Brahma 120 anos

Trabalho de equipe

Trabalho de equipe

Aleluia, irmãos! Uma propaganda brasileira de cerveja sem mulher seminua! Isso não não acontece desde… ahn… desde quando, sempre? Tá certo que quem acompanha Titia Batata há algum tempo teve uma sensaçãozinha de déjà-vu – pensou Carlton Draught e sua Big Ad? Nah, menos, menos. Ignore, pense mais naquela outra da Coca-Cola com o Ronaldinho, tem mais a ver.

Mas, hey, esqueça aquela também, vamos comemorar uma peça pra cerveja menos óbvia e batida por uma vez na vida! Como o target deles provavelmente não conhece nem uma nem outra [a maioria, pelo menos. a minoria que conhece nem deve ligar], deve ‘tar valendo. *Cara de dúvida* Eu tenho umas Heineken ainda na geladeira. Quem traz o tira gosto?

Ops. Congela. Cabei de perceber no making-of que a “espuma” é formada por cheerleaders. Certo. Esquece a parte do “menos óbvia” também. Nhé.

Brahma 120 anos – Declaração na Videoteca [subi na Videoteca 1 pra fazer companhia pros outros vídeos do mesmo tipo]. Subi também a paródia da belga Muscle Beer para a Big Ad, que não conhecia ainda e é muito, muito engraçada!

Isso me lembra que tou pra experimentar uma massa de fritura diferente, que vi no programa da Kylie Kwong: 1 xícara de farinha de trigo [sem fermento], 1/2 xícara de cerveja e 1/2 xícara de gelo. Qualquer cerveja serve, ela disse, até aquela sem álcool – mas dá pena desperdiçar Heineken assim, mottainai

Embromation bingo

Vocês estão muito antentos hoje. Minha liderança proativa deve estar funcionando.

Vocês estão muito atentos hoje. Minha liderança proativa deve estar funcionando.

Ontem vi pela primeira vez uma peça publicitária da IBM chamada “Pare de falar. Comece a fazer” – não entendi ainda qual o público alvo mas rolei de rir. Não é recente, parece que foi lançada nos EUA em 2007 – a versão que passa na TV brasileira é mesma, dublada em português.

V. no Youtube em inglês e dublado na Videoteca2 PdUBT.

O conceito é simples e integrado ao mundo moderno: grupo de funcionários de saco-cheio das mesmas reuniões de negócios e palestras motivacionais de sempre jogam o tal Embromation Bingo, niqui o objetivo é preencher uma linha [horizontal, vertical ou diagonal] com palavras ou expressões presentes nesse tipo de encontro como os jargões, lugares comuns, frases de efeito…

Gerador de cartelas de Embromation Bingo, ferramenta direcionada ad hoc ao cliente brasileiro.

A demanda pelo Buzzword Bingo surgiu numa tirinha do Dilbert em 1994 [v. imagem no topo do post - não encontrei a interface traduzida mas estou agilizando isso] e é um excelente agregador de valores, motivando o trabalho de equipe de forma integrada ao mesmo tempo que foca na competitividade, proporcionando um feedback positivo.

Argh! Socorro! Isso pega!

Da próxima vez que teu chefe convocar uma reunião ou te obrigar a assistir a outra palestra motivacional vá preparado [obrigar, sim, porque recusar-se é atestar falta de interesse e de proatividade, na visão desses caras - e nem adianta explicar que você já ouviu as mesmas balelas 17 vezes e que nenhuma delas traz resultado prático].

Faça você mesmo a sua palestra motivacional com o Gerador de Lero-Lero.

Suzana Elvas - breviariodashoras.blogspot.com

Suzana Elvas - breviariodashoras.blogspot.com

Quando não é pra ser, não é

Primeira corrida na história da Fórmula 1 a ser disputada à noite, coisetal, todo mundo já leu a respeito, não vou comentar [mesmo porque só vi a edição resumida, hehehe]. Mas nem na edição resumida deixaram de mostrar um piloto brasileiro que abandonou a prova logo no começo, caminhando na direção do público pra dar-lhe um agrado [luvas? balaclava? não consegui ver direito].

