Bolão Oscar 2011

A Fabiane, do blog DVD, Sofá e Pipoca, convidou-me para uma blogagem coletiva e eu topei pela diversão. O desafio é apostar nos vencedores de cada categoria do Oscar *e* do Framboesa Dourada – um bolão, portanto. O prêmio pra quem acertar mais é o reconhecimento do blog, um incentivo simples mas que eu achei fofo – especialmente porque não tenho nenhuma ilusão de ganhar. :lol:

Como eu disse, entrei nessa pela diversão. Agora meus palpites estão registrados e é aguardar amanhã pra conferir minha taxa de erros.

Minhas apostas para o Oscar em negrito

Melhor filme
O Discurso do Rei
Cisne Negro
O Vencedor
A Origem
A Rede Social
Minhas Mães e meu Pai
Toy Story 3
127 Horas
Bravura Indômita
Inverno da Alma

Melhor Diretor
Darren Aronovsky – Cisne Negro
David Fincher – A Rede Social
Tom Hooper – O Discurso do Rei
David O. Russell – O Vencedor
Joel e Ethan Coen – Bravura Indômita

Melhor ator
Colin Firth – O Discurso do Rei
Jesse Eisenberg – A Rede Social
James Franco – 127 Horas
Jeff Bridges – Bravura Indômita
Javier Bardem – Biutiful

Melhor Atriz
Natalie Portman – Cisne Negro
Nicole Kidman – Reencontrando a Felicidade
Jennifer Lawrence – Inverno da Alma
Michelle Williams – Blue Valentine
Annette Bening – Minhas Mães e meu Pai

Melhor Ator Coadjuvante
Christian Bale – O Vencedor
Jeremy Renner – Atração Perigosa
Geoffrey Rush – O Discurso do Rei
John Hawkes – Inverno da Alma
Mark Ruffalo – Minhas Mães e meu Pai

Melhor Atriz Coadjuvante
Melissa Leo – O Vencedor
Amy Adams – O Vencedor
Helena Bonham Carter – O Discurso do Rei
Jacki Weaver – Animal Kingdom
Hailee Steinfeld – Bravura Indômita

Melhor roteiro original
A Origem
Minhas Mães e meu Pai
O Discurso do Rei
O Vencedor
Another Year

Melhor roteiro adaptado
A Rede Social
127 Horas
Toy Story 3
Bravura Indômita
Inverno da Alma

Melhor longa animado
Toy Story 3
Como Treinar o Seu Dragão
O Mágico

Melhor filme em lingua estrangeira
Biutiful
Fora-da-Lei
Dente Canino
Incendies
Em um Mundo Melhor

Melhor direção de arte
A Origem
Alice no País das Maravilhas
Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte I
O Discurso do Rei
Bravura Indômita

Melhor fotografia
A Origem
Cisne Negro
O Discurso do Rei
A Rede Social
Bravura Indômita

Melhores efeitos visuais
A Origem
Alice no País das Maravilhas
Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte I
Além da Vida
Homem de Ferro 2

Melhor figurino
Alice no País das Maravilhas
I am Love
O Discurso do Rei
The Tempest
Bravura Indômita

Melhor montagem
A Rede Social
Cisne Negro
O Vencedor
O Discurso do Rei
127 Horas

Melhor maquiagem
O Lobisomem
Caminho da Liberdade
Minha Versão para o Amor

Melhor documentário
Trabalho Interno
Exit Through the Gift Shop
Lixo Extraordinário
Gasland
Restrepo

Melhor documentário em curta-metragem
Killing in the Name
Poster Girl
Strangers no More
Sun Come Up
The Warriors of Qiugang

Melhor curta-metragem
The Crush
The Confession
God of Love
Na Wewe
Wish 143

Melhor animação em curta-metragem
Day & Night
The Gruffalo
Let’s Pollute
The Lost Thing
Madagascar, Carnet de Voyage

Melhor trilha sonora
Hans Zimmer – A Origem
Alexandre Desplat – O Discurso do Rei
John Powell – Como Treinar o seu Dragão
A.R. Rahman – 127 Horas
Trent Reznor e Atticus Ross – A Rede Social

Melhor canção original
“I See the Light” – Enrolados
“Coming Home” – Country Strong
“If I Rise” – 127 Horas
We Belong Together – Toy Story 3

Melhor edição de som
A Origem
Toy Story 3
Tron – O Legado
Bravura Indômita
Incontrolável

Melhor mixagem de som
A Origem
Bravura Indômita
O Discurso do Rei
A Rede Social
Salt

E agora os meus favoritos pro Framboesa de Ouro 2011. Todos merecem ;) mas meu critério [?] é simples: escolho os que se levam a sério. É o mesmo critério que uso pro Trofeu PdUBT, oras, mas sinto que errarei vários… Acho que Crepúsculo vai levar tudo de lavada. Isso seria muito injusto.

