GP Spa

Lemyr Martins, em coluna da Quatro Rodas, fala sobre o fim de uma era na F1: a saída do calendário do GP da Bélgica. Para quem não liga o nome à pessoa é Spa Francorchamps, lesado.

É lamentável, porque, se havia uma unanimidade entre os pilotos, essa era Spa-Francorchamps. Todos concordavam que o circuito belga era o mais prazeroso de pilotar. Não negavam que era perigoso. Nenhum admitia ter medo, embora muitos chegassem ao pavor.
[…]
… é a [curva] Eau Rouge que gradua os pilotos. Só os grandes a fazem com o pé embaixo. A Eau Rouge separa duas montanhas e seu vértice fica entre o fim de um trecho descendente e o início de uma subida forte. O italiano Riccardo Patrese, 256 GPs de F-1, garantia que “as bolas subiam na garganta” quando o carro atingia o ângulo da Eau Rouge.

Cada vez menos interessante sair da cama domingo de manhã…

Anúncios

Crá!

Saudade do tempo que eu tinha gatos. Pelo menos espantariam as maritacas que comeram toda a fiação da parabólica e com isso provocaram um curto no receptor.

E me deixariam dormir até depois das 5 da manhã…

Maritacas estúpidas! Por que não vão migrar pra Patagônia de uma vez??

Alta velocidade

Falar em corrida me lembra que assisti aquele filme com o Stallone, Alta Velocidade, Velocidade Máxima, Alta Velocidade Máxima ou coisa assim.

Vale a pena só pelas referências, porque o filme é ruim de dar dó… Tem lá o Chip Ganassi, o Jean Alesi, Michael e Mario Andretti, os brasileiros quase todos [Fittipaldi, da Matta, Roberto Pupo Moreno, Gugelmin]. Dizem até que Gugelmin foi o consultor técnico do filme. Esses apareceram como eles mesmos, sem contar os personagens que faziam referência a alguém real das F1 e FIndy/Cart.

Continuar lendo

Perdeu, preibói

A luz acabou no meio da sua tese de faculdade? Calma, isso não é trabalho perdido.

Trabalho perdido é ser um cirurgião plástico, casar com uma égua de raça, com uma boa matriz nas suas palavras, fazer uma dúzia de operações na esposa – inclusive uma covinha [!!] no queixo – ser assassinado no portão de casa e ver a mulher aparecer em todos os canais de TV no horário nobre parecendo uma travesti.

E se esgoelando e chorando porque “tinha acabado de aumentar a mama”.

Ou seja, além de fazer mal-feito nem teve tempo de *apreciar a obra*.

Isso sim é trabalho perdido…