Os 50 piores vilões do cinema

Angela Lansbury, Sob o Domíio do Mal

Angela Lansbury, Sob o Domínio do Mal

Às vezes tenho a impressão que o pessoal gosta mais dos vilões do que dos mocinhos, pela quantidade de listas e artigos dedicados a uns e a outros. Tá certo que um bom mocinho depende de um mau vlão, mas um pouco de equilíbrio é bom, né? ;)

A revista inglesa Times elaborou uma lista com os 50 melhores vilões do cinema. No artigo tem comentários e vídeos, mas eu trouxe apenas os nomes pra cá.

São eles:

50. Dr. Evil (Mike Myers) – Austin Powers: Um agente nada secreto [Austin Powers: International Man of Mystery] (1997)

49. Leatherface (Gunnar Hansen) – O massacre da Serra Elétrica [The Texas Chainsaw Massacre] (1974)

48. Ivan Drago (Dolph Lundgren) – Rocky IV (1985)

47. Agente Smith (Hugo Weaving) – The Matrix (1999)

46. Kevin (Elijah Wood) – Sin City (2005)

Continue lendo

Os 50 maiores vilões da literatura

She's EBIL!

Mrs Coulter is EBIL!

Os articulistas do jornal inglês The Telegraph se depararam com um problema inesperado quando se propuseram a listar os 50 maiores vilões da literatura: como optaram por recorrer o mínimo possível aos quadrinhos e obras infanto-juvenis, perceberam que a literatura adulta não contém tantos vilões assim – melhor dizendo, não exibe uma linha clara que define mocinhos e vilões. Em Moby Dick quem é o vilão, a baleia branca ou o capitão Ahab? E no Paraíso Perdido de Milton, Deus ou Satã?

Eu tive esta dúvida num dos livros de uma série que está na lista, dizem que é uma parábola cristã  mas os personagens “do bem” cometiam tantos atos de preconceito e intolerância, justificados pelo conceito religioso lá deles, que fechei o livro e nunca mais peguei pra terminar de ler. E nem vou assistir ao resto dos filmes.

De qualquer forma, taqui a lista deles com anotações do que eu li ou vi o filme [de Lovecraft li uma porrada de uma vez só, mas isso foi há uns 20 anos, nem lembro mais... Clarissa e Paraíso Perdido vou emprestar de hermã]. No site do jornal tem o comentário dos articulistas.
Continue lendo

Eles são maus feito pica-paus

Que que há com esse povo? O site Hollywood.com lançou a terceira lista dos piores melhores vilões do cinema em pouco mais de duas semanas [tem também a do MovieFone e a da rede de videolocadoras LoveFilm]. Há pouca diferença entre uma e outra, mas nesta do Hollywood.com eles acrescentaram uma frase-chave de cada vilão.

1. Darth Vader, da série Guerra nas estrelas [voz de James Earl Jones]
“Considero a sua descrença perturbadora.”

2. Hannibal Lecter, de O silêncio dos inocentes [Anthony Hopkins]
“Eu realmente gostaria que pudéssemos conversar mais tempo, mas… Tenho um velho amigo para o jantar.”
Continue lendo

Naughty boy

Time: “Pity the poor hero. Oh, he gets the girl and saves the planet, but where’s the fun in that? Love and duty are a puny match for the epochal mischief a prime bad guy can stir up. The villain may be the supporting part, but it’s often the juiciest–from the snake upstaging Adam in the Garden of Eden to Shylock eclipsing Antonio to Jack Nicholson as the Joker in Batman swiping the spotlight from (hmm, who was that?) Michael Keaton.”

De fato! Cinema tem retratado os vilões [e os anti-heróis] como mais inteligentes, espertos, fortes e fazíveis do que os bananas dos heróis, que na maioria das veiz vencem mais por sorte e/ou erro do vilão do que por méritos próprios.

E achei interessante ver a Dolores Umbridge como a vilã destacada pelo quinto filme da série Harry Potter, no mesmo filme em que Você-Sabe-Quem confirma seu retorno. Uma frase de [Lupin? Sirius? deu branco...] me marcou muito neste livro: “o mundo não está dividido entre os bons e os Comensais da Morte, Harry”.