10 livros em 10 dias | Livro mais caro

Vale quanto pesa

Vale quanto pesa

Dia 4

Essa eu nem precisei pesquisar porque me lembro toda vez que vejo as promoções [no fim de semana tava por dezenove conto a trilogia - claro, em outra edição, separada em 3 volumes e capa mole]: R$98,00 pela edição comemorativa, numerada e limitada da editora Martins Fontes para a trilogia O Senhor dos Aneis, de J. R. R. Tolkien, lançada meses antes da estreia do primeiro filme [dezembro de 2001, foi meu autopresente de natal naquele ano].

Essa nem é a edição mais cara, tem outras que custam até o dobro do preço; embora eu preferisse que fosse um pouco mais em conta, não me arrependo da aquisição. Oh, e a quem interessar: o meu exemplar é o número 4429.

[Se for contar livro único em vez de série agrupada seria Jonathan Strange e Mr. Norrell, mas ele ganhou post exclusivo mais à frente. ;)  E se for contar mutivolume provavelmente é a Biblioteca do Escoteiro Mirim...]

[Desconsiderei livros técnicos.]

O Senhor dos Aneis é uma série de fantasia que narra a saga do jovem Frodo em sua peregrinação para destruir o Anel do Poder. A mitologia, a geografia, os personagens, tudo isso forma uma obra cheia de significados mágicos, políticos, sociais, filosóficos e morais para ser lido várias vezes, estudado mesmo.

E, para compensar o assalto ao meu bolso que foi o livro, comprei o box de filmes apenas seis anos depois que foi lançado – o box coa versão normal, porque os executivos brasileiros perderam o bonde da versão estendida, os orcs – por apenas R$29,90 a caixa com seis DVDs. Uma pela outra…

Posts relacionados
10 livros em 10 dias

Domingueiras

-Feliz Natal! -Feliz Ano Novo! -Beije o meu traseiro.

-Feliz Natal! -Feliz Ano Novo! -Beije o meu traseiro.

Dica para vovós, tios, padrinhos: não presenteie criança pequena com brinquedos que fazem barulho estridente e você poderá contar com a gratidão eterna dos papais e mamães. Telefoninhos sonoros, carrinhos de polícia com sirene, martelos com apito? Dê para os seus próprios filhos.

Dona mãe foi pra Ibitinga ontem comprar toalhas, jogos americanos, trilhos de mesa, bate-mão, essas coisas que formam um kit legal pras amigas. Eu ganhei balas de coco recheadas.

Sei quem me conhece de verdade quando a pessoa diz “é só uma lembrancinha”, e é coisa de comer. :lol:

Tou brincando, claro. Ganhei shorts novos.  Espero que a espécie de homem que usa cuecas samba-canção nunca entre em extinção: são as coisas mais confortáveis para usar em casa.

Na minha época era colcha de matelassê, hoje em dia é cobre-leito.

A Cássia matou a charada: a rabanada é de origem portuguesa.

Continue lendo

Domingueiras

Os últimos dez dias foram cabulosos.

Eu não sei onde estarei daqui a sete anos, mas guarde esse número: R$ 26 bilhões.

Campanha Olímpica 2246: por enquanto a disputa é feroz entre Pedra Lascada, Itatiba e OC.

Pedra Lascada saiu na frente com um Cristim Redentorzim e o título de Cidade-Coração. Seu projeto olímpico inclui um fígado, um rim e X-Bacon.

Itatiba, do @fwtoogood, tem ” o titulo de Capital Brasileira dos Móveis Coloniais. Gringo vai ver jogos e montar a casa!”

Já a OC paulista do @hbariani tá ganhando por 1 Cristo: “tem 2 cristo, portal na entrada, a estilo Gramado”.

Eu queria ouvir/ver o Hino Nacional executada por roqueiros, com um andamento mais vibrante e altaneiro [ufs]. Chega do tom melancólico e chorão.

Paraíso acabou e não assisti ao último capítulo. O que era o barulho que o Terêncio e o Tóbi escutaram na floresta, afinal?

O tempo todo fico com a impressão que já vi outros trabalhos do ator que interpreta o Mr. Schue em Glee, mas só no quinto episódio me caiu a ficha: na verdade ele me lembra demais o Judge Reinhold. Claro, o Judge Reinhold de muito antigamente.

O Neil Gaiman iniciou uma série de posts com o assunto comfort books no Twitter: livros que a gente relê sempre que está de cama, dodói, triste ou deprimido.

Os meus livros de conforto são: Jane Eyre [Charlotte Brontë], os romances policiais estrelados por Miss Marple [Agatha Christie], os da série Discworld [Terry Pratchett], O Menino no Espelho [Fernando Sabino], O Não-Me-Deixes [Rachel de Queiroz]. Os que lembro de cabeça.

