Karate Kid – A hora da verdade

Encera carro, pinta cerca, depois caratê.

Encera carro, pinta cerca, depois caratê.

A notícia de que o ator Ralph Macchio foi confirmado no elenco da série Ugly Betty [como personagem recorrente!] trouxe uma enxurrada de memórias na minha cabeça. Macchio pode fazer um quazilhão de filmes na vida mas não adianta: será lembrado sempre pelo papel de Daniel-san na série de filmes Karate Kid, cRássico da Sessão da Tarde nos anos 80 e início da década de 90.

O primeiro filme [The Karate Kid, EUA/1984] gerou tantos ícones na época que nem sei por onde começar… Pelo Senhor Miyagi, um japonês okinawano que pratica o zen, pela fofa da Elisabeth Shue, pelo golpe “garça em teto de zinco quente”?

A história em si é bobinha e cheia de clichês: garoto [Macchio] que se muda para uma nova cidade tem que se adaptar no colégio e vira alvo dos bullies. Procura a academia local de artes marciais para aprender a lutar mas os bullies freqüentam a tal academia, a Cobra Kai. Ele convence então o zelador do condomínio onde mora [Pat Morita, indicado ao Oscar e ao Globo de Outro como Ator Coadjuvante por este papel] a ensinar-lhe caratê para defesa, enquanto conquista a garota mais bonita da escola [Shue]. No fim, Daniel-san e o bully-chefe se enfrentam numa competição.

Miyagi: Nós fazemos pacto sagrado. Eu prometo treinar você, você promete aprender. Eu falo, você faz, sem perguntas.

Continuar lendo

Vampiro

Vamos ter que pedir pizza.

Vamos ter que pedir pizza.

Rapaz atravessa floresta escura em seu carro. Passa por zumbis, lobisomem e cavaleiro-sem-cabeça – ou um grupo de pessoas encapuzadas, um lobo e um homem puxando um cavalo, se a gente não se deixa afetar pela atmosfera. O carro cai numa vala, observado por um perfil na janela no alto de um castelo escuro, a gola alta levantada.

Rapaz ativa o sistema blocante pra roda não girar em falso e continua sua jornada. Corta para o observador na janela: o vampiro vira-se pra esposa-vampira e:

- É, vamos ter que pedir pizza.
– A minha sem alho.

Simples, engraçado, transmite bem a mensagem!

Também gostei da peça do Palio Adventure Locker, que mais ou menos é o mesmo roteiro só que sem o elemento terror do Strada, mas com uma trilha sonora bem legal [Three Little Birds, do Bob Marley].

Vampiro, no Youtube.

Uma diva é uma diva

Madonna e Clive Owen em Star

Madonna e Clive Owen em Star

No post da nova Cathy Earnshaw, Suzana comenta que Clive Owen é a opção dela para o novo Heathcliff e pergunta se eu já vi uma propaganda dirigida pelo Guy Ritchie, estrelado por Owen e Madonna: não tinha visto ainda! E é velhinha, de 2001…

Trata-se de um filme promocional feito especialmente para Internet, de uma série para a BMW, todos dirigidos e roteirizados por nomões do cinema. Clive Owen interpreta The Driver [o motorista] em cada um deles, num papel que mais para a frente o Jason Statham repetiria nos dois Carga Explosiva. Mais ou menos.

As vendas da BMW cresceram 12% após a primeira temporada; os episódios foram reunidos em DVD e cedidos aos compradores ou vendidos via Internet [exceto The Follow, que Forest Whitaker havia filmado com a condição contratual de ser exibido apenas online, proibindo outras mídias].

Em 2004, a BMW e a editora Dark Horse Comics planejaram uma série em quadrinhos com o herói The Driver que duraria uma série de seis números, mas apenas quatro foram produzidos, escritos por Kurt Busiek, Bruce Campbell, Katsuhiro Otomo [de Akira] e Mark Waid.

