25 livros melhor adaptados no cinema

Uma Thurman e John Malkovich em As Ligações Perigosas

Uma Thurman e John Malkovich em As Ligações Perigosas

O britânico Telegraph elaborou uma lista com 25 filmes que saíram das prateleiras de livros e mantiveram sua credibilidade intacta. O título do artigo, no entanto, dá a entender que seriam os livros que renderiam as melhores adaptações cinematográficas. Eu fui pelo primeiro significado, até pelos comentários da autora Melissa Katsoulis para cada filme.

Como toda boa lista, há ausências e controvérsias.

Das ausências o que me lembro agora é de Como Água Para Chocolate [Laura Esquivel / Alfonso Arau], Testemunha de Acusação [Agatha Christie / Billy Wilder], Blade Runner [Philip K. Dick / Riddley Scott], Henrique V [William Shakespeare / Kenneth Branagh] e O Castelo Animado [Diana Wynne Jones / Hayao Miyazaki].

Das controvérsias comentei nonde de direito, na lista abaixo. 😉

1.Grandes Esperanças [Great Expectations, 1861] de Charles Dickens
David Lean, 1946

Estrelado por John Mills e Alec Guinness. Tem uma versão modernizada por Alfonso Cuarón com Ethan Hawle e Robert de Niro; não é essa.

2. O Morro dos Ventos Uivantes [Wuthering Heights, 1847] de Emily Brontë
William Wyler, 1939

A versão com Merle Oberon e Laurence Olivier. Eu fico muito dividida aqui, porque embora realmente tenha o clima gótico e a caracterização cruel dos personagens, o roteiro só considera metade do livro. E aquele final do produtor, adicionado à revelia do diretor, quase que f*de tudo. Mas comparado com a versão com a Juliette Binoche e Ralph Fiennes é bem mais fiel, mesmo.

3. O Sol é Para Todos [To Kill a Mockingbird, 1960] de Harper Lee
Robert Mulligan, 1962

Não li o livro ainda, mas Atticus Finch é um dos meus heróis. [E cara, que voz maravlhosa tem o neto do Gregory Peck, benza!]

4. Doutor Jivago [Doctor Zhivago, 1957] de Boris Pasternak
David Lean, 1965

Com Omar Sharif, Julie Andrews e Alec Guinness.

5. O Leopardo [Il Gattopardo, 1958] de Giuseppe Tomasi di Lampedusa
Luchino Visconti, 1963

Com Burt Lancaster e Claudia Cardinale e 205 minutos [também conhecido como “quase três horas e meia”]. Só li o livro, por enquanto.

6. O Silêncio dos Inocentes [The Silence of the Lambs, 1988] de Thomas Harris
Jonathan Demme, 1991

Posso estar enganada mas, pra mim, o filme é até melhor do que o livro. Qualquer dia eu releio pra tirar a dúvida.

7. As Ligações Perigosas [Les Liaisons Dangereuses, 1782] de Pierre Choderlos de Laclos
Stephens Frears, 1988

Onde foi mesmo que eu li a melhor definição pro John Malkovich neste filme? Algo na linha de “o feio mais sexy do cinema”…

8. À Beira do Abismo [The Big Sleep, 1939] de Raymond Chandler
Howard Hawks, 1946

Com Lauren Bacall e Humphrey Bogart.

9. 39 Degraus [The Thirty Nine Steps, 1915] de John Buchan
Alfred Hitchcock, 1935

10. Primavera de Uma Solteirona [The Prime of Miss Jean Brodie, 1961] de Muriel Spark
Ronald Neame, 1969

Com os pais de Toby Stephens, Maggie Smith e Robert Stephens.

11. Moby Dick [idem, 1851] de Herman Melville
John Houston, 1956

Tá na minha to-watch-list por causa da ponta do Orson Welles. Por enquanto só li o livro.

12. O Pior dos Pecados [Brighton Rock (O Condenado), 1938] de Graham Greene
John e Roy Boulting, 1947

Tem uma versão nova com a Helen Mirren e o Peter Postlethwaithe [que lóvo] a sair.

13. Drácula [Dracula, 1897] de Bram Stoker
Tod Browning, 1931

A versão com o Bela Lugosi, não vi ainda. Por enquanto só li o livro.

14. O Dia do Chacal [The Day of the Jackal, 1971] de Frederick Forsyth
Fred Zinnemann, 1973

Eu *acho* que tenho o livro em algum lugar…

15. Nada de Novo no Front [Im Westen nichts Neues / All Quiet On The Western Front, 1929] de Erich Maria Remarque
Lewis Milestone, 1930

16. O Império do Sol [Empire of the Sun, 1984] J. G. Ballard
Steven Spielberg, 1987

O filme não chega a ser um Top Favorito Foréva de Titia Batata, mas gosto dele. Tem um Christian Bale bem bom e o roteiro do Tom Stoppard.

