Outubro Rosa | NFL: A Crucial Catch [2011]

Eagles vs 49ers, 2/10/11

Outubro chegou e pelo terceiro ano consecutivo a liga profissional de futebol americano apoia e incentiva o movimento Outubro Rosa de conscientização e prevenção do câncer de mama. Todos os times, a associação de árbitros e os jogadores se engajam no movimento não apenas usando a cor rosa nos equipamentos, estádios e websites, mas principalmente doando itens para leilão destinado a arrecadar fundos para pesquisa e exames gratuitos.

O futebol americano é um esporte de contato e, embora existam times femininos, é essencialmente masculino. Seus jogadores têm habilidade atlética, força e massa muscular. Uma parcela envole-se em incidentes policiais alguma vez na vida,  a maioria colabora ou funda instituições para ajudar a comunidade onde cresceu, mas todos se envolvem coma causa do câncer de mama qando chega outubro.

É uma coisa linda, assistir aos jogos neste mês. Bom, eu sou fã do esporte o tempo todo, mas existe uma magia intangível em ver aqueles profissionais gigantescos unidos e dedicados a despertar a conscientização para a prevenção de uma doença que afeta majoritariamente as mulheres. Eles se comprometem de verdade, não é só marketing pessoal ou obedecer ao chefe.

A melhor defesa contra o câncer de mama é detectá-lo precocemente

Outros esportes acompanham o movimento, como a Nascar, o beisebol, o hockey [este ano o basquete ficou de fora da campanha por causa da greve], em escala menor. No Brasil, teve um time profissional que disputou um jogo de futebol usando uniforme rosa no ano passado, não sei se prepararam algo para 2011. Por aqui o Outubro Rosa vem ganhando força ano após ano com a participação de empresas e órgãos públicos, mas o engajamento maior é articulado nas redes sociais.

Desde 2008 o PdUBT participa desse engajamento graças à organização da Sam Shiraishi, do blog A Vida Como a Vida Quer. A campanha nacional foca no empoderamento da mulher e no domínio que ela deve ter sobre o seu próprio corpo, e engloba informações fornecidas pela FEMAMA [Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama].

Como detectar o câncer de mama?
Através de exames clínicos de mama, que são exames nos quais médicos e enfermeiros observam e apalpam os seios à procura de nódulos ou outras alterações, e, especialmente, através da mamografia. Esse exame é uma espécie de radiografia, na qual é feita uma compressão nas mamas, e permite visualizar até mesmo pequenas alterações. A mamografia é considerada a melhor forma de detectar o câncer de mama, justamente por permitir o diagnóstico precoce da doença. Em uma fase inicial, quando os tumores são pequenos (menores do que 1 cm) e imperceptíveis ao toque, as chances de cura chegam a 95% dos casos.

O auto-exame é importante para que a mulher conheça seu corpo, em especial sua mama, e possa reconhecer alterações nos seios. Entretanto, ele não substitui a importância do exame clínico feito por um profissional da saúde, e tampouco, a mamografia.

Mulheres acima de 40 anos devem fazer mamografia todo ano

É possível prevenir o câncer de mama?
Conhecer os fatores de risco para o desenvolvimento do câncer de mama e realizar acompanhamento médico anualmente são as principais orientações para a prevenção do câncer de mama. Os fatores de risco podem ser divididos em dois tipos: os modificáveis e os não-modificáveis.

Os fatores não modificáveis referem-se àqueles elementos naturais da vida da mulher, nos quais não se pode intervir. Dentre eles, podem ser citados o aumento da idade, a precocidade da primeira menstruação, bem como menopausa tardia, ausência de gestação ou primeira gestação após os 30 anos, e ainda, o histórico familiar.

Sobre este último, considerado muito importante, vale ressaltar que é responsável por apenas 10% dos casos de câncer de mama. Quem deve prestar mais atenção neste fator são as mulheres com parentes de primeiro grau (mãe ou irmã) que tiveram a doença antes dos 50 anos. Recomenda-se, para mulheres com esse perfil, iniciar o acompanhamento médico de rotina mais cedo, bem como fazê-lo com maior freqüência.

Os fatores modificáveis, por seu turno, são aqueles cujo controle está em grande parte nas mãos das próprias mulheres. São eles: tabagismo (fumo), ingestão de álcool (mesmo que moderado), excesso de peso, alimentação rica em gordura e carne vermelha.

