[TrueBlood] New World in My View

O Deus Cornudo

O Deus Cornudo

[Marjorie M.] Liu, autora das séries Dirk & Steele e Hunter Kiss, diz que o [gênero] romance sobrenatural “é a respeito do empoderamento feminino. Abrigos para mulheres vítimas de abuso costumam distribuir esses romances, e há uma razão para isso. Heroínas que matam demônios e caçam vampiros – elas são garotas duronas.” [Philadelphia Inquirer, 02/08/09]

O artigo de John Timpane não se estende muito sobre o tema do empoderamento, é mais uma espécie de apanhado da nova onda dos livros, filmes e shows de TV. Entretanto, este trechinho que serviu de introdução ao post tem a ver com o décimo episódio de True Blood na medida em que Sookie e Jessica tomam o controle das coisas em suas mãos.

Antes de continuar, cê tá sabendo que não haverá exibição de True Blood na véspera do Labor Day [7 de setembro], né? O penúltimo episódio será transmitido no próximo domingo, 30 de agosto, e então teremos de esperar duas semanas para acompanhar a season finale no dia 13 de setembro – ou 31 de agosto e 14 de setembro no meu caso, caus que sempre aguardo o rmvb legendado sair pela FangTeam.

A partir deste ponto há spoilers. Imagem não é nada. Sede é tudo. Obedeça sua sede

Com a segunda temporada já se encerrando – e o Dallas affair resumindo-se a uma citação de uma frase na fantasia de Sookie [“Godric is gone”] – finalmente me caiu a ficha que o arco da MaryAnn foi o arco principal neste ano, por menos que eu goste da ideia. Acho que a situação de Dallas renderia bons debates pelo caráter político envolvido e pela própria personalidade e dilema moral de Godric. O produtor e os roteiristas tiveram oportunidade de dar um rumo complexo para a série, e no fim optaram por privilegiar uma subtrama confusa, superficial e bagunçada.

MaryAnn é uma mênade, um ser mitológico dedicado ao deus Baco [ou Dionísio dos romanos, aqueles copiões]. As mênades alcançavam um “estado de êxtase absoluto, entregando-se a desmedida violência, derramamento de sangue, sexo, embriaguês e autoflagelação” [via Wikipedia]. Este ser tem origem nos antigos mitos gregos, mas na série há uma confusão total com símbolos egípcios, entidades pagãs do norte europeu, Wiccans, e até cristãos. A última foi a paçoca obtida com o emaranhamento de Pã, Deus Cornudo e Satã numa coisa só.

Em favor da Charlaine Harris, xeu dizer que no livro as características clássicas da mênade [e a sua motivação] foram respeitadas.

Sookie, Jason e Bill retornam a Bon Temps. A cidade está em caos e quase toda a população dominada controlada por MaryAnn. As exceções são Sam e Andy, entocaiados para evitar a multidão que deseja levar Sam como oferenda, e Lafayette e Lettie Mae, que conseguiram resgatar Tara. Oh, e Hoyt, que está tendo um tempo difícil para manter sua mãe em segurança na casa de Bill, ajudado pela Jessica.

Lettie Mae: Louvado seja o Senhor, ó minha alma e tudo o que há de bom em mim. Louvas o Seu nome sagrado e não esqueças de todos os Seus benefícios, que perdoa tuas iniquidades…
Lafayette: … que cura todas as tuas doenças, que redime tuas vidas da destruição. Aleluia, Deus. *
[Lettie Mae olha Lafayette com surpresa.]
Lafayette: Jesus e eu concordamos em ver outras pessoas, mas isso não quer dizer que a gente não se fale de vez em quando.

* Salmo 103.2

Morra, morra, morra!

Eu vou explodir e abrir seu crânio, desgraçado!

Pobre Jessica, ninguém merece uma sogra igual à Maxine Fortenberry. Ela já é uma pessoa cheia de ódio e preconceito no estado normal, imagine sob influência de mênade… Mas eu ri muito quando o Hoyt revelou que ela se distrai com o Wii do Vampiro Bill e quando ela deu em cima do Jason.