Continuar lendo

Ratatouille

Pôster de Ratatouille

Pôster de Ratatouille

Momento confessional: eu nunca me considerei parte do pessoal que detesta o cinemão hollywoodiano só porque é norte-americano, que idolatra filmes cabeuça europeus e asiáticos e desdenha animações da Disney ou da Pixar – porque me divirto com cinemão e animações, e filme cabeuça só em doses homeopáticas que é pra não me pôr em mais crises existenciais do que sou capaz de superar.

Também na contramão, eu achei Ratatouille [Ratatouille, EUA/2007]apenas legalzinho – mas um legalzinho plus, acima de Sem Reservas. Não consigo pôr o dedo no que foi que aconteceu, no entanto…

Não deve ter sido a tática da antropomorfização [eita palavrão], caus que isso me engana direitinho desde, xeu ver… o Mickey? Os ratinhos da Cinderela? Em todo caso, é logo no comecinho do filme que me pego questionando a intenção do roteiro, quando o rato Remy declara sua admiração pelo Homem e a forma como ele emula comportamentos e ações humanas.

Como disse o fabuloso Maurício, era só uma história sobre pessoas e ratos. E a parte difícil era diferenciar as pessoas dos ratos. (O Fabuloso Maurício e Seus Roedores Letrados, Terry Pratchett, Ed. Conrad, pág. 9)

Continuar lendo

A Festa de Babette

Pôster do filme

Pôster do filme

Quando o filme A Festa de Babette [Babette's Feast ou Babettes gæstebud, França e Dinamarca/1987] foi lançado eu era uma chatolescente pentelha, mas fui assistir apenas há algumas semanas; não sou mais adolescente, apenas continuo pentelha.

Xeu só deixar uma coisa bem clara antes de continuar: eu gostei do filme. Não entrou na minha lista de TFF mas assistiria de novo eventualmente, sem problemas. Esclarecido isso, voltamos à nossa programação normal [chata].

A primeira parte da história é dedicada a construir o panorama da vila pesqueira na Jutland dinamarquesa no século 19, uma comunidade estrita comandada por um pastor protestante que fundou sua própria igreja, formada por normas rígidas disfarçadas sob um véu de caridade para os pobres.

Continuar lendo

A Bússola de Ouro – Filme

Eu queria paixonar de novo num filme de fantasia adaptado dos escritores ingleses igual quinem paixonei no Senhor dos Anéis, quando coloquei o DVD de A Bússola de Ouro [The Golden Compass, EUA e Inglaterra/2007] pra rodar – e esta é a única comparação que faço entre a trilogia de Tolkien e a de Philip Pullman. Palavra de Batata.

Vam’começar pelo lado bom: os efeitos especiais são fantásticos! Não dá pra apontar o que é CGI e o que é elemento real nas cenas, desdas locações até – e especialmente – os daemons, os animais que representam a alma das pessoas naquele universo paralelo. A escolha das vozes dos daemons é outro ponto positivo: Freddie Highmore [o Charlie da nova Fantástica Fábrica de Chocolate] tornou Pantalaimon mais crível do que sua contraparte humana; Kathy Bates combinou sua daemon Hester ao cowboy aeronauta Lee Scoresby de Sam Elliott assim como Kristin Scott Thomas, que eu acho tão chique, só podia ser a voz de Stelmaria, a daemon de Lord Asriel. A escalação das vozes dos dois ursos de armadura inimigos também entra na conta: Ian McKellen como Iorek Birmison e Ian McShane [a voz do Capitão Gancho em Shrek Terceiro] como Ragnar Sturlusson. Perfeitos.

Serafina Pekkala: There are many universes and many Earths parallel to each other. Worlds like yours, where people’s souls live inside their bodies, and worlds like mine, where they walk beside us, as animal spirits we call daemons.

Continuar lendo

Box Speed Racer completo

O anime Speed Racer vai sair em DVD com todos os 52 episódios!

*Cataploft*

A California Filmes está colocando no mercado cinco DVDs com uma dublagem nova [a antiga perdeu-se no tempo], mas será que vai ter a opção original com legendas? No site não falam nada.

O vol. 1 está previsto para 16 de julho com os episódios:
1. O Grande Plano I
2. O Grande Plano II
3. O Mascarado I
4. O Mascarado II
5. Motor Secreto I
Continuar lendo