Por isso, a recomendação para quem quer prevenir o câncer de mama é manter uma vida saudável, tanto em relação à alimentação quanto à prática de exercícios. Além disso, o controle de peso após menopausa e a amamentação também contribuem para a prevenção do câncer de mama. As mulheres que forem se submeter à reposição hormonal também devem ter bastante cautela e conversar seriamente com seu médico, para avaliar os riscos desse tratamento.

A grande maioria das mulheres com câncer de mama não têm histórico da doença na família

Post legal

Outubro Rosa na NFL [Grandes Ligas]

Posts relacionados:
NFL Goes Pink
Outubro Rosa | NFL: A Crucial Catch [2010] 

#BAD2010 | Blog Action Day 2010: Water [Água]

 

O Blog Action Day é uma mobilização global de blogueiros que se unem todo dia 15 de outubro para divulgar uma causa – social, ecológica, econômica, política ou tudo isso junto. Em 2010 o tema é a escassez de água potável, algo que Guilherme Arantes já chamava a atenção há quase trinta anos.

“Access to clean water is not just a human rights issue. It’s an environmental issue. An animal welfare issue. A sustainability issue. Water is a global issue, and it affects all of us.”
Blog Action Day 2010: One Day. One Issue. Thousands of Voices.

Blog Action Day – site oficial

Planeta Água – Guilherme Arantes

Segundo lugar no Festival MPB Shell em 1981.


Link http://www.youtube.com/watch?v=nrhu-7jDuGw

Planeta Água
Guilherme Arantes
Composição: Guilherme Arantes

Água que nasce na fonte
Serena do mundo
E que abre um
Profundo grotão
Água que faz inocente
Riacho e deságua
Na corrente do ribeirão…
Águas escuras dos rios
Que levam
A fertilidade ao sertão
Águas que banham aldeias
E matam a sede da população…
Águas que caem das pedras
No véu das cascatas
Ronco de trovão
E depois dormem tranqüilas
No leito dos lagos
No leito dos lagos…
Água dos igarapés
Onde Iara, a mãe d’água
É misteriosa canção
Água que o sol evapora
Pro céu vai embora
Virar nuvens de algodão…
Gotas de água da chuva
Alegre arco-íris
Sobre a plantação
Gotas de água da chuva
Tão tristes, são lágrimas
Na inundação…
Águas que movem moinhos
São as mesmas águas
Que encharcam o chão
E sempre voltam humildes
Pro fundo da terra
Pro fundo da terra…
Terra! Planeta Água
Terra! Planeta Água
Terra! Planeta Água…
Água que nasce na fonte
Serena do mundo
E que abre um
Profundo grotão
Água que faz inocente
Riacho e deságua
Na corrente do ribeirão…
Águas escuras dos rios
Que levam a fertilidade ao sertão
Águas que banham aldeias
E matam a sede da população…
Águas que movem moinhos
São as mesmas águas
Que encharcam o chão
E sempre voltam humildes
Pro fundo da terra
Pro fundo da terra…
Terra! Planeta Água
Terra! Planeta Água
Terra! Planeta Água…(2x)

Outubro Rosa | Arrecadação de produtos de higiene pessoal em Brasília/DF

Eu achei a iniciativa da mãe da @thaisgondar tão joiada que roubei um trechinho do post dela pra colar aqui:

Só quem passa pelo problema conhece o horror que é um câncer. Mamãe sabe bem disso, mas hoje ela está curada e completamente envolvida com a causa. Por isso, estamos arrecadando doações para a Rede Feminina de Combate ao Câncer de Mama do Hospital de Base de Brasília. A rede atende mulheres carentes do DF e entorno oferecendo a elas um tratamento digno. O objetivo é arrecadar produtos de higiene pessoal (shampoo, sabonete, creme dental, absorvente íntimo, aparelho de depilação, etc). Acreditem! Nem isso essas mulheres têm.

Se você quiser e puder doar em gênero ou em espécie, entre em contato com a Thaís no blog Dançar a Vida.

Outubro Rosa | NFL: A Crucial Catch

Pelo segundo ano seguido, a liga de futebol americano profissional dos EUA promove o mês de conscientização e prevenção do câncer de mama: em todos os jogos disputados em outubro os jogadores, técnicos, juízes, campos de futebol e websites exibirão elementos cor de rosa. Os equipamentos, peças de vestuário, bolas e moedas especiais serão leiloados e a renda beneficiará a American Cancer Society e os projetos sociais dos times e jogadores que se dediquem ao tema.