Juntando as informações de Hoyt, Jess e Lafayette, Sookie descobre que outros casos de ataque da criatura da floresta foram reportados, que MaryAnn é a responsável pelo caos em Bon Temps, que ela quer pegar o Sam, que usucapiou a casa de Gran e a transformou num quartel-general de malvadezas. Tudo isso no curto espaço de tempo em que ficaram fora, em Dallas – não deve ter sido mais que quatro ou cinco dias, uma semana no máximo.

A esquadra de salvamento se divide: Jason, irritado porque o Merlotte’s teve uma nova garçonete que foi morta antes que ele pudesse comer [Daphne], vai ao resgate de Sam e Andy. Sookie e Bill vão para a casa dela confrontar MaryAnn.

As atitudes de Jason e Sookie nesses eventos alegraram meu espírito: eles foram mais fiéis às suas características dos livros. Jason é um cara corajoso que comete burradas, sim, mas é bom na essência, assim como Sookie – que é bem mais inteligente, esperta e independente.

E, pelo que vimos por um breve momento enquanto atacava MaryAnn para defender Bill, tem algo mais que ainda não sabemos o que é, nem ela. Um desdobramento já para a terceira temporada.

No entanto, uma característica da Sookie que é conhecida desde o primeiro livro e que é pouco aproveitada na série de TV reaparece na cena em que ela tenta resgatar Tara do abismo escuro que sua mente se transformou sob influência de MaryAnn: o amor.

Sookie: Conheço Tara a vida toda, mas todos os seus traços foram levados, substituídos. E pensei que os vampiros eram os únicos capazes de hipnotizar pessoas.
Bill: Sem ofensa, Sookie, mas os humanos são chocantemente suscetíveis a praticamente todas as formas de manipulação de pensamento.

I've got the power! Tchuree-tchu-tchu-tchuree...

I've got the power! Tchuree-tchu-tchu-tchuree...

Não a obsessão pouco saudável que ela sente por Bill, mas o amor puro. Anna Paquin mostrou nestes poucos segundos porquê ela fez por merecer o Oscar e o Golden Globe de interpretação.

Eu não vejo um prêmio sério de interpretação no futuro próximo do Stephen Moyer, porém… 😉

E cá estou de novo com um post de mas de mil palavras, quando planejei escrever pouquinho porque este foi um episódio-ponte, niqui não há um evento em si e sim a preparação do evento principal, embora tenha sido o episódio com  a maior audiência da série até agora.

Oh, bem.

Em todo caso, minha cena favorita desta vez não envolve Eric [que nem apareceu de verdade]: Jason e Andy resgatam Sam dos zumbis no Merlotte’s.

Link http://www.youtube.com/watch?v=9s8oiUUA2OI

E agora é aguardar a participação especial de Evan Rachel Wood no papel da Rainha da Louisiana, Sophie-Anne; mais Eric e Pam, segundo as fotos promocionais no site da HBO levam a crer e que a Sookie esmague a cabeça da MaryAnn com a frigideira da Gran até virar hamburguer de bitch.

Essa última parte é fantasia minha.

Setlist das músicas do episódio no site TrueBlood.Net

Posts relacionados
[TrueBlood] I Will Rise Up
[TrueBlood] Time Bomb
[TrueBlood] Release Me
[TrueBlood] Hard-Hearted Hannah
[TrueBlood] Never Let Me Go
[TrueBlood] Shake and Fingerpop
[TrueBlood] Scratches
[TrueBlood] Keep this party going
[TrueBlood] Nothing but the blood
Southern Vampires / True Blood

Anúncios

18 comentários sobre “[TrueBlood] New World in My View

  1. vc foi generosa com o episódio, que achei deliciosamente trash…kkkkkkk
    agora que vc falou tb acho isso… a históira da Maryan é a principal!!!!! affe
    adorei o Jason, o Terry, o Andy e o Sam, quanto a Sookie… sei lá gosto da atriz mas ela é tão diferente do que eu imaginava a personagem e não só fisicamente…
    quando ela incorpora a Maria do Bairro ao lado do Beeellll, só sinto tédio
    será que o Alan Ball acha q ser romantico é isso? ser meloso, e serem os perfeitos, donos das verdade, e da moral??? tô começando a me preocupar que pra o romance funcionar entre a Sookie e o Eric, eles vão ter ser essa melação toda…! não aguentarei
    não vejo a hora de ver a Rainha porém…
    nem comentei o episódio anterior…(fiquei emocionada de ter meu nome citado)
    pq fiquei meio hipinotisada pelo Alex/Eric, e não sei se podia ser coerente… enfim…

