O assassinato retrospectivo – parte 5

A senhora era a única filha e neta, criada como a herdeira intocável a quem nada era negado. A senhora adorava seu tio. Era o seu deus. Deve ter sofrido um choque quando ele surgiu com uma noiva. De uma hora para outra ele já não era seu deus-escravo e era preciso puni-lo, por isso o matou. Creio que foi a senhora também quem espalhou os boatos sobre a traição da noiva, que conspurcou seu deus. A senhora desejou sujar o nome dela, não foi? Do mesmo modo que uma criança faria.

Continue lendo

O assassinato retrospectivo – parte 4

D. Agripina vivia sozinha; nunca se casara, não tivera filhos, não tinha empregados. Nem mesmo um cão ou peixes dourados no aquário seco sob a janela da sala. E, no entanto, mantinha no armário roupas de um homem de aproximadamente 1,84m, 75 – talvez 78 kg. A descrição batia com as medidas do desaparecido. O que todas aquelas roupas faziam ali, no quarto de uma solteirona arruinada? Fechei a porta do guarda-roupa e sentei na beirada da cama, pensamentos voando.

Continue lendo

O assassinato retrospectivo – parte 2

Voltei a mirar a fotografia de um homem de cabelos lisos, sorrindo para a lente da câmera, o braço esquerdo em volta da cintura de uma menina loura com os cachos presos em dois rabos-de-cavalo, de pé sobre um degrau.

– Foi no dia da minha comunhão — ela depositou a bandeja com o café e biscoitos sobre a mesinha de centro, afastando no mesmo movimento o vaso de violetas e o cinzeiro de cristal amarelo, vazio.

Continue lendo

O assassinato retrospectivo – parte 1

– Era tão moço — suspirou — e tão bonito.

As palavras de D. Agripina mal penetravam em meu cérebro enquanto virava as páginas do álbum de fotografias.

– Morreu de quê, D. Agripina?

Os olhos, era isso. Mesmo através das fotos em preto-e-branco, muitas quase desbotadas, era possível perceber que eram olhos tristes. Olhos que encaravam diretamente a lente da câmera

Continue lendo

O porco voador

flying_p.gifJorge Porco era um leitãozinho rosado que morava com Papai Porco, Mamãe Porco e seus irmãos Porco numa chácara no interior de Portugal. Quando Mamãe Porco estava grávida de Jorge e seus sete irmãos teve um sonho estranho: um anjo apareceu em uma nuvem ao nascer do sol. O anjo era humano – digo, tinha formas humanas. Não que fosse humano, você entende. Anjos não são humanos. Alguns são bem cruéis, até.

A voz do anjo dizia à Mamãe Porco coisas que ela não entendia. Não era comida, não era banho nem era vacina. Algumas palavras soavam como enviado, paz e missão. Ela contou o sonho a Papai Porco mas ele também não entendeu a fala do anjo. Discutiram o dia inteiro a respeito do sonho e por fim decidiram que, sim, podiam comer mais um balde de milho antes de dormir.

Continue lendo

Carpe Diem

Olhou para o lado: sim, ele estava ali. Lembrou-se de quantas vezes sonhou com isso, de quantas vezes desejou isso, e se acalmou.

No colégio era a amiga para todas as horas, a companheira intelectual perfeita, dizia. Intelectual? De que serviam neurônios e sinapses se tudo o que queria era ser linda de um modo que nem ele pudesse recusar? Sofreu quando ele se interessou por outra e se afastou. Chorava à noite e sorria de manhã… Afinal eram bons amigos.

Continue lendo

Píramo e Tisbe

Era uma vez um rapaz e uma moça que moravam vizinhos – mas vizinhos mesmo, numa dessas casinhas geminadas da Cohab de parede-e-meia, como a gente diz, um de um lado e a outra do outro lado da parede. Ocorre que naquela época em que as casas foram construídas o governo economizou no material básico e a construção começou a apresentar umas infiltrações, barrigas de jacaré e logo uma rachadura fendeu a parede que separava os quartos de Píramo e Tisbe que, apesar de terem os pais simplesinhos, tiveram a grata sorte de não serem batizados com nenhum nome esdrúxulo de personagem de novela ou coisa parecida. Na verdade nem batizados foram, pois eram pagãos.

Continue lendo

Jasão

Jasão era um menino quando seu meio-tio Pélias usurpou o trono de Éson, rei de Iolco, pai de Jasão e meio-irmão de Pélias [v.2 diz que Pélias era o tutor legal de Jasão e deveria entregar o trono quando o pirralho atingisse a maioridade]. Aconteceu que, como todo rei, Pélias solicitou a um oráculo a previsão de seu futuro. Uma profecia dizia que se não chovesse faria sol e aquele cuja sandália se perdeu seria o causador da queda de Pélias, que se pelou todo de medo de perder a boquinha e, assim que Jasão reinvidicou décimo-terceiro salário, férias anuais e o trono de volta, despachou-o numa Missão Impossível: resgatar o Velocino de Ouro do dragão que o guardava na Cólquida, reino vizinho governado por Eestes, pai de Medéia.

Continue lendo

O segundo marido

Eeepa! Blog novo na área, da xará Luciana [outra vítima do Trio Ternura, tsc...], que inspira ótimas risadas com as histórias de uma família apaixonada por velocidade e outras coisas.
;o)

Aliás, Lu, tava aqui matutando sobre o japonês fantasma e me lembrei de um fato que aconteceu com dois tios meus. Minha família materna tem um longo histórico de sonambulismo. Um tio [A], de Pompéia, passou uma noite na casa do irmão [Tio B] em Campinas, a caminho do litoral onde ia se encontrar com esposa e filha. Por acaso a disposição dos cômodos das casas de ambos era *muito* parecida, principalmente na área íntima. A distribuição dos móveis no quarto do casal, então, era xerox um do outro.

Continue lendo