Crepúsculo deveria ser hors concours.

Pior filme
Caçador de Recompensas
O Último Mestre do Ar
Sex and the City 2
A Saga Crepúsculo: Eclipse
Os Vampiros que se Mordam

Pior ator
Gerard Butler – Caçador de Recompensas
Jack Black – As Viagens de Gulliver
Ashton Kutcher – Par Perfeito e Idas e Vindas do Amor
Taylor Lautner – A Saga Crepúsculo: Eclipse e Idas e Vindas do Amor
Robert Pattinson – A Saga Crepúsculo: Eclipse e Lembranças

Pior atriz
Jennifer Aniston – Caçador de Recompensas e Coincidências do Amor
Miley Cyrus – A Última Música
As quatro amigas – Sex and the City 2
Megan Fox – Jonah Hex
Kristen Stewart – A Saga Crepúsculo: Eclipse

Pior ator coadjuvante
Billy Ray Cyrus – Missão Quase Impossível
George Lopez – Marmaduke, Missão Quase Impossível e Idas e Vindas do Amor
Dev Patel – O Último Mestre do Ar
Jackson Rathbone – O Último Mestre do Ar e A Saga Crepúsculo: Eclipse
Rob Schneider – Gente Grande

Pior atriz coadjuvante
Jessica Alba – The Killer Inside Me, Entrando numa Fria Maior Ainda com a Família, Machete e Idas e Vindas do Amor
Cher – Burlesque
Liza Minnelli – Sex and the City 2
Nicola Peltz – O Último Mestre do Ar
Barbra Streisand – Entrando numa Fria Maior Ainda com a Família

Pior diretor
Sylvester Stallone – Os Mercenários
Jason Friedberg e Aaron Seltzer – Os Vampiros que se Mordam
Michael Patrick King – Sex and the City 2
M. Night Shyamalan – O Último Mestre do Ar
David Slade – A Saga Crepúsculo: Eclipse

Pior roteiro
A Saga Crepúsculo: Eclipse
O Último Mestre do Ar
Entrando numa Fria Maior Ainda com a Família
Sex and the City 2
Os Vampiros que se Mordam

Pior casal ou elenco
Jennifer Aniston e Gerard Butler – Caçador de Recompensas
A cara de Josh Brolin e o sotaque de Megan Fox – Jonah Hex
O elenco de O Último Mestre do Ar
O elenco de Sex and the City 2
O elenco de A Saga Crepúsculo: Eclipse

Pior prelúdio, remake, continuação ou plágio descarado
Fúria de Titãs
Sex and the City 2
O Último Mestre do Ar
A Saga Crepúsculo: Eclipse
Os Vampiros que se Mordam

Pior 3-D de Arrancar os Olhos
Fúria de Titãs
O Último Mestre do Ar
Como Cães e Gatos 2
Jogos Mortais – O Final
Nutcracker 3-D

E Meu Oscar Vai Para… All About Eve / A Malvada

DVD

No ano passado participei de uma blogagem coletiva em que as pessoas escolhiam um filme ganhador do Oscar para comentar. Gostei da ideia e vou repetir a experiência.

Antes de assistir ao filme A Malvada [All About Eve, EUA/1950] eu achava que a Betty Davis era a malvada do título. Ela tinha a fama de ser uma pessoa difícil de lidar, cê sabe, com muitos desafetos. O início do filme parecia confirmar essa impressão: numa cerimônia de premiação, o crítico teatral Addison DeWitt [George Sanders] conta a trajetória da premiada em flashback a partir do momento em que Margo Channing [Davis] conhece Eve Harrington [Anne Baxter].

Margo é uma atriz de teatro já consagrada, a ponto de ter peças escritas especialmente para si. O dramaturgo Lloyd Richards [Hugh Marlowe] e sua esposa Karen [Celeste Holm] são amigos de Margo e seu namorado Bill Sampson [Gary Merrill]. Eve apresenta-se como fã ardorosa e logo cativa a todos, especialmente a diva Margo. Os únicos a desconfiar de tamanha dedicação são o próprio Addison DeWitt e Birdie [Thelma Ritter], a desbocada criada e membro único da entourage de Margo até a atriz contratar Eve como assistente pessoal.

Margo beira os 40 anos, tem personalidade forte e dura, é áspera com as pessoas, especialmente quando está insegura. Eve é jovem, suave, meiga e indefesa – das duas, é a mais perigosa.