  2. Trash total! 🙂 eu gostei. adorei o jason “usando a cabeça”.
    Realmente esse arco da MaryAnn não era tão interessante quanto o de Dallas, mas ainda tem dois episódios e pode ser que fique melhor.
    O Lafayette é o melhor. 🙂
    A Jessica fez o que muita gente queria, morder aquele pescoço da mãe do Hoyt.
    So faltam 2. 😦

  3. Cá entre nós, eu acho o Stephen Moyer péssimo. O Bill já é mal escrito na série, e a interpretação capenga do Moyer não ajuda nadica de nada. Não sei como pode ter gente que o adora.

    Eu também gostei muito mais da Sookie neste episódio (embora aqueles vestidinhos dela ainda não me descem) e vibrei com a atitude do Jason.

    Quanto à Maryann eu estou muito decepcionada que a mulher (quero dizer, sua trama) tenha consumido tanto tempo de tela. Eu disse no episódio passado que me desempolgava a idéia de pensar que o restante da temporada seria centrado nela, e, devo confessar, estava bem sem vontade de ver o episódio dessa semana. Mas acabei vendo hoje e, embora tenha gostado, foi mais por conta do Sam (amo! amo! amo!) e da melhora na personalidade da Sookie, do que pelo episódio em si. (mas sempre me pergunto como a Sookie arruma tempo para fazer aqueles cachinhos….era tão mais natural o cabelo liso de rabinho da primeira temporada)
    Ah, e claro, é sempre bom ver Lafayette.
    E gostei bastante da Jessica e do Hoyt. Estou apreensiva. O que será dos dois agora? Será que ela vai realmente drenar a chata da mãe dele?

  4. Sede é tudo. Obedeça sua sede.

    E vc diz isso num cenario de vampiros?????????????????????

    ehheeheheheh

    Oh, acabei de ver o episodio e simplesmente não sei oq pensar.

    Esse clima de terror trash com o ataque da bruxa malvada foge do que eu esperava mas a serie ja se afastou tanto dos lviros….

    Desculpem ai, mas gosto do personagem do Bill , que teve uma melhora em relação a serie e gosto do ator tb. acho que ele ta fazendo um trabalho.

    E da mesma forma que não vimos o Godric original (adolescente, esturprador pedofilo arrependido e suicida) duvido que veremos a mesma rainha adolescente bissexual dos livros.

    • hahahahaha!! eu tento adequar a linha de aviso com o que acontece no episódio… tava pensando na jessica desta vez.
      😆

      ah, acho que optaram por elevar a faixa etária dos atores por causa do teor erótico e violento da série, será que não?

      • por outro lado, como optaram por tons claros e escuros na caracterização dos personagens – isto é, não há ambiguidade, ou são bons ou são maus – uma personagem bi para eles seria do time dos maus.

      • Com certeza, mas espero que ela mantenha a essencia da personagem, pq eu gostava da Anne Sophie, mas sei que isso era da visão que eu tinha dos livros.

  5. Pingback: [TrueBlood] Frenzy « Batata Transgênica

  6. Eu parei de acompanhar a série no momento em que percebi que o ator que interpreta o Jason ia acabar pegando uma pneumonia de tanto aparecer pelado em cena. Mas a Lisa assiste tudo e semana passada terminou de ler os livros.

    Então, obviamente, também estou sabendo de tudo, o suficiente para gostar mais do caminho que a trama seguiu nos livros, mas acho que isso se dá porque tendo acesso aos pensamentos da Sookie (no livro), tudo se torna mais claro e ela parece bem mais inteligente. A Sookie dos primeiros eps da 1ª temporada me parecia uma criatura muito salaminada.

  7. Pingback: [TrueBlood] Behind Here Lies Nothin’ « Batata Transgênica

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s