50 filmes em dezembro

A quarta edição de 50 Filmes Que Você Deveria Ver Antes de Morrer [porque depois fica um pouco complicado] começa no TCM a partir do dia 6 de dezembro [segunda-feira que vem] naquele esquema: dois filmes em sequência por dia a partir das 22h. A novidade é que os filmes serão apresentados por Rubens Ewald filho.

Esse ano foram poucos os que me animaram. Eis a programação:

A Ceia dos Acusados vontade eu tenho, oportunidade é que são elas
Título original: The Thin Man
Ano de lançamento: 1934
Gênero: Policial
Diretor: W.S. Van Dyke
Elenco: William Powell – Myrna Loy
Segunda 6 de dezembro, 22h l Reprise Terça 7, 14h

Johnny Guitar tem J. Cranford, né? provavelmente valha a pena
Título original: Johnny Guitar
Ano de lançamento: 1954
Gênero: Western
Diretor: Nicholas Ray
Elenco: Joan Crawford – Sterling Hayden
Segunda 6 de dezembro, 23h40 l Reprise Terça 7, 15h40

Laços de Ternura me acabo de chorar toda vez que assisto
Título original: Terms of Endearment
Ano de lançamento: 1983
Gênero: Drama
Diretor: James Brooks
Elenco: Shirley MacLaine – Debra Winger – Jack Nicholson
Terça 7 de dezembro, 22h l Reprise Quarta 8, 16h40

A Mosca só vi o remake com o cara lá de Law & Order: Criminal Intent
Título original: The Fly
Ano de lançamento: 1958
Gênero: Ficção Científica
Diretor: Kurt Neumann
Elenco: Vincent Price – Patricia Owens
Quarta 8 de dezembro, 00h30 l Reprise Quarta 8, 15h

Filme com tema “Divas” [QUEEN CHRISTINA, JEZEBEL, MILDRED ou SABRINA] escolhido pelo público votei em Jezebel. Bette Davis, sabe como é
Quarta 8 de dezembro,22h

Continue lendo

Domingueiras

Quem quer ver o Draco tirando a camisa? o/

Lembra da garotinha que sofreu bullying por causa da garrrafa d’água de Star Wars [domingueiras da semana passada]? Internet se une para socorrer menina que sofreu de bullying [Jovem Nerd].

Conheça os oito transtornos de personalidade descritos pela medicina e personagens da ficção que sofreriam desses distúrbios: psico/sociopata, antissocial, ansioso, paranoide, dependente, histriônico, esquizoide, borderline e obsessivo-compulsivo [Mundo Estranho].

Harry Potter 3 em 1

4 tecnologias do mundo real inspiradas em Harry Potter [Hype Science].

Por que não escreverei post sobre Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte 1: a Jessica disse tudo o que eu penso [Solilóquio a Dois].

As referências a Harry Potter nas séries [Apaixonados por Séries].

Fazendo a social 2 em 1

“Está na fila de votação do Senado a proposta de Emenda Constitucional que inclui a busca da felicidade no Artigo 6º da Constituição. Se aprovado (duas vezes pelo senado e depois, finalmente, pela Câmara dos Deputados), o Artigo 6º vai ficar assim: “são direitos sociais, essenciais à busca da felicidade, a educação, a saúde, a alimentação, o trabalho, a moradia, o lazer a segurança, a previdência social, a proteção à maternidade e à infância, a assistência aos desamparados”. Hoje, o mesmo artigo começa assim: “São direitos sociais a educação, a saúde”.” [Planeta Sustentável]

Não bastasse mazelas graves da sociedade brasileira como a grande diferença entre ricos e pobres (os avanços podem ser notados, mas ainda são insuficientes e o Vale Cultura ainda não foi aprovado), agora há um mecanismo que separa os privilegiados dos mais privilegiados. [Atlantic Road]

Who watch the watchmen? “Autoridades dos EUA revelam aumento de vigilantes mascarados no país” [Universo HQ].

Continue lendo

Uma personagem literária irritante

A Tábatha do blog Happy Batatinha criou um meme literàrio que dura um mês e está rolando agora em novembro. Infelizmente, o último trimestre do ano é sempre corrido e eu não pude participar, mas tem um tópico lá que me atiçou.

Eu já fiz uma lista das personagens de séries que acho insuportáveis, certa vez. Das literárias, a campeã do nojinho é a Jeanne, personagem principal do romance Uma Vida [Guy de Maupassant]. Ela é a ancestral das parasitas inúteis, a bisavó da Bella Swan e daquela uma do livro Casório?! [Maryan Keyes], por assim dizer.