17. Trainspotting [idem, 1993] Irvine Welsh
Danny Boyle, 1996

Dizem que o filme pega mais leve que o livro, imagine.

18. Apocalypse Now [Heart of Darkness (O Coração das Trevas), 1902] de Joseph Conrad
Francis Ford Coppola, 1979

Acho que é uma das raras modernizações na lista, né?

19. Onde Os Fracos Não Têm Vez [No Country for Old Men, 2005] de Cormac McCarthy
Joel e Ethan Cohen, 2007

20. Os Vestígios do Dia [The Remains of the Day, 1989] de Kazuo Ishiguro
James Ivory, 1993

Devem ter batido cabeça para selecionar apenas um Merchant Ivory…

21. O Iluminado [The Shining, 1977] de Stephen King
Stanley Kubrick, 1980

O irônico é que justamente o autor não achou que foi bem adaptado e fez uma versão que público e crítica detestaram, né?

22. Série Harry Potter [idem, 1997-2007] de J. K. Rowling
Chris Columbus, Alfonso Cuarón, Mike Newell e David Yates, 2001-2011

Hein?? Este é um exemplo perfeito de como uma adaptação pode ser literal e entretanto infiel ao espírito do original.

23. Tarde Demais [The Heiress / Washington Square, 1880] de Henry James
William Wyler, 1949

Pelas resenhas me parece uma modernização também.

24. A Lista de Schindler [Schindler’s List (Schindler’s Ark), 1982] de Thmas Keneally
Steven Spielberg, 1993

25. Série O Senhor dos Aneis [The Lord of the Rings, 1954-1955] de J. R. R. Tolkien
Peter Jackson, 2001-2003

Tem fã dos livros que não concorda mas, comparado com as adaptações de Harry Potter, não tem do que reclamar!

E tu, lembra de algum outro?

Posts relacionados
50 livros para ler a qualquer hora
Livros que viram filmes que vendem livros
Mil livros essenciais
Os 50 maiores vilões da literatura

Anúncios

37 comentários sobre “25 livros melhor adaptados no cinema

  1. Eu acho High Fidelity uma boa adaptação (mesmo tendo mudado de Londres para Chicago).

    A versão de 1939 de Wuthering Heights é muito superior a com o Ralph Fiennes, que chega me dá nó na barriga de tanta vergonha alheia.
    Vestigios do Dia é uma ótima adaptação! 🙂
    To Kill a Mocking Bird eu até acho um pouco melhor que o livro, o Gregory Peck arrasa.

  2. Acho Entrevista com Vampiro bastante fiel ao livro!

    Algumas adaptações dos livros de Jane Austen, como Orgulho e Preconceito, Razão e Sensibilidade, Mansfield Park e Persuasão também foram bem feitas no cinema!

    • deh, xeu te confessar: comecei a assistir e não consegui ir além da metade do filme. não por causa de como foi adaptado nem nada, mas pela própria história; eu tava numa fase em que a infelicidade alheia me atormentava.
      😆

      talvez um dia eu consiga assistir inteiro, ou ler o livro…

  3. Meus pitacos:

    2001, uma odisséia no espaço, que foi um marco, não sei se pode se chamar de uma adaptação do Kubrick ao livro do Arthur C. Clarke, já que o filme foi feito de comum acordo entre eles. O filme partiu de um conto, A Sentinela, do Clarke. Nesse caso, o livro foi escrito para explicar o filme, pode? Na época que foi lançado, jogavam sapatos na tela, em protesto. Eles passaram a distribuir folhetos explicando o filme. Não adiantou. Então o C. Clarke escreveu o livro, tentando explicar melhor a idéia do monolito. Aliás, C. Clarke é meu autor de Sci-Fi preferido. Ouvi dizer que o Morgan Freeman comprou os direitos da série Rama, mas ainda não fizeram nenhum filme, continuo querendo…

    Senhor dos Anéis? Bom, Peter Jackson “degustou” solenemente vários capítulos no final da saga, cê sabe, o expurgo do condato e tal. Mas, de qualquer forma, como adaptar 1000 e tantas páginas em papel e letra “bíblia” para a telona?

    1984 está de fora? Costumo dizer que o filme é bem fiel ao livro, infelizmente… deprime…

    O Drácula do Bela Lugosi é imperdível! Pode botar na sua lista, please.
    até hoje, ouso dizer que não vi um ator fazer um Drácula tão bem feito. O Christopher Saruman Lee tem seus méritos, mas igual al Lugosi, para mim, ainda não teve.

    39 degraus? Nossa, não vi esse ainda! Falar nisso, já viu Pacto Sinistro (The Rope)? Não? Bota aí na sua lista também!

    To Kill a Mockingbird – Uma obra de arte, do cinema. Não li o livro, mas o filme é fantástico! E quando se entende o motivo desse título (o original), o filme fica ainda mais forte.

