Manchete engraçadinha

Capa do suplemento Paladar no Estadão de hoje:

Como transformar um vegetal insípido, sem personalidade, coadjuvante da canja e da salada [que, além disso, ainda tem cor de comida de hospital] em 20 receitas tão saborosas, e tão deliciosas, que nem parecem feitas com um ingrediente sem graça, pouco apetitoso e quase irrelevante [cujo nome não tivemos coragem de escrever na capa do caderno]

Dona mãe ficou indignada, esse vegetal é o chuchuzinho da mamãe, preferido dentre todos. Cá entre nós, eu gosto muito da conserva [suuzuke] que ela faz daquilo. E só.

A Festa de Babette

Pôster do filme

Pôster do filme

Quando o filme A Festa de Babette [Babette's Feast ou Babettes gæstebud, França e Dinamarca/1987] foi lançado eu era uma chatolescente pentelha, mas fui assistir apenas há algumas semanas; não sou mais adolescente, apenas continuo pentelha.

Xeu só deixar uma coisa bem clara antes de continuar: eu gostei do filme. Não entrou na minha lista de TFF mas assistiria de novo eventualmente, sem problemas. Esclarecido isso, voltamos à nossa programação normal [chata].

A primeira parte da história é dedicada a construir o panorama da vila pesqueira na Jutland dinamarquesa no século 19, uma comunidade estrita comandada por um pastor protestante que fundou sua própria igreja, formada por normas rígidas disfarçadas sob um véu de caridade para os pobres.

Continue lendo