O título do livro deveria ser Uma Vida Desperdiçada.

Domingueiras

Não é todo dia que somos necessários. Mas neste lugar, neste momento no tempo, toda a humanidade é nós, gostemos ou não. Façamos o melhor disso, antes que seja tarde demais. (Samuel Beckett)

Quando a gente acha que já viu de tudo… Garotinha sofre bullying na escola por causa de garrafa d’água Star Wars [via Jovem Nerd].

Ui, ai, uh! Coleção de imagens de bloody nipples na Maratona de NYC [via Update or Die]. Vam’consultar nossa especialista em corridas: Kaká, isso acontece mesmo?


Continue lendo

Ajuda dos universitários | Episódio de Natal

Glu-glu-glu

Preciso de umas dicas do pessoal que assiste séries. Eu escrevo uma coluna devezenquandal lá no TeleSéries sobre comidinhas e bebidinhas que aparecem nos episódios, cê já viu?

 

Apois, para este final de ano teremos duas edições temáticas, uma pro Thanksgiving [que será publicada na próxima semana] e uma pro Natal. A do Dia de Ação de Graças tá pronta na caixa do editor Paulo, é claro, mas tou quebrando a cabeça pra lembrar de algum episódio de natal, olha que bizarro.

Para aumentar o desafio, tem que ser de uma série que não seja True Blood, Poirot, The Big Bang Theory, Friends, NCIS, House, Modern Family, Gilmore Girls, Castle e Marple, caus que esses já foram ou serão usados. Óbvio que, mais dia, menos dia, terei de repetir séries, mas por enquanto queria evitar isso.

Fui assistir ao ep The Strike [s09e10], aquele do Festivus em Seinfeld. O que apareceu foi canapés, bagel, sopa e bolo de carne, nada muito típico…

E aê, tem alguma sugestão?

They Do It With Mirrors / Murder With Mirrors / Um Passe de Mágica

Miss Marple: Helen Hayes, Joan Hickson, Julia Mckenzie

Muitos criticam a postura conservadora e, por vezes, até mesmo preconceituosa demonstrada pela escritora inglesa Agatha Christie em sua obra. Para essas pessoas, o romance policial Um Passe de Mágica [They Do It With Mirrors] deve ser um exemplo perfeito e conjugado do tradicionalismo e da intolerância contra estrangeiros praticados pela autora.

Quanto ao tradicionalismo, não há muito o que argumentar. Na trama do livro, a escritora põe em dúvida a eficácia da abordagem humanista dos métodos de recuperação de delinquentes juvenis praticados na instituição Stonygates, de Lewis e Carrie-Louise Serrocold, uma velha amiga de Miss Marple da época em que eram jovens em turnê pela Itália junto com a irmã de Carrie-Louise, Ruth. As três fizeram o Grand Tour juntas.

Miss Marple critica os métodos de Stonygates e, mais ainda, a condescendência que considerava excessiva na disciplina de jovens infratores, preferindo que a filantropia se dedicasse aos jovens que, passando pelos mesmos problemas, não caíam no crime. Tanto ela quanto Ruth demonstram ter uma visão menos idealista da vida.

As palavras de Mrs. Van Rydock vieram a propósito.
- Carrie Louise sempre viveu completamente fora da realidade – disse. – Não conhece nada do mundo. Talvez seja isso que me preocupe.
- Quem sabe o meio – começou Miss Marple, mas parou logo, sacudindo cabeça. – Não – disse.
- Não, é ela mesma – afirmou Ruth Van Rydock. De nós duas, Carrie Louise sempre foi a que tinha ideais. Lógico que quando éramos moças isso estava na moda – todo mundo tinha ideais, ficava bem ter. Você queria cuidar de leprosos, Jane, e eu ia ser freira. A gente se cura dessas tolices. [Agatha Christie, Um Passe de Mágica, trad. Milton Persson. L&PM Editores, 2006]

Já sobre a intolerância, de fato há menções pouco honrosas contra personagens norte-americanos, italianos e russos, porém a maior parte – se não a totalidade – dos comentários preconceituosos é dita por uma personagem de mentalidade estreita, rancorosa e amargurada, o que retira muito da sua credibilidade.

O próprio talho rígido dos lábios possuía um ascético ar eclesiástico. Personificava a Paciência Cristã e, possivelmente, a Retitude Moral. Mas não, segundo Curry, a Caridade. [idem]

Continue lendo