Resolvi reler A Preceptora [Agnes Grey, Anne Brontë] depois de sei lá quantos anos. Logo nas primeiras páginas do exemplar do Clube do Livro [São Paulo, 1977] me deparo com rapariga, pequeno almoço e mocetona.

Tradução especial para esta edição de José Maria Machado.

Será mais um caso para a Denise Bottman, do não gosto de plágio?

A editora norte-americana HarperCollins liberou as primeiras 77 páginas de Unseem Academicals, o Discworld novo [link].

Na quinta-feira chegou meu exemplar de The Bedside, Bathtub & Armchair Companion to Agatha Christie! A previsão de entrega era 30 de agosto, mas não contavam coa greve dos Correios e o embaço na alfândega.

Ah, dorga. Esqueci que a próxima quarta-feira é o feriado do padre em Pedra Lascada. Não sei se dá tempo de chegar o presente de Dia das Crianças até sexta.

Dia 12 de otubro também é o Dia da Leitura.

Daê eu clico no banner especial lá do Club do Sub [Harry Potter, alguém? Príncipe Mestiço, Clube do Slugue, oi?] e é só brinquedo e jogos. Nada de livros  infantis na lista de presentes sugeridos.

Mocetona é uma palavra muito feia, IMHO.

Até 30 de setembro, o papel de parede de Miguelito era o calendário de janeiro do Fangtasia, com o Eric Northman. Agora é o calendário de outubro com o Lord Voldemort.

Alcide Herveaux é um cara alto de ombros largos, olhos verdes, cabelos pretos, grossos e despenteados. Também é um cara quente – literalmente. Se vampiros são frios, lobisomens têm a temperatura corporal mais elevada do que a dos humanos.

Que ator ficaria legal no papel de Alcide, na terceira temporada de TrueBlood?

Se você mora no Rio e curte Tolkien, tem HobbitCon no próximo fim-de-semana [e com feriado prolongado!].

Sanduíche do Wall-E: é muito amor [link].

Eu sei que muitos vão me olhar torto, mas preciso abrir meu coração: eu gosto do Rubens Ewald Filho.

Eu gosto do jeito que ele não dá a mínima se as pessoas gostam dele ou não.

Por causa dos compromissos desses últimos dez dias cabulosos, as séries voltaram das férias e não tive tempo  de ver tudo ainda. Mas, do que eu vi, fiquei boquiabrida com a abertura de CSI ao estilo Matrix. Oi, Morpheus.

Só é pena que a escalação de atores denuncie a identidade do criminoso pra quem acompanha diversas séries por muito tempo.

CSI: Family Affair [S10E01] cena de abertura

Continue lendo

25 livros melhor adaptados no cinema

Uma Thurman e John Malkovich em As Ligações Perigosas

Uma Thurman e John Malkovich em As Ligações Perigosas

O britânico Telegraph elaborou uma lista com 25 filmes que saíram das prateleiras de livros e mantiveram sua credibilidade intacta. O título do artigo, no entanto, dá a entender que seriam os livros que renderiam as melhores adaptações cinematográficas. Eu fui pelo primeiro significado, até pelos comentários da autora Melissa Katsoulis para cada filme.

Como toda boa lista, há ausências e controvérsias.

Das ausências o que me lembro agora é de Como Água Para Chocolate [Laura Esquivel / Alfonso Arau], Testemunha de Acusação [Agatha Christie / Billy Wilder], Blade Runner [Philip K. Dick / Riddley Scott], Henrique V [William Shakespeare / Kenneth Branagh] e O Castelo Animado [Diana Wynne Jones / Hayao Miyazaki].

Das controvérsias comentei nonde de direito, na lista abaixo. ;)

1.Grandes Esperanças [Great Expectations, 1861] de Charles Dickens
David Lean, 1946

Estrelado por John Mills e Alec Guinness. Tem uma versão modernizada por Alfonso Cuarón com Ethan Hawle e Robert de Niro; não é essa.

2. O Morro dos Ventos Uivantes [Wuthering Heights, 1847] de Emily Brontë
William Wyler, 1939

A versão com Merle Oberon e Laurence Olivier. Eu fico muito dividida aqui, porque embora realmente tenha o clima gótico e a caracterização cruel dos personagens, o roteiro só considera metade do livro. E aquele final do produtor, adicionado à revelia do diretor, quase que f*de tudo. Mas comparado com a versão com a Juliette Binoche e Ralph Fiennes é bem mais fiel, mesmo.

