiser.
8. O direito de não ter que estar “na moda”.
9. O direito ao sobrepeso (ou subpeso) e de ter problemas de visão.
10. O direito de expressar sua nerdice.
11. O direito de dominar o mundo.

Deveres

1. Ser nerd, não importa o quê.
2. Tentar ser mais nerd do que qualquer um.
3. Se há uma discussão sobre um assunto nerd, poder dar sua opinião.
4. Guardar todo e qualquer objeto nerd que tiver.
5. Fazer todo o possível para exibir seus objetos nerds como se fosse um “museu da nerdice”.
6. Não ser um nerd generalizado. Você deve se especializar em algo.
7. Assistir a qualquer filme nerd na noite de estréia e comprar qualquer livro nerd antes de todo mundo.
8. Esperar na fila em toda noite de estréia. Se puder ir fantasiado, ou pelo menos com uma camisa relacionada ao tema, melhor ainda.
9. Não perder seu tempo em nada que não seja relacionado à nerdice.
10. Tentar dominar o mundo.

orgullofriki.com

O Dia da Toalha homenageia Douglas Adams, autor da série de livros O Guia do Mochileiro das Galaxias falecido em 2001. A ideia é carregar uma toalha para onde quer que vá, neste dia.

O Guia do Mochileiro das Galáxias faz algumas afirmações a respeito das toalhas.
Segundo ele, a toalha é um dos objetos mais úteis para um mochileiro interestelar. Em parte devido a seu valor prático: você pode usar a toalha como agasalho quando atravessar as frias luas de Beta de Jagla; pode deitar-se sobre ela nas reluzentes praias de areia marmórea de Santragino V, respirando os inebriantes vapores marítimos; você pode dormir debaixo dela sob as estrelas que brilham avermelhadas no mundo desértico de Kakrafoon; pode usá-la como vela para descer numa minijangada as águas lentas e pesadas do rio Moth; pode umedecê-la e utilizá-la para lutar em um combate corpo a corpo; enrolá-la em torno da cabeça para proteger-se de emanações tóxicas ou para evitar o olhar da Terrível Besta Voraz de Traal (um animal estonteantemente burro, que acha que, se você não pode vê-lo, ele também não pode ver você ― estúpido feito uma anta, mas muito, muito voraz); você pode agitar a toalha em situações de emergência para pedir socorro; e naturalmente pode usá-la para enxugar-se com ela se ainda estiver razoavelmente limpa.
Porém o mais importante é o imenso valor psicológico da toalha. Por algum motivo, quando um estrito (isto é, um não-mochileiro) descobre que um mochileiro tem uma toalha, ele automaticamente conclui que ele tem também escova de dentes, esponja, sabonete, lata de biscoitos, garrafinha de aguardente, bússola, mapa, barbante, repelente, capa de chuva, traje espacial, etc, etc. Além disso, o estrito terá prazer em emprestar ao mochileiro qualquer um desses objetos, ou muitos outros, que o mochileiro por acaso tenha “acidentalmente perdido”. O que o estrito vai pensar é que, se um sujeito é capaz de rodar por toda a Galáxia, acampar, pedir carona, lutar contra terríveis obstáculos, dar a volta por cima e ainda assim saber onde está sua toalha, esse sujeito claramente merece respeito. [O Guia do Mochileiro das Galaxias, Douglas Adams, trad. Carlos Irineu, Ed. Sextante]

Douglas Adams Tribute [Fred]

TowelDay.Org

Por fim, o Glorious 25th of May celebra a queda da monarquia e a instauração da República no Universo Discworld, contado pelo escritor Terry Pratchett no livro Night Watch. Neste dia, os cidadãos vestem-se de lilás. Depois que Pratchett foi diagnosticado com o Mal de Alzheimer, fãs passaram a vestir-se de lilás [ou usar um broche de lilás] e contribuir para as pesquisas para a cura do Alzheimer nesta data.

Truth, Justice, Freedom, Reasonably Priced Love, and a Hard-Boiled Egg

Glorious Revolution no L-Space

Thief of Time

Capa do livro

Capa do livro

Cuidado, os Auditores estão de volta! E desta vez o plano deles é malígrino: chega de sutilezas, nada de tentar eliminar as incongruências humanas trocando o Morte por um substituto sem identidade ou apagando o Hogfather. Não, agora eles atacarão a raiz do problema que os impede de gerenciar um sistema de formulários padronizado e organizado, os próprios humanos.

