Botulismo

Publicado originalmente n’A Casa Torta

– (…) Estava convencido de que a morte de Mrs. Jones fora causada pelo botulismo. A ceia, naquela noite, consistira em lagosta enlatada, salada, bolo confeitado, pão e queijo. (Agatha Christie, Os treze problemas, Nova Fronteira, pág. 13)

“Não dê mel aos bebês” é uma das regras que fazem parte da lista de coisas que você deve saber (como “não misture amônia com cloro” e “não use areia de praia para fazer concreto”) e que precisam de mais divulgação porque são muito importantes.

A palavra botulismo descreve um tipo de intoxicação. Uma classe de bactérias chamada Clostridium botulinum que cria uma proteína chamada toxina botulínica, e essa proteína é a causa do botulismo. A toxina botulínica invade as células nervosas estimulantes no lugar em que elas se encontram com as fibras musculares e bloqueia essa ligação para que nenhum sinal consiga passar. O resultado é a paralisia, e em casos graves ela imobiliza o paciente completamente e pode levá-lo à morte.


As bactérias do botulismo são comuns na natureza, mas são mortas pelo oxigênio. As bactérias, portanto, formam esporos que as protegem do oxigênio, e esses esporos são ativados assim que entram em ambientes livres de oxigênio. A maneira mais comum de desenvolver botulismo é por meio de ingestão de comida enlatada inadequada. Assim que a lata é fechada, cria-se um ambiente livre de oxigênio. Depois, a lata é aquecida e, se isso for feito adequadamente, os esporos morrem. Se ela, no entanto, não for aquecida de maneira adequada, os esporos são ativados na lata fechada e a enchem de toxina. Como a toxina botulínica é uma proteína, o aquecimento irá destruí-la. Se a comida enlatada for ingerida fria, o botulismo se desenvolve.

Os bebês desenvolvem botulismo por meio da ingestão de mel de uma maneira diferente. As abelhas costumam coletar esporos de botulismo enquanto coletam o néctar, e os misturam ao mel. A maioria das pessoas pode ingerir esses esporos sem problemas porque possuímos bactérias em nossos intestinos e sistemas imunológicos saudáveis que eliminam os esporos. Os bebês ainda não possuem essas defesas. Então, quando um bebê come mel, os esporos se encontram em um intestino livre de oxigênio e entram em ação. Eles produzem a toxina enquanto estão dentro do bebê.

Sintomas
Os sintomas da intoxicação pela toxina botulínica normalmente aparecem entre doze e trinta horas depois da ingestão do alimento contaminado. Alguns deles:

. aversão à luz
. visão dupla com dilatação da pupila
. disfonia, dificuldade para articular palavras
. vômitos e secura na boca e garganta
. disfagia, dificuldade para engolir
. paralisia respiratória que pode levar à morte
. constipação intestinal
. retenção de urina
. debilidade motora

Diagnóstico
O diagnóstico clínico é feito pelos sintomas: paralisia muscular progressiva, iniciando-se pela face, ptose palpebral (fecha a olho), dificuldade de deglutição, visão dupla. Os sintomas progridem pela musculatura, causando dificuldade motora e de respiração. Os sintomas podem se confundir com doenças nervosas e diversas intoxicações, como por pesticidas, o que as vezes retarda o tratamento.

O diagnóstico laboratorial é feito através da detecção da toxina no paciente ou no alimento, através da injeção em ratos.

O diagnóstico precoce é fundamental para deter a evolução da doença.

Tratamento
É uma emergência que requer administração de anti-toxina (antídoto) imediata. Se o doente apresenta déficit respiratório deve ser usada uma máquina de respiração artificial até a paralisia terminar, o que pode demorar alguns dias. São usados enemas para remover todos os restos de comida contaminada ainda não absorvidos do intestino.

Se possível deve ser dado a anti-toxina específica. Caso não identificada, é administrado o soro polivalente. A anti-toxina neutraliza apenas a toxina circulante, isto é, aquelas que já se ligaram aos nervos não é afetada. O tratamento, se tardio, pode não funcionar. Por isso é importante o diagnóstico precoce. A toxina ligada aos nervos permanece por longo período, mantendo os sintomas. A pessoa pode permanecer com sequelas nervosas por um longo período.

Notificação
Apesar de não estar incluído na Lista de Doenças de Notificação Compulsória, todos os casos devem ser informados às autoridades de saúde por se tratar de agravo inusitado, que deve ser investigado para a adoção de medidas de prevenção, em particular alerta à vigilância sanitária para apreensão de alimentos.

Medidas de Controle
a) Vigilância sanitária: do processo de industrialização e preparação de alimentos enlatados e em conserva.
b) Educação para saúde: orientação das pessoas que se dedicam à preparação de enlatados e conservas caseiras quanto às técnicas de conservação (tempo, preparo e temperatura adequada para destruição dos esporos). Informar à população sobre o risco de consumo e aquisição de alimentos em latas com tampas estufadas, ou com odor rançoso, que não podem ser ingeridos.
c) Desinfecção concorrente: alimentos contaminados devem passar por ebulição antes de serem descartados. Eliminação sanitária das fezes de lactentes doentes. Desinfecção terminal.

Fontes:
Guia Brasileiro de Vigilância Epidemiológica
Hospital Santa Lúcia – Brasília/DF
How Stuff Works
Wikipedia

Anúncios

11 comentários sobre “Botulismo

  1. Sempre que eu leio algo sobre botulismo lembro de um livro chamado “Guia do homem solteiro”, da filha do Alessandro Porro (esqueci o nome dela, agora). O livo é divertidíssimo, e lá pelas tantas ela fala pro solteiro seguir o que a mãe dele sempre falou: jamais comer direto da lata. Aí tinha um asterisco pro pé de página:

    “* Se você ainda acha besteira, vide “botulismo” no dicionário mais perto de você.

    Saudade, moça!

  2. Eu sou absolutamente paranóica com essa questão do botulismo. Até hoje, dou mel ao filhote meio insegura. E só dou pouquinho. rs

    Agora, o que não entendo, é as pessoas sabendo da gravidade dessa doença, vendem produtos perecíveis em caçambas de caminhão, debaixo de condições climáticas adversas (sol intenso, calor, etc) e o pior, pessoas compram iogurte, embutidos, enlatados, etc sem medo.

    Aqui no Rio acontece isso direto. E outro dia, vi uma matéria em um telejornal mostrando o mesmo na rua 25 de março em Sampa. o.0

  3. Lembrei do caso dos palmitos!
    Os que são acondicionados em vidros.
    Aliás, não só os enlatados, os de conserva de modo geral, como bem lembrou no post.
    Houve campanha, para que todos fossem aferventados, antes do consumo.

    Até hoje não como palmito em saladas!
    Nóia! Purinha!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s