    Falando em filmes, preciso fazer um post sobre o filme do 24 horas, que vi esses dias. 24 – Redemption. Trata-se de um elo entre a 6a, e a 7a. temporada do Jack Bauer. Se você acompanha a série, não deixe de assistir. Tem uns extras muito bons no dvd.

  4. Alice, eu discordo da adaptação de Entrevista com o Vampiro. Só para te dar uma idéia, o Armand é um adolescente de uns 15 anos, loirinho, magrelo e poderoso. Daí virou Antonio Banderas com uma peruca estilo Perla. não dá.

    • Eu tenho cá comigo a sensação de que odeio o Armand até hoje por culpa do Antonio Banderas. Mesmo depois de trocentos livros com ele. Ou pode simplesmente ser a personalidade irritante dele mesmo….não sei, hehehe.
      Mas acho Entrevista com o Vampiro bem adaptado. O espírito do livro está ali, o que mudou foi a idade dos vampiros (Lestat e Armand principalmente).

  5. Ayla – A filha do clã das cavernas.
    Gostei do livro, mas, o filme foi mais suave.

    As Brumas de Avalon.
    Nos 4 livros, magistral.
    Nos 2 vídeos, sensacional.

    O Diabo veste Prada.
    O filme foi dos melhores que já vi.
    Uma amiga me contou que o livro é mais denso, pesadão.
    Parece repeteco dos anteriores, né?!

    Uma mente brilhante.
    Filme bom, contundente.
    Uma amiga me disse que o livro é mais denso, pesadão.
    Repeteco-teco-teco rsrsrsrsrsrs

    Xica da Silva.
    Filmão.
    Novelão.
    Do livro, não sei, mas, Clodovil batia na mesma tecla. Dizia que a história dela era fantástica. De qual livro mesmo?!

    • Fala sério, Cássia! A adaptação de As Brumas de Avalon é uma vergonha. Quero dizer, como dois filmes até que foi legal, mas como adaptação dos livros foi vergonhoso. Não tenho nem coragem de reassistir…e olha que As Brumas de Avalon é o meu livro preferido desde os meus 8 anos de idade.

      • Jura que você não gostou, Mica?
        Eu senti essa sensação logo assim que vi Ayla.
        Primeiro eu fiquei indignada.
        Depois, fui entendendo que as adaptações por vezes valorizam ainda mais o próprio livro.

        No primeiro episódio de Californication, o escritor fica o tempo todo indignado com o filme que fizeram do best seller dele.
        No final, a filha dele explica para ele a visão dela.
        Só aí, ele entendeu a linguagem diferenciada.

      • gente, refresquem minha memória, plis…

        cês tão falando da versão com a julianne marguilies?

        quanto ao livro preciso reler qualquer dia. dei a edição da imago pra miha irmã mas fique tão distraída com os problemas de diagramação e revisão que a história em si não ficou registrada na minha cabeça.

      • Não posso reler As Brumas…já li 5 vezes cada um dos 4 livros. Se eu ler mais alguma vez, toda a magia vai pro beleléu, hehehe.
        Mas o filme é aquele com a Julianna mesmo. Eu não sou lá fã nº1 dela e amo a Morgana com todo fervor, então já viu como ficou a minha nóia com a personagem/atriz, né?
        Sem mencionar os atores que fizeram o Arthur e o Lancelot. Eu já odiava o Lancelot no livro, imagina depois de ser interpretado pelo Michael Vartan que eu não suporto. E fizeram do Lancelot louro e do Arthur moreno, enquanto no livro é o contrário.
        E toda a história parece meio distorcida. Perdeu o brilho do livro, a força das mulheres do livro, o impacto da Morgana, e principalmente, a dignidade especial do Gwydion (ok, forcei a barra, mas é que o Gwydion é o meu personagem preferido no livro….o que dá para perceber ao ver o meu e-mail ^_^).

  6. Achei que O Perfume, de Patrick Suskind, foi bem adaptado.
    O filme perde um pouco pro livro, mas isso é normal.

    Alta Fidelidade, de Nick Hornby, sofreu algumas mudanças, mas não prejudicou em nada a história.

    Vale série de TV? Orgulho e Preconceito, da BBC, com Colin Firth como Mr. Darcy. Perfeito. \o/
    Mas, Jane Austen deve ter se revirado no túmulo com o filme. Francamente, aquela Keira Boca Esquisita Knightley como Elizabeth Bennet? Nada a ver.

  7. O Morro dos Ventos Uivantes, de 1939, foi o melhor e mais fiel, até hoje.
    Li em algum lugar que Laurence Olivier queria que Vivien Leigh ficasse com o papel de Catherine.
    Perdeu Catherine Earnshaw e ganhou Scarlett O’Hara.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s