Neste ano a campanha da NFL tem nome, A Crucial Catch, e concentra-se na divulgação da importância do exame anual. Eu traduzi [de forma amadora, é claro] um quadro do website deles a seguir.

“Devido ao financiamento inadequado do governo federal para o programa de exame do câncer cervical e de mama, menos de uma em cada cinco mulheres consegue fazer o exame e o tratamento que salvaria suas vidas quando elas precisam.

Você pode ajudar a reduzir o risco de ter câncer de mama com exercícios físicos regulares, mantendo um peso saudável e limitando o consumo de bebida alcoólica.

Mais mulheres sobrevivem ao câncer de mama com o diagnóstico precoce e tratamento adequado.”

Vou repetir o que comentei no ano passado: são caras enormes num esporte de contato duro usando pink um mês inteiro para divulgar a conscientização de uma doença predominantemente feminina. Além do futebol americano, outros eventos esportivos usarão a cor rosa durante o mês de outubro: uma corrida da Nascar e outra da Indy [que pretendo comentar depois]; as ligas nacionais de futebol soccer nos EUA [MLS] e no Méxco usarão uma Jabulani pink nos jogos e alguns goleiros usarão luvas da mesma cor. Os times dos EUA organizarão palestras em suas comunidades e doarão parte do lucro da venda de ingressos. As ligas profissionais norte-americanas de basquete [NBA], hóquei no gelo [NHL] e beisebol [MLB] também participam da campanha de prevenção e conscientização, numa escala menor e nem sempre em outubro.

O importante aqui é derrubar barreiras e tabus: o corpo é da mulher, ela é responsável por ele, mas não precisa fazer isso sozinha ou às escondidas, por pudor. Quanto mais gente falar sobre o assunto, maior a conscientização [e, consequentemente, as verbas para pesquisa e a pressão sobre os órgãos públicos de saúde].

Mais fotos: The Examiner

Este post faz parte da blogagem coletiva Outubro Rosa.

Para acompanhar as blogagens: A Vida como a Vida Quer, da Sam Shiraishi.

Sites legais
Dia de Amar Seu Corpo

FEMAMA Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama

Mulher Consciente

Posts legais
Outubro Rosa no Discovery Home & Health [Simone Miletic, Só Seriados de TV]

Ao invés do medo, a prevenção [Simone Miletic, Porque minhas opiniões não cabiam na telinha da TV]

Outubro Rosa: Caneca Alvo da Moda by IBCC [Cler Oliveira, Eu Amo Canecas]

Outubro Rosa [Mari Trigo, Shopaholic]

Outubro Rosa: Luta contra o câncer de mama [Celina Oliveira, Luxos e Luxos]

Dia Rosa Para Todas [Patrícia Assis, De Repente: Mãe]

Você se previne do câncer de mama? Então aproveite o Outubro Rosa [Juliana Lopes Romão, Casa in Ordem]

Dra Laura Lúcia explica como fazer o auto-exame das mamas


Link http://www.youtube.com/watch?v=3L0ME1oJaaw

Post relacionado
NFL goes Pink

Mugicha

Mugi cha

Mugi cha

Eu lóvo chá, lóvo. Mas fazer chá gelado nesse calor duzinferno na proporção em que bebo é um pé: ferver a água, colocar o chá, esperar a infusão ficar pronta, esperar esfriar, pôr na geladeira, esperar gelar… Nhai.

Tem a opção do chá em pó, é verdade,  mas tem também o [tcharãm!] mugicha! É feito de cevada torrada, vendido em lojas de produtos japoneses em caixas com saquinhos contendo a quantidade certa de grãos torrados e triturados para um litro de chá. A gente coloca um saquinho na jarra de água fria, guarda na geladeira e no tempo que leva pra água gelar o chá tá pronto.

Se encontrar a cevada torrada em grãos, a medida é de 2~3 colheres se sopa para um litro de água, dependendo do seu paladar [se prefere mais suave ou mais forte]. Dá pra usar o mugicha pra fazer kanten [gelatina de alga marinha agar-agar]; nesse caso é melhor fazer o chá mais forte.

O sabor lembra um pouco de café achocolatado com um perfume meio defumado, não tem cafeína [embora contenha glúten] então dá pra beber à noite. Pode ser servido com ou sem açúcar/adoçante e pode prepará-lo por infusão também – nesse caso a cor e o sabor ficam mais  fortes. Além de hidratar, o mugicha [pronuncia-se múgui-tchá] é bom pra aliviar o stress e [dizem] para limpar as impurezas do sangue.

