[TrueBlood] I Smell A Rat

Eric, Sookie e Pam no Fangtasia

Eric, Sookie e Pam no Fangtasia

Depois do episódio ótimo da semana passada eu já esperava uma certa queda na qualidade no décimo e antepenúltimo da temporada – só não contava que fosse despencar tanto. A dispersão em vários subnúcleos foi um expediente interessante no início mas acabou perdendo sua força no final: algumas tramas e personagens que poderiam ser melhor construídas e desenvolvidas se perderam no meio do caminho. Em alguns casos há a possibilidade de que sejam retomados [caso dos Weres, já que Manganiello foi efetivado no elenco fixo], outros tiveram os mesmo tratamento displicente dedicado ao plot de Dallas na temporada passada.

A partir deste ponto há spoilers.

Um que eu pessoalmente considero dispensável é o que envolve Sookie Stackhouse, seus ancestrais, seus relacionamentos afetivos, sua condição genética e tudo mais que se relaciona à personagem. Desculpaê. Ela resumiu meus sentimentos muito bem: “Eu sou uma fada? Que tosquice f*dida”. Mas tosco ainda, meu bem, é o Bill contando que um fada copulou com um ancestral dela, que eles faziam isso sem o consentimento do parceiro humano. Estupro, portanto.

Toda a informação que ela tem é a que lhe é passada pelo Juvenal em questão; em nenhum momento passa pela sua cabeça oca duvidar dele ou obter mais informações. Cara, trata-se dela, da família dela, não rola nenhuma curiosidade? Nenhuma dúvida, revolta, intercâmbio de ideias com o irmão, nadinha de nada? Beleza, então. Eric até tenta, mas nós sabemos que não adianta. Uma coisa podemos tomar como certa, no entanto: os vampiros acham o sangue de fadas delicioso e é por causa deles que fadas estão extintos – ou pensava-se que estivessem extintos, pelo menos.

Pequena nota: você sabe há quanto tempo a Sookie conhece o homem que ela ama e em quem confia tão cegamente? Oito semanas, dez no máximo – dois meses, dois meses e meio. É fácil perder a referência do tempo porque faz três anos que acompanhamos a série, mas a gravidez da Arlene ajuda a fazer as contas: o bebê é do Rene, o serial killer da primeira temporada. Na consulta no gineco ele estimou a idade do feto em sete semanas [dez no máximo]. A matemática é essa. Fim da pequena nota.

Como eu disse, Eric tenta dizer algo importante a Sookie mas Juvenal impede [e o diretor teve que trabalhar muito com perspectiva de câmera nessa cena, móde não deixar a audiência perceber a diferença de estatura: onde já se viu um pretenso macho dominante baixinho?]. Sem opção diante da teimosia da garçonete que nunca trabalha, ele a prende no calabouço e rejeita a ideia de Pamela Swynford De Beaufort de trocar Sookie por uma trégua com Russell.

O plano é bom, Pam, se Russell fosse o mesmo. A morte definitiva de Talbot tirou-lhe o resto de sanidade, cortou o casulo que o mantinha seguro – ou que mantinha a humanidade segura, vai saber. Russell está tão enlouquecido pela dor da perda que procurou um garoto de programa parecido com Talbot, para encenar uma despedida final. De novo, foi um ato grotesco e estranhamente comovente.

Eu torço para que seu personagem continue a série.

Russell e a alma imortal de Tabot na despedida derradeira

Russell e a alma imortal de Tabot na despedida derradeira

Nan Flanagan faz declarações na mídia para abafar o caso do assassinato do âncora de tv, um trabalho de PR bem árduo o dela, e o Reverendo Newlin aproveita a ocasião para lançar novo movimento de ódio e intolerância. Arlene é partidária desse movimento gerado pelo medo e a ignorância, assim como outros covardes que atacam a casa de Bill, assustando a nossa babyvamp. Este foi o único momento em que Bill fez algo útil, confortando e instruindo Jessica.

Se por um lado Jess tem de enfrentar a ignomínia [uiaaa! sempre quis usar esta palavra!] na forma da Arlene, por outro ela conquistou a atenção não-solicitada de um Tommy fedelho. Se liga, mané. É muita areia pro seu caminhãozinho. Ainda bem que Hoyt largou aquela miniatura de psicopata e voltou pra J. Tudo bem que rolou um pequeno momento de perigo mortal quando Little Tommy virou um pittbull e atacou Hoyt, mas, cara, namorar uma vampira tem que ter algumas vantagens, né? 😆

Agora, vem cá, cê não acha que a Summer e o Tommy combinam direitinho? Eu acho.