Thief of Time é o 26º volume da série Discworld, do escritor britânico Terry Pratchett. O Mundo Disco navega pelo espaço equilibrando-se no casco da tartaruga interestelar Grande A’Tuin, sobre o lombo de quatro elefantes. Este volume traz de volta o núcleo de personagens de Hogfather: Morte, sua neta Susan Sto Helit, o Morte dos Ratos, o corvo Quoth e Igor. Não sei qual deles. Albert não aparece desta vez, mas temos uma participação especial da Tia Ogg e dos outros quatro Cavaleiros do Apocalipse.

Epa! Eu disse quatro? Mas quatro com o Morte dá cinco, Titia Batata!

É, ninguém se lembra do quinto Beatle, né? Aquele que saiu da banda por causa de “diferenças artísticas” antes que o grupo fizesse sucesso. Pois é, ninguém se lembra de Ronnie Soak também, nem a representação antropomórfica de qual mal ele era [só para lembrar, além de Morte temos Peste, Fome e Guerra].

Nine-tenths of the universe is the knowledge of the position and direction of everything in the other tenth. Every atom has its biography, every star its file, every chemical exchange its equivalent of the inspector with a clipboard. It is unaccounted for because it is doing the accounting for the rest of it, and you cannot see the back of your own head.
Nine-tenths of the universe, in fact, is the paperwork.

Continue lendo

The Fifth Elephant

Capa do livro

Capa do livro

Quando procurei [e encontrei, eba!] Hogfather na Estante Virtual, no mesmo sebo achei The Fifh Elephant e Thief of Time. Claro que arrecadei o lote.

The Fifth Elephant é o 24º título da série Discworld. Recapitulando: Discworld é um mundo achatado como uma pizza que se equilibra sobre as costas de quatro elefantes que navegam pelo espaço nas costas da tartaruga Grande A’Tuin. Existe uma lenda que diz que uma vez existiu um quinto elefante, mas ele escorregou e caiu, pesado o bastante para separar as terras e erguer montanhas.

Outra lenda diz que os ossos dos elefentes gigantes são feitos de pedras e ferro, e seus nervos de ouro [muito melhor para a condutividade]. A terra onde o quinto elefante acabou soterrado pela poeira dos tempos é rica em rochas, ferro, ouro e, o seu produto de exportação mais valioso, gordura. A gordura é usada para fazer velas.

Percebe as conexões com o que chamamos de mundo real?

Mas espere, ainda há mais!

Continue lendo

Desafio Literário | Hogfather [livro reserva]

Sinopse
É a noite que antecede a Vigília dos Porcos. E está quieto demais.
Há neve, há pintarroxos, há árvores cobertas de enfeites, mas há uma notável falta do homem grande e gordo que entrega os brinquedos…
Susan, a governanta, tem que encontrá-lo antes que a manhã chegue, de outro modo o sol não se erguerá. E infelizmente seus únicos ajudantes são um corvo com fixação por globos oculares, o Morte dos Ratos e um oh deus das ressacas.
Pior ainda, alguém está descendo pela chaminé. Desta vez ele carrega um saco ao invés de uma foice, mas existe alguma coisa lamentavelmente familiar…
HO. HO. HO.
É verdade o que dizem.
“É melhor você tomar cuidado…” [tradução livre]

Capa do livro

Capa do livro

O Discworld é um mundo redondo e achatado como uma pizza, que vaga pelo Universo assentado sobre o lombo de quatro elefantes, que por sua vez equilibram-se sobre o casco da tartaruga interestelar Grande A’Tuin. Grandes e pequenos deuses regem o Disco, que concentra tanta magia que a luz do Sol não se espalha, ela escorre como mel.

Mesmo assim, a vida no Disco tem o mesmo destino que a vida na Terra e, eventualmente, todos os seres vivos morrem. Quando isso acontece eles se encontram com o Morte. O Morte não mata os seres vivos, você entende, ele só está ali na hora e no lugar certos para se assegurar que ninguém tente nenhum truque. Ele detesta especialmente o truque do jogo de xadrez.

