Planilha Organizadora

Para quem planeja assistir à transmissão do Oscar no domingo [eu! eu aqui, ó!] e é meio control freak [eu de novo, oi!] aqui nesse site tem uma planilha de Excel prontinha pra baixar e imprimir, com todos os indicados de 2009.

81th Academy Awards – 22/02/09 [domingo]

Countdown
16h~20h E!

Red Carpet
20h~22h E!

Pré-Show
21h~22h TNT

Academy Awards
22h~2h TNT

After Party
2h~4h E!

Rola a bola

Treinamento

Treinamento

“Sinais!”, diria titio Pablo Conejo. Eu gosto de coincidências.

Estava a ler um artigo bem interessante do Felipe Munhoz no Pelé.Net com o título Jogadores seguem na contramão nacional e conciliam estudos com futebol. O tema é a comunidade de jogadores de futebol que não se satisfaz com apenas jogar bola, mas também investe na própria educação. Uma comunidade ainda minúscula, infelizmente, como se percebe nas entrevistas de beira de campo: a maioria não consegue se expressar com fluência e apela pras fórmulas prontas da arte de não dizer nada que os comprometa.

Uma das pessoas entrevistadas para o artigo foi Suzy Fleury, especializada em psicologia do esporte. Ela diz que um técnico formador pode ajudar a mudar esse estado das coisas, alguém como Telê Santana.

“Esta figura sumiu neste cenário. O Telê (Santana) se preocupava com a formação do craque, mas também cuidava da formação do homem. Esta função não está mais sendo executada pelos técnicos.”

Um pode dizer [como, aliás, efetivamente disse em entrevista] que isso é tarefa da família, no máximo do clube, não do técnico – que, ademais, não permanece muito tempo num mesmo clube. Telê pôde fazer isso porque era um caso raro de técnico estável.

Aí eu pergunto: e no Brasil, onde o esporte é usado como um modo de fugir justamente das condições sociais que afetam criança ou jovem e que incluem, muitas das vezes, uma família desestruturada ou sem condições de prover a sua educação, comé que faz? Ninguém assume a responsabilidade?

E você questiona: ondé que tá a tal da coincidência, Titia Batata?

Tá bem aqui num poste do blogue À Cata de Palavras, da Adrina, a respeito do comercial mais recente da série Rala que rola [Take it to the next level] da Nike, que eu li logo em seguida.

V. vídeo no Youtube.

A peça mostra o treinamento de jovens jogadores a partir do “toque da alvorada” até o “toque de recolher”.

Gravado na Espanha e em São Paulo, o vídeo possui ritmo intenso e muita ação. Com um jogo de câmera pulsante, ele retrata a importância do esforço na preparação física e nos treinos para se alcançar o sucesso na carreira esportiva.

A assinatura Rala que Rola também remete que atualmente, não basta aos jogadores terem apenas talento e habilidade, é necessário ralar para atingir os objetivos no esporte. [Futebol do Interior]

Sim, sim, tudo isso está bem. O que incomodou a Adrina [e a mim também, a propósito] foram os tapas na cara. Tapa na cara não forma caráter.

Casais de novelas

Desde sábado tou com essa idéia de post na cabeça esperando pra sair, desde aquele um dos casais de cinema: os casais de novela que acho mais fofinhos. A representatividade é pouca, como se percebe, caus que só tem novela dos anos 80 na minha lista, a época em que eu as assistia inteiras – ou quase.

Então aqui estão meus Top10 de momento.

5. Ana Machadão e Thiago – Débora Bloch e Edson Celulari
A mecânica e o bailarino, em Cambalacho. No começo eu torcia para que conseguisse dobrar o superficial Athos, mas depois passei a torcer pelo Thiago. O segundo casal favorito dessa novela era formado por Naná e Jejê [Fernanda Montenegro e Gianfrancesco Guarnieri], os cambalacheiros.

Link http://www.youtube.com/watch?v=Qr63Qa9ZIhY

Continuar lendo

Casais de cinema, TV e fora da tela

Diário de uma paixão

Diário de uma paixão

O site norte-americano Fandango.com realizou uma enquete perguntando quais os melhores casais do cinema nos últimos 25 anos, e quais os casais que não combinavam. O resultado foi divulgado no início de fevereiro como parte das comemorações do Dia dos Namorados (Dia de São Valentim).

O editor do site Chuck Walton explica que “os casais mais sexies criam uma eletricidade que pula das telas, mas alguns dos casais mais desparelhados fazem o espectador desejar pular para fora do cinema.”

O primeiro lugar ficou com o par romântico interpretado por Rachel McAdams e Ryan Gosling no filme Diário de uma paixão (The Notebook, EUA/2004) – que viriam a namorar na vida real. Seus personagens foram interpretados pelos atores Gena Rowlands e James Garner na fase adulta. O filme foi dirigido por Nick Cassavetes, filho de Rowland com o ator e diretor John Cassavetes.

Veja também uma lista de atores de namoraram depois de contracenarem juntos no cinema.

O casal Brad Pitt e Angelina Jolie, escolhidos pior casal segundo matéria da Folha citada em 11/02/09 por seus papéis em Sr. e Sra. Smith [Mr. & Mrs. Smith, EUA/2005], ficou logo atrás na lista de melhores do Fandango. Pitt voltou a aparecer em nono lugar, ao lado de Geena Davis em Thelma & Louise [idem, EUA/1991].

Já na lista de piores casais os destaques são Jennifer Lopez e Woody Allen, com duas aparições cada [embora não juntos, senquisgóde!].

Top10 casais mais sexies
Continuar lendo

Na riqueza ou na pobreza, na saúde e na doença

A familia Gosselin

A família Gosselin

Na semana passada estava a assistir a chamada engraçadnha da Sony [eles acham], no auge da TPM. Aquela que o casal de locutores diz: “Oi, você ligou para a casa da Fulana e do Rafa.”

Voz do Rafa: “Não podemos atender porque estamos nos preparando para as novas temporadas de Saturday Night Live, Worst Week e mais uma série de machinho.”

Voz da Fulana: “O quêee? Nesta casa só assistiremos Desperate Housewives, Kath & Kim e outra série de mulherzinha”, entremeado pelo “mas… mas… mas…” do marido.

Sim, eu tenho problemas de memória mas, desconsiderando o fato que acho as chamadas engraçadinhas da Sony totalmente sem-graça mesmo em condições normais, essa me lembrou de Jon e Kate +8, o reality que mostra o cotidiano de uma família com oito filhos [duas gêmeas de 6 e sêxtuplos de 2 anos].

Vi uns dois ou três episódios e abandonei, de raiva da Kate, do jeito que ela trata o marido Jon. Parece que vive numaTPM constante, é ríspida o tempo todo, grita com ele, trata com desprezo até. Quando ele quer fazer um carinho ela o afasta com força e diz “não, hoje não!”. Cada episódio tem um momento testemunhal em que os dois, juntos, conversam com a câmera sobre o que aconteceu durante a semana. Quando ele reclama do jeito que ela o trata, Kate faz cara de surpresa e diz “mas eu te amo”. Grandes b*stas falar uma coisa e demonstrar outra, né?

Lembrei disso agora porque vi ali nos livros recentes do Skoob que ela escreveu dois livros sobre a experiência de ter oito filhos pra cuidar – e Deus deve saber o que faz, porque as crianças são as mais fofas éva.

E eu queria compartilhar a minha TPM contigo. :)