Mundo sem fronteiras, Brasil dentro

Comentário ouvido ontem:

– Isso é que globalização! Churrasco com sushi, farofa, salada de macarrão…

E ele nem considerou as próprias pessoas presentes; tinha descendente de português, de alemão, de negro, de japonês, de italiano assistindo o jogo entre dois países formados pela mistura de etnias. Eu gosto muito disso.

Tanto que os dois filmes que assisti no feriado refletem um pouco dessa globalização. O primeiro foi Crash – No limite. Continue lendo

Read

Tentei, juro que tentei, nem ler as entrevistas que a tradutora brasileira da série Harry Potter concedeu ano passado, após o lançamento do sexto livro HP & the Half-Blood Prince [HP e o Enigma do Príncipe]. E consegui, num consegui?, com algum sucesso – até hoje. Quando abri a caixa de emeios e deparei-se-lhe com isto [cuidado, pode conter spoilers] tive que desabafar. O que vem daqui pra frente é, portanto, apenas minha opinião pessoal; vou usar trechos da entrevista para comentar em ordem aleatória, sem adiantar grandes revelações da história para quem inda não leu nenhum livro [sim, eles existem, hua].

P: A senhora acha que a preferência de parte do público por manter os nomes no original está ligada à influência do inglês no nosso dia-a-dia e um sentimento de nação colonizada?
R: Tenho a impressão de que as pessoas que insistem nessa tecla não perceberam que o Harry Potter e a pedra filosofal foi escrito para crianças de 7-12 anos que não sabem inglês suficiente para entender o humor que os nomes contêm.

Continue lendo

De rodas, bolas e bolhas

Um brasileiro vence a corrida no Texas, consolidando a primeira colocação no ranking da IRL e não tem notícia em nenhum dos grandes portais. O mundo é uma bola umbigal. Que seja, o berro que dei quando Sam Hornish Jr. deixou o motor morrer no último pit stop foi bem parecido com o que dei no gol de Drogba contra a Arrentina: era a falta de sorte que atingiu Helio Castroneves em Indianapolis fazendo uma visitinha ao Hornish [sou só eu ou mais alguém pensa besteira quando vê o nome do cara?].

Na IRL também tem a equipe Super Aguri [até onde eu saiba os pilotos não vestem a cueca por cima das calças] e, para manter a tradição, eles também contam com um kamikaze ao volante: o nome deste é Kosuke Matsuura e é totalmente pinel. Ele deu um totó no Vitor Meira que deixou a marca da roda estampada na lateral do carro do brasileiro. Corre o bastante para ser competitivo, só que é um perigo pra quem está do lado. Ou atrás. Ou na frente. Não demora muito e vai ter a licença para dirigir cassada igual quinem o Yuji Ide. A Super Aguri não aprende e já arranjou outro maluco pro terceiro carro que disputa a F1. Por que é que eles não desistem e ficam só no que são bons?

Continue lendo

Sexta tecnocientífica

BlueBus: “Pesquisas recentes mostram que um dos próximos objetos a sumir das nossas vidas será o relógio de pulso, aquele mesmo que vem dominando a cena desde que Cartier desenvolveu o primeiro modelo, inventado por Santos Dumont, em 1904.”

Não uso relógio desde antes do advento do celular. Anturdia vi uns fofíssimos, mas resisti bravamente: não vou usar mesmo.

MSN: “Que tal dar uma volta de teste em um carro movido a hidrogênio, a última novidade em tecnologia de combustíveis, e ainda ter a sua opinião levada em conta pela fabricante?”

Continue lendo

CSI-like

Terra: “Estudantes de criminologia da Flórida trabalhavam em uma falsa cena de crime quando encontraram um cadáver de verdade. Os alunos pensaram, inicialmente, que o homem encostado na parede fosse parte do “cenário” preparado pelos professores.”

Teve um episódio da segunda temporada *muito* parecida com isso, Burden of proof. Passou não faz muito tempo na aberta.

Baka!

Depois da estréia de FullMetal Alchemist na RedeTV [infelizmente num horário que não posso acompanhar], a Band traz OKTV a partir do próximo sábado, das 8h às 8h30 da manhã – por sorte num horário que posso assistir.

“O programa é apresentado por Kendi Yamai (ator) e Mário Ikeda (radialista), dois amigos, descendentes de japoneses que chamam a atenção pela descontração. A idéia deles é criar um link entre os dois países… E aproveitam para derrubar estereótipos.”

Made in Japan: “Uma vaca tentou fugir de um matadouro em Yokkaichi (Mie) no último domingo, atacando um funcionário e impulsionando uma perseguição envolvendo vinte policiais em viaturas e outros seis trabalhadores do estabelecimento.”

Continue lendo

Desmotivação

Quando um funcionário público usa da sua posição para obter vantagens, como aquele juiz que fez um casal descer do avião para que ele e a esposa não precisassem aguardar o próximo vôo, a sociedade se revolta.

Quando um funcionário público usa de sua posição para escapar de punições, como deputados e senadores e sua imunidade parlamentar, a sociedade se revolta.

Quando filhos de autoridades usam seu parentesco para obter vantagens ou fugir de punições, o famoso “você sabe quem é meu pai?” ou “você sabe com quem está falando?”, a mesma coisa.

A isto chamamos prevaricação.

A gente costuma se revoltar contra a carteirada quando ocorre numa esfera superior e nos prejudica diretamente, mas faz vista grossa quando acontece mais perto. Quando uma pessoa usa sua “amizade” conveniente com o dono da empresa para atropelar a fila de espera ou para obter descontos.

A isto eu chamo de falha de caráter mesmo. Pode parecer normal, pode parecer mixaria, mas para mim tá no mesmo nível que os outros [maus] exemplos acima. Eu fico fisicamente doente quando me deparo com casos assim, a ponto de vomitar – e não digo no sentido figurado. Acabo por criar asco da pessoa que usa desses expedientes, antipatia indelével.

Feliz ou infelizmente sou exceção, portanto acompanhemos este mundinho maravilhoso continuar a girar.

Time of our lives

olho-amarelo.gifA boy band lírica Il Divo ficou responsável pela canção-tema da Copa 2006, na Alemanha, com Time of our lives. O videoclipe mostra cenas de partidas antiiiiigas [tem até Pelé e, imho, um resgate justo da seleção de 82 representada por Sócrates] enquanto os quatro encaram o decote de Toni Braxton, boquiabridos [e quando as primeiras quatro violinistas desceram a arquibancada pensei que iam juntar as musicistas-modeletes também, mas não chegou a tanto]. Eu só achei dúbia a inclusão do gol de mão do Maradona em 86, mesmo tendo como gran finale do clipe o capitão Carlos Alberto levantando a Jules Rimet em 70 [pelo menos acho que era ele... nessa época eu era recém-nascida].

Continue lendo