Aos poucos, Eve passa a minar a vida inteira de Margo, manipulando todos à sua volta. De certa forma, o filme Mulher Solteira Procura [Single White Female, EUA/1992] me lembra bastante da trama de A Malvada, só que o caso da personagem da Jennifer Jason Leigh era mais patológico e o da Eve é ambição mesmo.

Margo Channing: Fasten your seatbelts, it’s going to be a bumpy night!

Continue lendo

The Blind Side / Um Sonho Possível

Sinopse:
Michael Oher (Quinton Aaron) era um jovem negro, filho de uma mãe viciada e não tinha onde morar. Com boa vocação para os esportes, um dia ele foi avistado pela família de Leigh Anne Tuohy (Sandra Bullock), andando em direção ao estádio da escola para poder dormir longe da chuva. Ao ser convidado para passar uma noite na casa dos milionários, Michael não tinha ideia que aquele dia iria mudar para sempre a sua vida, tornando-se mais tarde um astro do futebol americano.

Pôster

Pôster

A primeira vez que ouvi falar neste filme foi através de um comentário do Paulo Antunes, comentarista de NFL da ESPN, isso ainda na temporada 2008. Foi ele também quem deu a dica do livro Playing for Pizza, do John Grisham. Ele e o Paulo Mancha [Bandsports] vivem passando essas indicações nas transmissões e eu goscho mutcho!

The Blind Side é um filme baseado em fatos reais, adaptado do livro The Blind Side: Evolution of a Game, do jornalista e escritor Michael Lewis. O livro segue duas linhas: em uma, analisa a evolução das táticas defensivas do futebol americano nos últimos trinta anos; o filme se concentra na segunda linha, que é a trajetória do atleta Michael Oher desde sua entrada num colégio católico até o draft [quando o atleta universitário é contratado por um time profissional] para a posição de left tackle, o segundo maior salário de um jogador [só perde para o quarterback - aliás, a função do tackle é defender o quarterback].

Oher é filho de mãe viciada e pai ausente; ele e os irmãos são afastados da família a entregues a famílias provisórias. Sem conseguir se fixar em um lar, Oher é passado de uma família para outra. Sua natureza é a de um protetor, mas ele acaba criando um mecanismo de autoproteção ao evitar envolver-se com o mundo e as pessoas, para não magoar-se quando forem separados.

Leigh Anne Touhy: You should really get to know your players. Michael scored in the 98th percentile in protective instincts.

Continue lendo

Trofeu PdUBT Oscar 2010

Neil Patrick Harris

Neil Patrick Harris

“Você nunca viu um Oscar assim” era a chamada para atrair expectador pra transmissão da entrega de prêmios. Cara, num sei, achei que já vi um monte das coisas que apareceram ontem. Talvez não em combinação, mas começar o evento com um número musical do Neil Patrick Harris tentando resgatar a Era de Ouro, com leques de plumas e big band, não é exatamente inovador. Inda mais se considerar que [a] NPH abriu o Emmy deste ano fazendo a mesma coisa [e melhor] e [b] o som da banda tava alto e estridente demais, abafando a voz do cara. Tava difícil acompanhar.

A coisa toda tava meio incongruente: dizem que querem atrair audiência jovem e convidam chamarizes como Zac Efron e Taylor Lautner, Kristen Stewart e Miley Cyrus, e ao mesmo tempo mantém a big band, o formato engessado e as piadinhas roteirizadas. Dá a impressão de crise de meia-idade, igual aqueles tiozinhos que o Steve Martin é craque em interpretar: o homem de mais de 50 anos que se veste de garotão com bermudas largonas e soltando gírias fora de contexto pra “enturmar com a galera”. É meio melancólico.

Steve Martin e Alec Baldwin, apresentadores

Steve Martin e Alec Baldwin, apresentadores

Pelo menos mantiverem também algumas mudanças que deram certo no ano passado, como eliminar o fosso da banda, aproximando plateia e palco, e trazer artistas para testemunhar a favor dos concorrentes [embora os depoimentos tenham sido bem mais superficiais e menos emocionantes, desta vez]. Também gostei da ideia da dupla de anfitriões no esquema “tira bom, tira mau”, que foram apresentados por Neil Patrick Harris como “a melhor dupla desde Dolly Parton” depois de cantar Nobody Wants To Do It Alone. O timing de Steve Martin e Alec Baldwin estava no ponto, com a dose certa de crueldade requerida.