Magine a cena: público à direita, passarela no meio e mar à esquerda. Piloto brasileiro joga o mimo pra direita, ele faz uma curva e cai no mar. Desta vez até eu fiquei com dó dele. Ô sujeito cag*do.

V. corrida na íntegra no blog Formula 1 Review.

De ponta-cabeça ou de cabeça pra baixo?

Uma perspectiva do mundo.

Uma perspectiva do mundo.

Tava a ouvir o Miti Miyamura na Rádio Banzai e ele disse uma coisa interessante: só no Estado de SP se diz “de ponta-cabeça”, que ni todo o Brasil se diz “de cabeça pra baixo”.

Isso procede? Como se diz aí onde você mora?

São esses detalhezinhos mínimos que me fazer er contra qualquer tentativa de unificação, mesmo que ortográfica.

Houaiss
ponta-cabeça
Acepções
■ substantivo feminino
cabeça no chão e pés para cima
Locuções
de ponta-cabeça
de cabeça para baixo; de pernas para o ar
Gramática
pl.: pontas-cabeças e pontas-cabeça
Uso
empr. somente nesta loc.

J.K. Rowling e a Física em Harry Potter

O documentário Harry Potter: um ano na vida de J.K. Rowling responde questões sobre a criadora de Harry Potter, J.K. Rowling, uma das escritoras mais famosas do mundo. Seus livros já foram traduzidos para mais de 65 línguas e venderam mais de 350 milhões de exemplares no mundo todo. Ela já lançou cinco filmes em Hollywood, tem projetos de desenvolver outros e planeja construir um parque temático sobre Harry Potter. O documentário acompanhou a autora do best-seller durante um ano e conta sua história desde a infância até os dias atuais.
Harry Potter: um ano na vida de J.K. Rowling
No ar quinta-feira, dia 9/10, às 21h
Horário alternativo: sexta-feira, 10/10, às 5h; sábado 11/10, às 6h e às 20h e terça-feira, 14/10, às 14h. [Line-UP]

No GNT.

O portal mágico de Harry Potter na estação de trem não é tão impossível assim, afirmam cientistas. Segundo um estudo publicado na “Revista Nature”, físicos estão desenvolvendo um método de ocultar entradas, cujo resultado faria com que paredes em branco fossem portais invisíveis. [Abril]

[Eu a-do-rei saber que agora tem uma plataforma 9 3/4 na estação de King's Cross, de verdade!! V. imagem no Wikimedia e subentrada no Wikipedia, o que é ótimo pra brasileiro não pegar o trem errado... Sabe lá pra onde vai o que sai da plataforma 9 1/2.]

Atualização
E é claro que esqueci a informação mais relevante: o livro traduzido Os Contos de Beedle, O Bardo será lançado simultaneamente em 4 de dezembro no Brasil, no mesmo dia que saem as edições inglesa e norte-americana. Mesma editora, mesma tradutora. Como já encomendei em inglês, posso esperar a edição em português entrar em promoção. :)

Karate Kid – A hora da verdade

Encera carro, pinta cerca, depois caratê.

Encera carro, pinta cerca, depois caratê.

A notícia de que o ator Ralph Macchio foi confirmado no elenco da série Ugly Betty [como personagem recorrente!] trouxe uma enxurrada de memórias na minha cabeça. Macchio pode fazer um quazilhão de filmes na vida mas não adianta: será lembrado sempre pelo papel de Daniel-san na série de filmes Karate Kid, cRássico da Sessão da Tarde nos anos 80 e início da década de 90.

O primeiro filme [The Karate Kid, EUA/1984] gerou tantos ícones na época que nem sei por onde começar… Pelo Senhor Miyagi, um japonês okinawano que pratica o zen, pela fofa da Elisabeth Shue, pelo golpe “garça em teto de zinco quente”?