Eu bebo é pra combater o calor mesmo. ;)

Imagem: Just Hungry

Go Pink or Go Home

Bobby Labonte, 2009

Bobby Labonte, 2009

No ano passado foram três, em 2009 são cinco.

No mesmo fim-de-semana em que a F1 definiu o campeão da temporada, numa disputa interna entre dois pilotos da mesma equipe que iniciou o ano com os carros pintados de branco e amarelo porque nem patrocinador tinha, a Nascar correu as 500 Milhas Lowe na Carolina do Norte. Dos 43 participantes, cinco correram com os carros e/ou macacões cor-de-rosa pelo Mês de Combate Contra o Câncer de Mama:

. Kyle Busch, carro 18 patrocinado pela M&M`S [Toyota Camry],
. Bill Elliott, carro 21 [Ford Fusion],
. Bobby Labonte, carro 96 patrocinado pela Ask.com [Ford],
. Elliott Sadler, carro 19 patrocinado pelas feraamentas Stanley [Dodge],
. Michael Waltrip, carro 55 patrocinada pela NAPA/Susan G. Komen [Toyota Camry]

Busch, Labonte e Sadler foram os três que apoiaram a causa no ano passado também. Buschinho foi ainda além e usou o pink no macacão [v. foto no Twiter de um cara da equipe].

“I’m real proud to be part of it,” Busch said. “You can see me from a long ways away. It’s pretty good-looking.” [Thatsracin.com]

Elliott Sadler

Elliott Sadler

O site Ask.com, patrocinador de Labonte, doará 1 milhão de dólares para a fundação Susan G. Komen, que já arecadou quase 1 bilhão e meio de dólares para a pesquisa para a cura do câncer de mama.

A dona da marca de chocolates M&M’s continuou com a tradição de lançar uma edição limitada de confeitos cor-de-rosa no mês de outubro, com parte da renda revertida para a mesma fundação, assim como a Cheerios [cereais] e a Stanley.

“I am proud to wear pink to show my support for NAPA and Susan G. Komen for the Cure,” said two-time Daytona 500 champion Waltrip. “My car rarely changes, but for the Charlotte race it`s going to be pink and blue. I hope the special paint scheme and this partnership will help increase awareness to find a cure for breast cancer.” [Reuters]

Cerca de 40% do público de corridas da Nascar é feminino [e eu gostaria de saber a percentagem de torcedoras do Juan Pablo Montoya, só na minha lista do Twitter sei de 4], mas este não é o motivo principal para a iniciativa: o câncer de mama afeta os homens também, tanto literalmente quanto indiretamente.

“My mom has always been by my side and my biggest fan,” said Sadler, who rolls off 38th in Saturday’s Sprint Cup race. “Last year when she walked out to the starting grid in Charlotte and took a picture with me in my pink Stanley/Susan G. Komen for the Cure fire suit in front of my pink No. 19 Dodge, she told me it was one of the most special moments of her life. That entire weekend was extremely special to me.” [Fox Sports]

Kyle Busch, 2009

Kyle Busch, 2009

Na categoria preparatória da Nascar também teve pilotos correndo em carros cor-de-rosa, todos da equipe Braun Racing [Camry]: Jason Leffler, Reed Sorenson e Brian Vickers.

Nascar drivers are people too, they have family and friends, all of which have the same vulnerabilities to this disease as any of us. The issue of breast cancer and early detection is just as personal to them as it is to us. [Bleacher Report]

outubro_rosaJá pelos lados de cá, as iniciativas começam a ganhar mais espaço com a divulgação e o trabalho especialmente de blogueiras e da Avon. A Sam Shiraishi encabeça o movimento blogueiro/twiteiro.

Em SP o governo está a distribuir material informativo em pontos relacionados com a saúde; em Marília/SP, por exemplo, quem tiver interesse deve procurar no Hospital das Clínicas e na Santa Casa. Na sexta-feira teve ação de conscientização na rodoviária, patrocinada pela Avon. A mesma ação aconteceu no Ibirapuera em SPO no domingo.

Ainda está longe de envolver um público menos direcionado por gênero mas quem sabe um dia verei um jogo de futebol masculino que embarque na campanha.