Baldwin: As cédulas são enviadas aos 6mil membros da Academia. E então, não importa o que aconteça, eles indicam a Meryl Streep.
Martin: Meryl detém o recorde de indicações para melhor atriz. Ou, como eu gosto de pensar a respeito, de derrotas.

Continue lendo

Blogagem coletiva | E meu Oscar vai para… O Homem que Não Vendeu Sua Alma

Blogagem coletiva

Blogagem coletiva

Este post faz parte da blogagem coletiva proposta pela Vanessa do Fio de Ariadne. O objetivo é comentar filmes que venceram o Oscar e meio que defender a escolha da Academia, isto é, explicar por que você acha que determinado filme mereceu ganhar a estatueta. Eu vou comentar O Homem Que Não Vendeu Sua Alma, mas não sei se cumprirei o requisito. Vejamos.

No século 16, o rei da Inglaterra Henrique 8º [Henry, para os íntimos] estava aflito para gerar um filho homem e perpetuar a dinastia Tudor. Ele era casado com Catarina de Aragão, a viúva de seu irmão primogênito, que era neta dos reis espanhois Fernando de Aragão e Isabel de Castela [Tratado de Tordesilhas, alguém?] e, portanto, prima do Imperador Carlos 5º da Espanha, todos muy católicos e com enorme influência sobre Roma graças aos laços abertos das suas bolsas de couro.

Acontece que Catarina gerou uma menina [Mary] e depois não conseguiu mais levar uma gravidez adiante. Henry estava apavorado com a possibilidade de ser o último governante Tudor. Ele então mexeu todos os seus pauzinhos para conseguir a anulação do casamento com Catarina para estabelecer novos laços matrimoniais [eita nóis] com Ana Bolena [aka Anne Boleyn]. Acontece que o Papa da época devia muita grana influência lealdade ao primo de Catarina e negou a anulação. Além disso, com a expansão do movimento reformista luterano pela Europa, ele não podia se arriscar.

Continue lendo

Troféu PdUBT Oscar 2009

Hugh Jackman, o anfitrião

Hugh Jackman, o anfitrião

Post concluído em 24/02/09 às 12h.

A cerimônia de premiação do Oscar de 2009 foi a mais legal que já assisti – ou que me lembro, pelo menos. Nem os números musicais me aborreceram! Pela primeira vez, aliás, eu gostei dos números musicais – desculpa, Peter Gabriel, mas seis minutos da sua canção seria um porre, por mais que eu seja sua fã. Por outro lado, eu poderia aproveitar esse tempo pra ir ao banheiro… As apresentações musicais do Hugh Jackman também foram tão cheias de energia que nem a Beyoncé me tirou do sério desta vez.

Sim, senhor, quem diria, foi muito legal. Gostei da mudança da platéia, que foi pra bem perto do palco com o fim do fosso da orquestra. Tive um professor no colegial que fazia isso com a classe, mandava-nos arrastar as carteiras bem juntinhas em volta da lousa porque gostava de sentir o cheiro do gado. Nem um pouco lisonjeiro, é. A gente obedecia, na época ainda se respeitava o professor. Tem alguém que fez o colegial no Objetivo quando ainda era na Nove de Julho, em Marília, que se lembra desse cara? Foi no último ano antes do colégio mudar pro campus da Unimar.

Voltando ao assunto, Oscar, né? Adorei a novidade no anúncio das categorias de atuação: em vez o vencedor da categoria do ano anterior apresentar um clipe de cada indicado, cinco antigos ganhadores apresentam um testemunhal para cada indicado. Tornou a coisa toda mais íntima, mais emocional. Era normal ver olhos mareados nessas ocasiões. Quem apresentou cada categoria:

Continue lendo

Enquanto o Tio Oscar não vem

Com o calor que está fazendo hoje [31 graus às duas da manhã], tou com medo que chova pesado à noite e eu fique sem o sinal de TV. Tesconjuro, pé de pato, mangalô trêis veiz.

090213a_001.jpg

As cerimônias de premiação da Academia de Cinema de Hollywood não são famosas apenas por agraciar os melhores artistas e trabalhos, mas também pelo desfile de estrelas no tapete vermelho, pelos discursos de apresentação e agradecimentos, pelas estatísticas e curiosidades ano após ano.

Três matérias publicadas nesta semana pré-Oscar trazem alguns destes momentos Kodak inesquecíveis.

Momentos curiosos que ficaram registrados na festa do Oscar

Memorável e imperdível para milhares de espectadores, ao longo da história dos prêmios Oscar vários fatos imprevisíveis deixaram aflitos os produtores do evento mais assistido do mundo inteiro. Os organizadores da festa calculam tudo, o que será dito e feito a cada minuto no reluzente palco durante as três horas de transmissão e não gostam muito de improvisos.