A história em si é bobinha e cheia de clichês: garoto [Macchio] que se muda para uma nova cidade tem que se adaptar no colégio e vira alvo dos bullies. Procura a academia local de artes marciais para aprender a lutar mas os bullies freqüentam a tal academia, a Cobra Kai. Ele convence então o zelador do condomínio onde mora [Pat Morita, indicado ao Oscar e ao Globo de Outro como Ator Coadjuvante por este papel] a ensinar-lhe caratê para defesa, enquanto conquista a garota mais bonita da escola [Shue]. No fim, Daniel-san e o bully-chefe se enfrentam numa competição.

Miyagi: Nós fazemos pacto sagrado. Eu prometo treinar você, você promete aprender. Eu falo, você faz, sem perguntas.

Continue lendo

Homem-Aranha 3

Imagem versus realidade

Imagem versus realidade

Que engraçado, eu jurava que tinha escrito posts para os dois primeiros filmes do Spider-Man na época em que assisti, mas nem: do primeiro só me referi ao fato de que gostei mais de Elektra e do segundo só mencionei que vi para louvar o vilão e debochar da mocinha. Daí fiquei em dúvida: deixo quieto pela terceira vez ou comento minhas impressões pessoais a respeito desta seqüência?

Tcharãm!

Se o cidadão é daqueles que curte uma aventura sem compromisso, cheia de ação e efeitos especiais de encher os olhos, decerto vai se satisfazer com Homem-Aranha 3 [Spider-Man 3, EUA/2007]. O estúdio gastou uma grana violenta em CG – e foi um dinheiro bem gasto.

As cenas com o simbionte [aquela geleca preta], o Homem Areia, o Novo Duende Verde e, por fim, o Venom são fantásticas, não deixam nada para a imaginação, foram muito bem executadas. Os vôos e perseguições pelos prédios, as cenas de resgate, tudo foi bem caprichadinho e são de tirar o fôlego com a perfeição dos detalhes – e ainda contam com um que outro elemento cômico, um que outro elemento terno no momento psicológico certo.

Mas aí acontece um negócio engraçado.

Continue lendo

Os 50 maiores vilões da literatura

She's EBIL!

Mrs Coulter is EBIL!

Os articulistas do jornal inglês The Telegraph se depararam com um problema inesperado quando se propuseram a listar os 50 maiores vilões da literatura: como optaram por recorrer o mínimo possível aos quadrinhos e obras infanto-juvenis, perceberam que a literatura adulta não contém tantos vilões assim – melhor dizendo, não exibe uma linha clara que define mocinhos e vilões. Em Moby Dick quem é o vilão, a baleia branca ou o capitão Ahab? E no Paraíso Perdido de Milton, Deus ou Satã?

Eu tive esta dúvida num dos livros de uma série que está na lista, dizem que é uma parábola cristã  mas os personagens “do bem” cometiam tantos atos de preconceito e intolerância, justificados pelo conceito religioso lá deles, que fechei o livro e nunca mais peguei pra terminar de ler. E nem vou assistir ao resto dos filmes.

De qualquer forma, taqui a lista deles com anotações do que eu li ou vi o filme [de Lovecraft li uma porrada de uma vez só, mas isso foi há uns 20 anos, nem lembro mais... Clarissa e Paraíso Perdido vou emprestar de hermã]. No site do jornal tem o comentário dos articulistas.
Continue lendo

Top Fazíveis Emmy 2008

OK, antes de mais nada vam’ combinar um negócio: ninguém é obrigado/a a concordar com a lista abaixo – na verdade, eu acho mesmo que serão muitas vozes a protestar, LOL!, caus que Titia Batata liga menos para carinhas bonitas e mais para atitude. Muitas das veiz a aparência no vídeo ou nas fotos é agradável aos olhos, mas não dá calor. Top Fazível Batatal dá calor em Titia Batata e eventualmente até pode ser bonito, não tenho nada contra.

Eis a lista.
Continue lendo