Posts legais
Uma noite rosa – Porque minhas opiniões não cabiam na telinha da TV

Em homenagem ao Outubro Rosa, a A Chapa veste de rosa novo sanduíche – Aventuras Gastronômicas

Outubro Rosa: Top 10 coisas que você precisa saber sobre o câncer de mama – From Lady Rasta

Ela tem que saber – Recém-Casada

Posts relacionados
NFL goes Pink
Pink Cadillac

NFL goes pink

San Francisco 49ers na vitória sobre o Saint Louis Rams

San Francisco 49ers na vitória sobre o Saint Louis Rams

The NFL, its clubs and players are proud to support the fight against breast cancer. Our campaign, “A Crucial Catch”, in partnership with the American Cancer Society, is focused on the importance of annual screenings, especially for women who are over the age of 40. Throughout October, NFL games will feature players, coaches and referees wearing pink game apparel to raise awareness for the campaign, as well as on-field pink ribbon stencils and special K-balls and pink coins. All apparel worn at games by players and coaches and special K-balls and pink coins will auctioned off at NFL Auction (www.NFLAuction.NFL.com), with proceeds benefitting the American Cancer Society and team charities. This is an issue that has directly touched the lives of so many in the NFL family, and we are committed to helping make a difference in breast-cancer prevention. [NFL.com]

Lembra de um post do ano passado niqui eu comentava sobre os carros cor-de-rosa na Nascar, para chamar a atenção para a importância da participação masculina no combate ao câncer de mama?

Neste ano a NFL aderiu ao movimento Outubro Rosa: em todos os jogos de ontem os jogadores, membros da equipe técnica, árbitros e até o site oficial da liga de futebol americano apareceram pink. Todos os acessórios serão leiloados e a renda revertida para a associação americana de combate ao câncer de mama.

O jogador Bradie James, do Dallas Cowboys, foi ainda além: ele mantém uma instituição beneficente chamada Foundation56 [o número da camisa dele no time] para auxiliar a comunidade onde nasceu a dar apoio e levantar fundos a quem sofre da doença, promover a prevenção, etc. Ele também vai pagar 30 mamografias além da renda do leilão dos tênis pink que usou no jogo de ontem.

OK, agora vamos ao que realmente interessa nisso tudo: eu achei tão fofo ver caras enormes, armários com mais de 120kg num esporte viril, todos usando pink sem que nenhum idiota chegasse e o chamasse de bambi…

Claro, é verdade que tal idiota correria o risco de virar hambúrguer de idiota ao questionar a masculinidade de um cara de quase 2 metros de altura e peso médio de 130kg, mas que seja.

Volto a comentar neste post o mesmo que no ano passado: será que veremos iniciativas parecidas um dia no Brasil?

Link http://www.mulherconsciente.com.br/

Resenha legal: Lipstick, no blog Rato de Biblioteca.

Numa nota mais alegre, tem a campanha pelo autoexame estrelado pelas atrizes Alyson Hannigan, Emily Deschanel, Minka Kelly, Kat McPhee e Jamie King. Não encontrei uma versão com legendas, mas acho que dá pra entender…

Continuar lendo

Domingueiras

Na novela Paraíso, a beata D. Mariana parou de clamar por Nosso Senhor Jesus Cristo Amém e passou a invocar Deus Todo Poderoso Amém.

Nada não, apenas botei reparo.

Neste ano não tem desfile cívico nas ruas de Marília nem de Pedra Lascada por causa da gripe suína.

Mas teve show de axezeira famosa em recinto fechado na semana passada, escolha de rainha da festa do peão em recinto fechado sem ventilação no início de agosto e terá a festa do peão em si, daqui a duas semanas.

Coerência mandou lembranças.

Na minha época *cof* éramos obrigados a fazer traços diagonais em verde e amarelo nas páginas do caderno durante a Semana da Independência.

Também tinha os bochechos com flúor, toda quarta-feira.

Mas, né, eu cresci na época da ditadura, abanando bandeirinha de cartolina e  cantando “eu te amo meu Brasil eu te amo meu coração é verde amarelo branco azul anil” enquanto os militares marchavam.

A propósito, na minha época se usava anil pra enxaguar roupa branca, então pelo menos eu sabia o que era.

No seu dia-a-dia, nas conversas no corredor do escritório, com o porteiro, durante a cerveja, enfim: você diz “gripe A H1N1″, “gripe A”, “influenza A”, “essa tal de gripe nova” ou “gripe suína”?

Uia! Ainda anturdia matutava que gostaria de rever TiTiTi e agora me contam que vão soltar um remake da novela, com o Cássio Gabus Mendes no lugar do tio. Se ele baixar a interpretação estridente ficará legal.

