Heathcliff, it’s me, Cathy come home, I’m so cold, let me in-a-your window

Heeth Kwiff! Heeth Kwiff! *suspiro* Você deixou o gato assistir O Morro dos Ventos Uivantes de novo, não deixou?

Imagem: I can has cheezburger?

Na época em que eu usava o Multiply, montei um álbum com diversas versões da música Wuthering Heights, composta pela Kate Bush quando ela tinha 18 anos. Bush inspirou-se na adaptação de 1970 do romance da escritora inglesa Emily Brontë [O Morro dos Ventos Uivantes], a versão estrelada por Timothy Dalton no papel de Heathcliff.

A canção foi lançada em janeiro de 1978 e foi o carro-chefe do álbum de estreia de Kate [The Kick Inside], contrariando determinação da gravadora, que escolhera outra canção para divulgação. Kate insistiu em usar WH e ainda obrigou a gravadora a trocar a capa do disco, atrasando as vendas em cerca de dois meses. A música teve dois videoclipes produzidos, um para exibição no Reino Unido [o primeiro da lista abaixo] e outro para os EUA [a versão red dress].

Não encontrei todas as versões e covers – faltam a de Susan Egan e E-clypse feat. Jemma Price, que tenho na Ouvateca do Multiply em mp3, e outros que nem procurei muito, na verdade – mas taí. Divirta-se. :)

Letra e tradução [Cristine Martin]

Kate Bush vídeo oficial

Link http://www.youtube.com/watch?v=-1pMMIe4hb4

Kate Bush versão red dress

Continuar lendo

Heathcliff 2011

James Howson

Graças a um comentário de Aibell [brigadê!] fiquei sabendo que o próximo Heathcliff não será aquele ator de Gossip Girl. Ufa,hein? O escolhido da diretora Andrea Arnold é o iniciante James Howson, o primeiro ator negro a interpretar o nosso atormentado favorito.

The casting is in line with Brontë’s conception of the character – “lascar” is a 19th-century term for sailors from India. Arnold reportedly sought out actors from the Romany community for the role but was unable to find an appropriate candidate. Producers also held open auditions and even walked the streets of Leeds looking for their Heathcliff. In the novel, the character is found abandoned as a baby at the slave port of Liverpool by Mr Earnshaw, who adopts him, so his ethnicity is uncertain. [The Guardian, 23/11/2010]

A maior parte do elenco, aliás, é desconhecida e/ou inexperiente. A roteirista tem poucos trabalhos [o mais conhecido é Moça Com Brinco de Pérola], assim como a própria diretora. A mais experiente e conhecida é a atriz que interpreta Cathy, Kaya Scodelario [Skins, Fúria de Titãs]. Tenho a impressão que será interessante.

No iMDB.

Adicionei vídeos de diversas versões para cinema e TV neste post, acho que só faltaram as de 1920, 1948 e 1962. Alguns são trailers, outros são trechos curtos e alguns são fanvids, cenas do filme com a música da Kate Bush por cima.

Versão de 1939 com Laurence Olivier


Link http://www.youtube.com/watch?v=Ob_WMxEhSHs

Abismos de Pasión, adaptação mexicana de 1954 [do espanhol Buñuel] com Jorge Mstral
Continuar lendo

Wuthering Heights / O Morro dos Ventos Uivantes

Charlotte Riley e Tom Hardy
Charlotte Riley e Tom Hardy

Emily Brontë era filha de um sacerdote. Ela cresceu em um lugar afastado na Inglaterra, não gostava de viajar. Quando saiu de casa, ficou doente. Nunca se casou e morreu aos 30 anos de idade. Publicou um romance, e sob pseudônimo. Uma das obras mais chocantes da literatura inglesa. Quando realizou sua primeira publicação em 1847, criou turbulentos protestos. É conhecido como um dos livros mais ultrajantes já publicados. Um crítico disse que deveria ser queimado. O agitado protesto só ganhou força quando a segunda edição foi publicada e a identidade da autora foi revelada ser a filha de um pastor do oeste de Yorkshire. Como a filha do pastor criou tal ameaça à sociedade civilizada como Heathcliff, um anti-herói impulsionado pela paixão carnal e vinganças? E, ao invés da respeitável heroína da época vitoriana, ela criou uma mulher casada que vagava pelas charnecas de camisola, com desejos pelo seu amante. O público leitor estava escandalizado. Em choque! E o romance nunca deixou de ser publicado: O Morro dos Ventos Uivantes. [Laura Linney, host da versão Masterpiece Classic 2009 em tradução de Dhara Maria e uma pequena revisão minha]

Pôster
Pôster

Eu demorei tanto para assistir a essa versão ITV/PBS que até deu tempo de comprar o DVD da versão MTV e enrolar ambas mais um pouco, mas acabei vendo tudo no fim de semana. A versão da ITV/PBS traz o ator Tom Hardy no papel de Heathcliff e Charlotte Riley no de Cathy. Minha impressão pessoal: Hardy não tem o physique du rôle que imagino para o papel, é muito pálido e de compleição normal. Porém, é o que convenceu melhor no elenco todo, com uma sugestão exata de crueldade e adoração.