Continue lendo

Domingueiras

Numa cena da novela Caras & Bocas, o personagem Cássio estaciona seu carro em cima da faixa de pedestres. Feio!

Feio é o ato, não o ator – que, aliás, é a cara do V., môr de minha vida.

Imagina o susto que eu tomei quando descobri que o Giddy, o caçula de Sete Noivas Para Sete Irmãos, é o terapeuta da Laura Palmer em Twin Peaks. Sim, aquele dos óculos coloridos. Ele conseguiu o papel no filme por causa do seu treinamento como ginasta. Já a Dorcas, a noiva mais assanhadinha, é a Julie Newmar. Para Wong Foo, obrigada por tudo, Julie Newmar.

Bem que avisaram que não valia a pena gastar meu bônus da SKY na degustação Telecine+HBO: em oito dias de sinal aberto da rede Telecine vi só 4 filmes [Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal, A Múmia: Tumba do Imperador Dragão, Cloverfield e Ensaio sobre a Cegueira].

Mas também não peguei o casaco: fiquei com um kit para chá/café e dei pra dona mãe.

Classic Citrus: não é tão barato e tem distribuição nacional [menos em Pedra Lascada, eu conrabandeio de Vera Cruz], então não sei se dá pra chamar de tubaína. Eu gosto. Hermã diz que a tônica dessa marca é a mais gostosa que ela experimentou também.

“Esse hômi e um saco de bolacha, eu passo um mês…” Cantando o Eric em mineirês no blog Fofocas de Marte.

Trilha sonora da kombi/quitanda móvel: “tira tira tira esse zoião, a garota já tem dono, mora no meu coração”.

Terry Pratchett analisa o sexismo presente na literatura de fantasia no discurso Why Gandalf Never Married.

Falando em Gandalf, terminei de ler O Silmarillion e entendi [finalmente!] um monde coisa que tinha passado ao largo quando li O Hobbit e O Senhor dos Anéis. Nunca é tarde, né?

Achei tããão fofo o Hugh Jackman se divertindo na plateia do Teen Choice Awards’09! Ele tava tendo uma noite ótima, a julgar pelas manchas de suor debaixo do braço quando subiu para receber a prancha.
:)

E eu viciei em I Gotta Feeling do Black Eyed Peas.

Continue lendo

Livros de praia

beach_book_400

Quando chega o verão – ora, quando chega a primavera, até! – costumo ouvir muito a mesma frase: “um dia tão bonito e você perdendo tempo, lendo”. A sorte de quem diz isso é que dona mãe me deu educação e eu não respondo o que realmente penso de uma declaração assim. Em outros países, as férias de verão são justamente o período que as pessoas aproveitam para ler, e uma tradição cultural tão arraigada que é tema até de artigos e reportagens. Na Inglaterra, por exemplo, todo mundo sabe qual livro o Primeiro Ministro levará na valise durante o recesso.

O site norte-americano NPR realizou uma enquete entre seus leitores para descobrir os Cem Melhores Livros de Praia de Todos Os Tempos. O resultado se confunde um pouco com as listas de mais vendidos, representa apenas uma parcela de leitores [os que acessaram e responderam a pesquisa do site] mas garimpando bastante ainda sobra muita coisa legal, IMHO. E esse tipo de lista vale pra conhecer livros que nunca ouvimos falar, também.

Tem dois que me deu vontade de ler só por causa do título.

Por falar em título, tem uns casos em que fiquei na dúvida na tradução caus que as fontes que pesquisei não forneceram o original, então ou não coloquei o título brasileiro ou fui pelo rumo.

1. Os livros da série Harry Potter, de J.K. Rowling
2. O sol é para todos, de Harper Lee
3. O caçador de pipas, de Khaled Hosseini
4. O diário de Bridget Jones, de Helen Fielding
5. Orgulho e preconceito, de Jane Austen
6. Divinos segredos, de Rebecca Wells
7. O grande Gatsby, de F. Scott Fitzgerald
8. O guia do mochileiro das galáxias, de Douglas Adams
9. Tomates verdes fritos, de Fannie Flagg
10. A bíblia envenenada, de Barbara Kingsolver

Continue lendo

Livros que viram filmes que vendem livros

Faz um tempinho atrás, li num blog um comentário que quase me derrubou da cadeira: a pessoa reclamava do oportunismo comercial de um cara que escreveu um livro para se aproveitar do sucesso de um filme, uma trilogia, que concorreu ao Oscar daquele ano e levou 11 prêmios.

O nome do autor oportunista era J. R. R. Tolkien e o filme, você adivinhou, era O Senhor dos Anéis: O retorno do rei.

Te juro.