Assim como os grandes e pequenos deuses do Disco, as fadas, duendes e gnomos, as ideias e conceitos de entidades sobrenaturais, o Morte não é uma pessoa e sm uma representação antopomórfica. O Morte é representado antropomorficamente na figura de um grande esqueleto com duas galáxias  azuis no lugar das órbitas oculares que se  veste com um manto encapuzado negro, carrega uma foice tão afiada que pode fatiar as palavras e a luz  e cavalga um cavalo branco enorme, que pode visitar qualquer lugar no mundo material e no mundo irreal também.

O nome desse cavalo é Pituco.

Continue lendo

Safety Dance – Men Without Hats

Capa do single

Capa do single

Eis um videoclipe interessante para quem curte Discworld de Terry Pratchett: no clipe da música Safety Dance, da banda canadense Men Without Hats, aparecem o teatro de marionetes Punch & Judy, o Mastro de Maio [May Pole] e a Dança de Morris.

O vídeo foi gravado na Inglaterra num povoado próximo a Bath e a letra da canção é um protesto contra leões-de-chácara de boates que barravam dançarinos adeptos da New Wave. A dança que eles praticavam era mais vigorosa, individual em vez de aos pares, conhecida como pogoing; a New Wave foi o movimento que sucedeu-se à Era Disco e dançava-se mantendo o tronco rígido e dando saltos. Lembra do pogoball? Dos clipes do Devo e do Oingo Boingo? Apois. Os leões-de-chácara não gostavam disso, achavam que era perigoso e barravam os new wavers.

Por isso que o vocalista Ivan Doroschuk pára ali naquela porteira do vilarejo, no clipe. Bom, essa é uma das alternativas. A outra é que, como uma canção New Wave, eles eram apenas anti-tudo, não-conformistas, essas coisas.

Continue lendo

Domingueiras

Agora é tempo de cigarras e os gatinhos estão num estado de felicidade tão grande que dá até pena ralhar quando eles trazem mais uma pra dentro de casa.

Momento Post-it: Os Sete Samurais do Kurosawa no TCM, 25/10, às 22h.

Um jornalista que eu gosto: André Trigueiro, da GloboNews.

Exterminador de produtividade: ScienceBlogs. Aglomerador de blogs brasileiros sobre ciência, cultura e política.

A Jorge Zahar Editor publica livros lúdicos de ciência. São poucos títulos, comparado com as centenas da coleção Ciência Aberta da portuguesa Gradiva, mas tá valendo. A JZahar editou a versão brasileira de O Estranho Caso do Gato da Sra. Hudson do Colin Bruce, que eu tenho na edição da Gradiva.

DVD Harry Potter e o Enigma do Príncipe na pré-venda: só vou escolher nonde comprar depois de ver quais os brindes disponíveis em cada loja.

Dudley Dursley, o primo valentão do Harry Potter, é neto do Doctor Who, o segundo. É engraçado pensar que Dudley e o décimo Doctor Who quase estiveram no mesmo filme [O Cálice de Fogo].

Crítica de Peter Ingham para Unseem Academicals do Terry Pratchett no Telegraph.

Duas novas farmácias inauguradas na mesma semana em Pedra Lascada. Agora são dezessete no total, numa cidade de 19mil habitantes.

Oito dias de sinal aberto HBO, três filmes: Treinando o  Papai, O Clube de Leitura de Jane Austen e… esqueci o terceiro.

Depois do feriado o padre no meio da semana, dona mãe ficou confusa das ideias: “dia de Nossa Senhora é feriado só em Pedra Lascada ou em São Paulo?”

Capoeira em dois momentos:

O brasileiro Mestre Ponciano no filme Harry Potter e o Cálice de Fogo

Continue lendo

Domingueiras

Os últimos dez dias foram cabulosos.

Eu não sei onde estarei daqui a sete anos, mas guarde esse número: R$ 26 bilhões.

Campanha Olímpica 2246: por enquanto a disputa é feroz entre Pedra Lascada, Itatiba e OC.