Minha parte preferida neste ep foi com o irmão de Tommy. Um flashback mostrou que Sam usava sua capacidade animorfa para invadir e roubar joalherias. Ele mantinha segredo sobre seu dom, nem a namorada/cúmplice sabia. Problema é que segredos são vias de duas mãos e ela também tinha um: a garota traía Sam com outro cara e, juntos, roubaram o que ele roubou. Aqui não tem essa de cem anos de perdão e o Sam, apesar de já ser um panacão quando o assunto é molher desde aquela época, matou os dois. Aê, mano, mandou bem!

Gente, quem lê isso deve achar que eu sou da subversão. Nem não, viu, sou da ordem e dos bons costumes. Eu só gosto de ver FDP e idiotas comendo lama.

Mas, voltando ao assunto… Alguém me diz por favor o que foi aquela alucinação coletiva do Lafayette e do Jesus? Que trem doido, sô! Tá, eu entendi que ambos são descendentes de feiticeiros, xamãs, brujos, etc., mas aquela perspectiva de carrossel com a luz estourada [é assim que se diz?] e a cara de Dãããr dos dois foi… psicodelia demais pra mim. Efeito de V é uma coisa, mergulho no iD é… Tá, talvez o V proporcione o mergulho no iD. Mas coletivo??

Ah, Carlos Castañeda.

E a Crystal, hein? Werepanther, huh? *Bocejo*

Mais um episódio, depois hiato do Labor Day e season finale no dia 12 de setembro, aqui vamos nós.

I Smell A Rat [3/5]
Direção: Michael Lehmann
Roteiro: Kate Barnow & Elisabeth R. Finch

Postmortem season 3 episode #10


Link http://www.youtube.com/watch?v=qZJOx51ayRU

Posts relacionados
Beautifully Broken
Bad Blood
It Hurts Me Too
9 Crimes
Trouble
I Got a Right to Sing the Blues
Hitting the Ground
Night on the Sun
Everything Is Broken

Anúncios

5 comentários sobre “[TrueBlood] I Smell A Rat

  1. Eu comentei no twitter que ando mais animada para ver The Gates do que para ver True Blood. Todo mundo sabe a (má) qualidade de The Gates, então dá para imaginar o que estou achando dos rumos de True Blood, não?

    Foi estranho ver a interação da Sookie com o Eric. Faz sentido, pq na verdade os dois se conhecem a bem pouco tempo e tal, mas é que já aconteceu tanta coisa nesses 3 anos que para nós, espectadores, pareceu totalmente vindo do nada o sonho dela e o cuidado dele em protegê-la.

    Bill é a coisa mais sem noção. Concordo com tudo o que você falou. Mas ao contrário de você, odiei o Sam. Ele sempre foi um dos meus personagens preferidos (da série e do livro), mas eles avacalharam totalmente com ele nesta temporada. Senhor!
    E odiei a viagem do Lafayette.
    Já perdi minhas esperanças com a série.

  2. 12 episódios é pouco para o tanto de tramas e personagens. Todos acabam ficando subdesenvolvidos, parece que todos estão correndo pra lá e pra cá, quase como se todos vivessem em uma realidade alternativa. Eles tem que cortar tramas e personagens, e não trazer mais e mais.
    E todos tem que ser sobrenaturais agora? o Lafa vai virar a Willow de Buffy?? sem contar que todos estão cada vez mais trash.
    Não dá pra gostar da Sookie, eu quero, mas…
    Ela é muito devagar, muito burra, engole tudo que Bill fala, e ele continua mentindo na cara dela, e a tonta nada! argghhh

    —-Spoiler dos livros ——

    o que mais me irrita e dando ações e atitudes de outros personagens e dando para o Beell, que dialogo tosco! primeiro foi o Eric, depois a Sookie que perdeu sua força e sua inteligencia para que o Bill pudesse se sobressair na trama (já que ele mal aparece no livros de agora em diante), agora o dialógo que ela teve com o Niall (que nem quero que apareça porque vão estragá-lo tb) WTF?! estupradores?! (acho que os dois deviam ir para faryland e nunca mais voltar)
    eu amo o Eric, mas mesmo ele e a Pam estão me irritando, por mais que eu não goste da Sookie, não gostei do que aconteceu no final do episódio. o Eric parece que perdeu sua inteligencia e astucia tb! o Eric dos livros (eu sei que tô chovendo no molhado) NUNCA faria isso com a Sookie! por mais oportunista que ele seja.
    Antes que alguém diga pq eu vejo, eu não vejo mais. só leio os comentários e o resumo, eu sei que não dá pra opinar sobre a qualidade do episódio em si, mas eu posso reclamar do que fizeram dos personagens e do livro que eu gosto não? bem, eu prometo que tentarei não reclamar mais (muito) desculpe.

  3. Pingback: [TrueBlood] Fresh Blood « Pensamentos de Uma Batata Transgênica

  4. Pingback: [TrueBlood] Evil Is Going On « Pensamentos de Uma Batata Transgênica

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s