Atenção! Ganhar o Oscar pode ser ruim para a carreira

Falar de uma maldição do Oscar talvez seja excessivo, mas a verdade é que alguns ganhadores do prêmio, como Nicole Kidman, Renée Zellweger, Halle Berry, Adrien Brody, Hilary Swank e Cuba Gooding Jr., não fazem sucesso nas bilheterias há anos.

Relembre as piores gafes do Oscar

Realizada ao vivo, com diversas celebridades e um complicado ritual cerimonial, a festa do Oscar é um prato cheio para gafes – desde as mais comuns, como celebridades tropeçando no palco, até as mais bizarras, como o “sumiço” do envelope com o nome dos vencedores da categoria. Algumas simplesmente são indisfarçáveis e o público no mundo inteiro percebe; outras, acabam virando lenda apenas entre os “insiders” de Hollywood.

Algumas dessas gafes apareceram nos respectivos Troféus PdUBT também.

Já a coluna Ask the AnswerB!tch, do E! Entertainment, elucida algumas dúvidas dos leitores a respeito da cerimônia.
Continue lendo

Planilha Organizadora

Para quem planeja assistir à transmissão do Oscar no domingo [eu! eu aqui, ó!] e é meio control freak [eu de novo, oi!] aqui nesse site tem uma planilha de Excel prontinha pra baixar e imprimir, com todos os indicados de 2009.

81th Academy Awards – 22/02/09 [domingo]

Countdown
16h~20h E!

Red Carpet
20h~22h E!

Pré-Show
21h~22h TNT

Academy Awards
22h~2h TNT

After Party
2h~4h E!

Paixão nacional

Por causa do futebol não tem novela das seis hoje.

Por causa do carnaval não tem Oscar na TV aberta.

Grande sacanagem com todo mundo. Lembro quando corremos o risco de nunca ver Betty, A Feia porque esta emissora pretendia comprar os direitos para que nenhuma emissora brasileira a exibisse, e por quê a primeira temporada de House só está passando agora na Record, depois da terceira [sim, os direitos estavam no congelador da outra rede...]. No fim, todo mundo perde.

Livros que viram filmes que vendem livros

Faz um tempinho atrás, li num blog um comentário que quase me derrubou da cadeira: a pessoa reclamava do oportunismo comercial de um cara que escreveu um livro para se aproveitar do sucesso de um filme, uma trilogia, que concorreu ao Oscar daquele ano e levou 11 prêmios.

O nome do autor oportunista era J. R. R. Tolkien e o filme, você adivinhou, era O Senhor dos Anéis: O retorno do rei.

Te juro.

Lembrei disso agora porque estava a ler um artigo no caderno Ilustrada, da Folha de São Paulo, niqui os editores brasileiros comentam o lançamento ou o relançamento de livros que foram adaptados para filmes que concorrem ao próximo Oscar:

“O leitor iniciado frequenta livrarias, lê resenhas nos jornais e por esses meios escolhe os livros que vai comprar. Mas um público mais amplo, que não segue esse caminho, pode ser atraído a ler por conta da grande divulgação de um lançamento no cinema”, diz Maria Amelia Mello, da José Olympio. [link]

Eu não li nenhum dos originais [novidaaade!] ainda, mas o primeiro da minha lista de queríveis é O Leitor – eu, que não sou mais chegada nos temas do Holocausto e/ou nazismo. Cinema realmente influencia. ;)

O Leitor – Bernhard Schlink
Seis Contos da Era do Jazz e Outras Histórias – F. Scott Fitzgerald [donde saiu O Curioso Caso de Benjamin Button]
O Menino do Pijama Listrado – John Boyne
Sua Resposta Vale um Bilhão – Vikas Swarup [que virou Slumdog Millionaire ou Quem Quer Ser um Milionário?]
Foi Apenas um Sonho – Richard Yates

“O romance de Richard Yates é extraordinário, mas totalmente desconhecido aqui. Com o filme concorrendo ao Oscar, com grandes atores, há a possibilidade de uma ampliação no número de leitores do livro, que dificilmente seria alcançada sem o impacto midiático do filme.”

Eu senti falta de entrevistarem alguém da editora de Batman, O Cavaleiro das Trevas [que relançou o arco numa edição definitiva que custa os zóios da cara], ou HellBoy ou Homem de Ferro. Tá certo que esses dois só concorrem a prêmios técnicos, mas em compensação O Menino do Pijama Listrado tá na lista da Folha por que?