Pedra Lascada saiu na frente com um Cristim Redentorzim e o título de Cidade-Coração. Seu projeto olímpico inclui um fígado, um rim e X-Bacon.

Itatiba, do @fwtoogood, tem ” o titulo de Capital Brasileira dos Móveis Coloniais. Gringo vai ver jogos e montar a casa!”

Já a OC paulista do @hbariani tá ganhando por 1 Cristo: “tem 2 cristo, portal na entrada, a estilo Gramado”.

Eu queria ouvir/ver o Hino Nacional executada por roqueiros, com um andamento mais vibrante e altaneiro [ufs]. Chega do tom melancólico e chorão.

Paraíso acabou e não assisti ao último capítulo. O que era o barulho que o Terêncio e o Tóbi escutaram na floresta, afinal?

O tempo todo fico com a impressão que já vi outros trabalhos do ator que interpreta o Mr. Schue em Glee, mas só no quinto episódio me caiu a ficha: na verdade ele me lembra demais o Judge Reinhold. Claro, o Judge Reinhold de muito antigamente.

O Neil Gaiman iniciou uma série de posts com o assunto comfort books no Twitter: livros que a gente relê sempre que está de cama, dodói, triste ou deprimido.

Os meus livros de conforto são: Jane Eyre [Charlotte Brontë], os romances policiais estrelados por Miss Marple [Agatha Christie], os da série Discworld [Terry Pratchett], O Menino no Espelho [Fernando Sabino], O Não-Me-Deixes [Rachel de Queiroz]. Os que lembro de cabeça.

Resolvi reler A Preceptora [Agnes Grey, Anne Brontë] depois de sei lá quantos anos. Logo nas primeiras páginas do exemplar do Clube do Livro [São Paulo, 1977] me deparo com rapariga, pequeno almoço e mocetona.

Tradução especial para esta edição de José Maria Machado.

Será mais um caso para a Denise Bottman, do não gosto de plágio?

A editora norte-americana HarperCollins liberou as primeiras 77 páginas de Unseem Academicals, o Discworld novo [link].

Na quinta-feira chegou meu exemplar de The Bedside, Bathtub & Armchair Companion to Agatha Christie! A previsão de entrega era 30 de agosto, mas não contavam coa greve dos Correios e o embaço na alfândega.

Ah, dorga. Esqueci que a próxima quarta-feira é o feriado do padre em Pedra Lascada. Não sei se dá tempo de chegar o presente de Dia das Crianças até sexta.

Dia 12 de otubro também é o Dia da Leitura.

Daê eu clico no banner especial lá do Club do Sub [Harry Potter, alguém? Príncipe Mestiço, Clube do Slugue, oi?] e é só brinquedo e jogos. Nada de livros  infantis na lista de presentes sugeridos.

Mocetona é uma palavra muito feia, IMHO.

Até 30 de setembro, o papel de parede de Miguelito era o calendário de janeiro do Fangtasia, com o Eric Northman. Agora é o calendário de outubro com o Lord Voldemort.

Alcide Herveaux é um cara alto de ombros largos, olhos verdes, cabelos pretos, grossos e despenteados. Também é um cara quente – literalmente. Se vampiros são frios, lobisomens têm a temperatura corporal mais elevada do que a dos humanos.

Que ator ficaria legal no papel de Alcide, na terceira temporada de TrueBlood?

Se você mora no Rio e curte Tolkien, tem HobbitCon no próximo fim-de-semana [e com feriado prolongado!].

Sanduíche do Wall-E: é muito amor [link].

Eu sei que muitos vão me olhar torto, mas preciso abrir meu coração: eu gosto do Rubens Ewald Filho.

Eu gosto do jeito que ele não dá a mínima se as pessoas gostam dele ou não.

Por causa dos compromissos desses últimos dez dias cabulosos, as séries voltaram das férias e não tive tempo  de ver tudo ainda. Mas, do que eu vi, fiquei boquiabrida com a abertura de CSI ao estilo Matrix. Oi, Morpheus.

Só é pena que a escalação de atores denuncie a identidade do criminoso pra quem acompanha diversas séries por muito tempo.

CSI: Family Affair [S10E01] cena de abertura

Continue lendo