Tou adorando o Reginaldo Faria em Paraíso, tou adorando. Chego a perder o fôlego de rir do Sêo Lotéro que ele criou. Me faz lembrar do Jacque Leclerc de TiTiTi também…

Num dos programas Via Brasil desta semana [GloboNews] mostraram as opções gastronômicas de Gramado/RS. No meio das imagens, um turista encharcava sua fatia de pizza com catchup.

Eu também não curto comida cozida demais, Adrina.

Esqueci de comentar no último post de True Blood: Lettie Mae ebil! Atirando em gatinhos! EBIL woman!

Os bárbaros, eles estão em todos os lugares.

As pilhas do radinho de pia duraram 19 meses. Razoável: o radinho é ligado apenas uma hora por dia, de segunda a sexta-feira – isso quando a gente lembra de ligar.

Ah, e é radinho de pia mesmo: ele fica na pia da cozinha.

Passei a seguir o @BBCHistoryMag no Twitter; é outro exterminador de produtividade. Eis três dos artigos indicados por ele que eu li nesta semana:

. A verdade por trás de The Tudors [link] – as diferenças entre a realidade histórica e como foi abordado pela série de TV;

. É hora de explodir o mito de que todas as crianças evacuadas da Blitz foram bem tratadas [link] – crianças foram levadas para longe de casa e da família na Inglaterra, durante a Segunda Guerra Mundial, e algumas sobreviventes agora contam o que enfrentaram;

. As lições das receitas dos tempos de guerra [link] – como as donas de casa enfrentaram o racionamento durante a mesma Guerra.

Os dois últimos artigos me fizeram lembrar de The Mousetrap / Três Ratos Cegos da tia Agatha Christie.

Já a @BBCMusiMag comenta que companhias aéreas como a British Airways proíbem músicos de transportarem seus violoncelos junto a si, sob o argumento de que suas cordas podem ser usadas para estrangular alguém.  Tubas  também são proibidas [alá, Mr. Deeds] mas clarinetas estão na lista de instrumentos musicais seguros. Uma violoncelista resolveu o problema ao  batizar o violoncelo e comprar-lhe uma passagem aérea. O pior é que, a partir daí, ele passou a receber propaganda não-solicitada…

Programa que eu gosto de assistir: História à la carte.

Aprendi num episódio de Cold Case: no pôquer, a combinação ás + rei [ace + king ou AK] é chamada de Anna Kournikova porque parece bonita, mas não ganha nada.

Aprendi no livro Tentativas, Atentados E Assassinatos Que Estremeceram O Mundo, do Stephen J. Spignesi, que a combinação de dois pares de ases e oitos é chamada de A Mão do Morto porque era o que Wild Billy Hickock segurava quando foi assassinado com um tiro nas costas. E Wild Billy só pôde ser assassinado pelas costas porque não resistia a uma partida de pôquer.

Aprendi nesse glossário de termos de pôquer, em português de Portugal, que uma sequência de cartas do 5 ao 9 é chamada de Dolly Parton. A canção do filme Como Eliminar Seu Chefe [Nine to Five], cê sabe. E uma mão com quatro rainhas é Village People.

Lóvo!

Se você é mulher, tenista profissional, não interessa que seja a Número 1 do mundo: em Wimbledon você só joga na quadra central se for bonita.

A Suzana achou o vídeo do comercial dos postos BR com o frentista cadeirante [senquiu!]. Cê viu?

Continuar lendo

Botulismo

Publicado originalmente n’A Casa Torta

- (…) Estava convencido de que a morte de Mrs. Jones fora causada pelo botulismo. A ceia, naquela noite, consistira em lagosta enlatada, salada, bolo confeitado, pão e queijo. (Agatha Christie, Os treze problemas, Nova Fronteira, pág. 13)

“Não dê mel aos bebês” é uma das regras que fazem parte da lista de coisas que você deve saber (como “não misture amônia com cloro” e “não use areia de praia para fazer concreto”) e que precisam de mais divulgação porque são muito importantes.

A palavra botulismo descreve um tipo de intoxicação. Uma classe de bactérias chamada Clostridium botulinum que cria uma proteína chamada toxina botulínica, e essa proteína é a causa do botulismo. A toxina botulínica invade as células nervosas estimulantes no lugar em que elas se encontram com as fibras musculares e bloqueia essa ligação para que nenhum sinal consiga passar. O resultado é a paralisia, e em casos graves ela imobiliza o paciente completamente e pode levá-lo à morte.

Continuar lendo