Já a Riley foi o oposto: bonita mas com uma ideia de selvageria, pelas fotos parecia a própria Cathy, só que na hora de dar vida à personagem falta exatamente a selvageria, aquilo que liga o par central. O roteirista Peter Bowker e a diretora Coky Giedroyc tentaram uma solução para as idas e vindas no tempo da narrativa colocando as sequências quase que em ordem direta. Foi um tiro, podia dar certo ou não. Na minha impressão pessoal, não deu.

Continuar lendo

Heathcliff e Edward Rochester

Michael Fassbender, Mr. Rochester

Michael Fassbender, Mr. Rochester

Segundo um artigo do The Guardian, a escalação de elenco das novas adaptações cinematográficas de Jane Eyre e de O Morro dos Ventos Uivantes tem alguns nomes confirmados.

O ator Michael Fassbender tinha sido cogitado para interpretar Heathcliff, mas acabou deslocado para encarnar Edward Rochester ao lado de Mia Wasikowska. Isso me leva a crer que pelo menos no quesito faixa etária o diretor Cary Fukunaga vai manter a fidelidade ao livro de Charlotte Brontë: Jane tem 19 anos quando conhece Mr. Rochester e ele já era quarentão. A previsão de estreia é 2011.

O papel de Heathcliff, que já foi de Laurence Olivier, coube a Ed Westwick, o Chuck Bass da série Gossip Girl. Cathy será interpretada por Gemma Atherton [a Strawberry Fields de 007 – Quantum of solace]. A estreia da readaptação de Emily Brontë está agendada para 2010 e parece que não haverá outro ator para a fase madura de Heathcliff.

É, eu pensei a mesma coisa…

Agora, dizer que foi a saga Crepúsculo que impulsionou essa “nova onda” de interesse nas obras das irmãs Brontë é forçar muito a barra, nénão? Esses filmes estão sendo planejados faz tempo e sempre tem adaptação nova saindo, seja para cinema ou TV.

O que me lembra que ainda não assisti à versão da MTV e à nova minissérie da BBC Wuthering Heights…

A influência que a série de livros e filmes adaptados Twilight pode ter, entretanto, é justamente na seleção do elenco bem mais jovem do que o esperado.

Continuar lendo

Os 10 herois românticos da literatura

Orson Welles e Joan Fontaine, Jane Eyre (1944)

Orson Welles e Joan Fontaine, Jane Eyre (1944)

A editora inglesa Mills and Boon é especializada em publicar romances em papel jornal no estilo Harlequin [Julia, Sabrina, Bianca, etc.] – de fato, a casa inglesa fundada em 1908 foi comprada pela norte-americana em 1971. Juntas, a Harlequin Mills and Boon dominam 75% do mercado britânico no gênero.

Eles fizeram uma enquete entre seus leitores perguntando qual o personagem literário mais romântico. O resultado foi divulgado no início deste mês durante o festival literário de Cheltenham: para surpresa de muitos, o primeiro lugar ficou com o cruel, amargo e impossível de ser amado Mr. Edward Rochester, do romance gótico Jane Eyre escrito por Charlotte Brontë em 1847.

O Telegraph ilustrou o artigo em que a novelista Penny Vincenzi comenta sobre a paixonite que tem pelo rude Rochester com uma imagem da série exibida pela BBC em 2006, com Toby Stephens no papel. Eu já comentei antes que Toby Stephens é bonito demais para interpretar…

Continuar lendo

Joseph e a religião

O jornalista espanhol Miguel Mora publicou no El País um artigo intitulado Decisões anacrônicas mostram incapacidade de Ratzinger em guiar o Vaticano, no qual evidencia o caráter intransigente do Papa Bento 16 e o isolamento em que ele vive, tanto dos próprios pares quanto do mundo em geral.

Se não me engano o conteúdo desse artigo é aberto, se não for é só me dar um grito que envio por email.

A Adrina Poubel, do blog À Cata de Palavras, teceu comentários muito pertinentes e me autorizou a publicá-los aqui no PdUBT [senquiu, frô!]. Os meus comentários seguem logo depois.

Lu, eu sou católica mezzo praticante. Fui batizada, fiz primeira comunhão, casei de vestido branco. Vou à missa de vez em quando. Gosto de conhecer a história da igreja, saber a razão e o porquê dos porquês. Disse isso porque talvez eu não seja isenta o suficiente para emitir a minha opinião, aliás nem sei se esse era o objetivo do seu e-mail, mas lá vai.

Continuar lendo