Desafio Literário | The Importance of Being Earnest

Sinopse
O humor caracteristicamente britânico está presente do início ao fim da peça: a frivolidade dos personagens aparece em cada quadro, em cada cena, em cada ato. A peça destaca-se por sua leveza e crítica sutil da sociedade inglesa do século passado.

Frances O'Connor, Colin Firth, Rupert Everett, Reese Witherspoon

ALGERNON. The truth is rarely pure and never simple. Modern life would be very tedious if it were either, and modern literature a complete impossibility!

Já que comecei o DL do mês dos namorados falando de uma paixonite, prossigo com o tema e desta vez apresento duas paixonites que motivaram a leitura da peça teatral The Importance of Being Earnest, de Oscar Wilde: Colin Firth e Rupert Everett. O filme adaptado em 2002 não chega a figurar na minha lista de Top Favoritos Foréva, mas mesmo assim eu tenho em DVD [com o péssimo título nacional Armadilhas do Coração]. Vi o filme, agora é hora de ler o livro.

A peça é uma comédia naquele estilo inglês falsamente sério e empolado e que ri de si mesmo e da reação que provoca nos outros com a cara mais limpa do mundo enquanto profere as coisas mais nonsense. Ao contrário do que o filme de 2002 faz imaginar, seus personagens principais não são Jack e Gwendolen, e sim o almofadinha Algernon e Titia Lady Bracknell: ambos têm as falas mais absurdas e engraçadas.

John Worthing é um abastado e respeitável proprietário de terras no interior, guardião da jovem Cecily Cardew; Algernon Moncrieff passa os dias indolentemente pensando em novas formas de tirar Tia Augusta e a sociedade londrina do sério. Contra todas as expectativas, ambos são bons amigos – mas não sabem disso porque Algy pensa que conhece Ernest, um camarada que está a cortejar sua prima Gwendolen, e não Jack Worthing.

ALGERNON. Yes, but you must be serious about it. I hate people who are not serious about meals. It is so shallow of them.

Continuar lendo