Lembrei disso agora porque estava a ler um artigo no caderno Ilustrada, da Folha de São Paulo, niqui os editores brasileiros comentam o lançamento ou o relançamento de livros que foram adaptados para filmes que concorrem ao próximo Oscar:

“O leitor iniciado frequenta livrarias, lê resenhas nos jornais e por esses meios escolhe os livros que vai comprar. Mas um público mais amplo, que não segue esse caminho, pode ser atraído a ler por conta da grande divulgação de um lançamento no cinema”, diz Maria Amelia Mello, da José Olympio. [link]

Eu não li nenhum dos originais [novidaaade!] ainda, mas o primeiro da minha lista de queríveis é O Leitor – eu, que não sou mais chegada nos temas do Holocausto e/ou nazismo. Cinema realmente influencia. ;)

O Leitor – Bernhard Schlink
Seis Contos da Era do Jazz e Outras Histórias – F. Scott Fitzgerald [donde saiu O Curioso Caso de Benjamin Button]
O Menino do Pijama Listrado – John Boyne
Sua Resposta Vale um Bilhão – Vikas Swarup [que virou Slumdog Millionaire ou Quem Quer Ser um Milionário?]
Foi Apenas um Sonho – Richard Yates

“O romance de Richard Yates é extraordinário, mas totalmente desconhecido aqui. Com o filme concorrendo ao Oscar, com grandes atores, há a possibilidade de uma ampliação no número de leitores do livro, que dificilmente seria alcançada sem o impacto midiático do filme.”

Eu senti falta de entrevistarem alguém da editora de Batman, O Cavaleiro das Trevas [que relançou o arco numa edição definitiva que custa os zóios da cara], ou HellBoy ou Homem de Ferro. Tá certo que esses dois só concorrem a prêmios técnicos, mas em compensação O Menino do Pijama Listrado tá na lista da Folha por que?

Os 50 maiores vilões da literatura

She's EBIL!

Mrs Coulter is EBIL!

Os articulistas do jornal inglês The Telegraph se depararam com um problema inesperado quando se propuseram a listar os 50 maiores vilões da literatura: como optaram por recorrer o mínimo possível aos quadrinhos e obras infanto-juvenis, perceberam que a literatura adulta não contém tantos vilões assim – melhor dizendo, não exibe uma linha clara que define mocinhos e vilões. Em Moby Dick quem é o vilão, a baleia branca ou o capitão Ahab? E no Paraíso Perdido de Milton, Deus ou Satã?

Eu tive esta dúvida num dos livros de uma série que está na lista, dizem que é uma parábola cristã  mas os personagens “do bem” cometiam tantos atos de preconceito e intolerância, justificados pelo conceito religioso lá deles, que fechei o livro e nunca mais peguei pra terminar de ler. E nem vou assistir ao resto dos filmes.

De qualquer forma, taqui a lista deles com anotações do que eu li ou vi o filme [de Lovecraft li uma porrada de uma vez só, mas isso foi há uns 20 anos, nem lembro mais... Clarissa e Paraíso Perdido vou emprestar de hermã]. No site do jornal tem o comentário dos articulistas.
Continue lendo

HP & TDH

Alan RickmanHá muito tempo se diz que os atores Alan Rickman [na foto ao lado] e Robbie Coltrane eram os únicos a conhecer os destinos de suas personagens [Snape e Hagrid], contado pela própria autora J. K Rowling.

E foi parte por causa de algumas nuances da interpretação de Rickman, parte porque a narração dos livros é do ponto de vista de Harry, que eu acreditava no que a minoria dos leitores acreditava e que não vou contar aqui, hehe.

Continue lendo

Outra lista

Estava a ler o Clareando Idéias, do Fernando, quando vi o poste sobre o lançamento do DVD duplo do filme Laranja Mecânica. Na resenha do Rubens Ewald e no Submarino não especificam nada do que vem no disco extra, mas eu sei que, não faz muitos dias, achei a versão dietética [disco simples] no bancão de R$9,90. Pelo menos outros dois filmes do Kubric [De Olhos Bem Fechados e O Iluminado] também têm novas edições duplas saindo do forno depois de jogar a simples no bancão.

Nhé!

Isso me lembrou de mais filmes que estão na minha lista de preciso assistir [ou rever, em alguns casos] que comprei na promoção e agora têm versões mais incrementadas que quase me fizeram ter um ataque de caspa.

O Gold Box Edition de Twin Peaks

A Edição Imaculada de Monty Python: A Vida de Bryan

A Edição Especial Tripla de Blade Runner

Lição aprendida, não vou comprar o box do Senhor dos Anéis agora que caiu de preço – quem sabe finalmente sai a versão estendida no Brasil?